Carregando...
Pergunta enviada por Fabiano Ambrosio da Silva, da Clara Cosméticos

Bom dia Caio,

Possuo uma loja física há seis anos e no inicio deste ano criei a minha loja virtual.
Com o problema da crise do ano passado o meu movimento físico caiu aproximadamente 7% este ano (contra um crescimento de 17% ano passado) e a minha loja virtual não vende nem que eu queira muito.Gostaria de saber se você pode me ajudar a melhorar esse meu faturamento físico que diminui, talvez você tem alguma ideia que eu não tenha tido, assim como eu queria também saber se você tem alguma dica que possa me ajudar a começar a vender realmente na loja virtual. Sempre escuto que o e-commerce vem crescendo, mas não estou vendo o resultado.

Agradeço antecipadamente,
Fabiano Ambrosio da Silva


Olá Fabiano,

Primeiramente, gostaria de utilizar sua pergunta para responder a dezenas de e-mails que recebo sobre como alavancar a venda de sites ou de lojas virtuais.Essa pergunta me lembrou um pouco daquele filme antigo do Kevin Costner, chamado “O campo dos sonhos”, no qual um fazendeiro (interpretado por Costner) derruba uma parte de sua plantação para a construção de um campo de beisebol, no qual surgem algumas figuras do passado para “bater uma bolinha”, no estilo americano.Eu me lembro de uma frase que “o campo” sussurrava para o protagonista o tempo todo: “Construa e eles virão”.

Para muita gente, o sonho da uma loja bem sucedida na Internet parece que bebe um pouco nesta fonte. Apostando em uma maneira de crescer rapidamente, muita gente acredita que “estar na Internet” depende apenas de ter ou não um site no ar. Não é raro encontrar sites e lojas virtuais que ao invés de colaborar ou alavancar a marca no mercado, muitas vezes denigrem e até mesmo prejudicam a imagem que pode ser gerada pelo consumidor. Cabe a máxima: Muitas vezes são os famosos sites feitos a custo quase zero, pelo “sobrinho do primo do vizinho”.

Se por um lado, estar na Internet deixou de ser uma opção, uma vez que mais de 70% dos Internautas acabam buscando alguma referencia na Internet antes de comprar algum produto, segundo dados da Gouvêa de Souza (GS&MD. Apenas apenas ter um site, mesmo que seja bom, não significa ter sucesso e lucratividade na rede.

Em primeiro lugar, dentro dos produtos e perfil de consumidor com o qual você trabalha, é necessário detectar se existe alguma possibilidade de atingir esse consumidor por algum outro caminho virtual que não seja seu site: pode ser através de fóruns, redes sociais como o Orkut (onde eu acredito que é possível até mesmo você “selecionar” de maneira mais fácil seu publico, buscando comunidades do mesmo bairro ou cidade, ou até mesmo através dos gostos pessoais dos usuários), Facebook e Twitter.

O segundo passo é gerar conteúdo. Se apenas preços não estão atraindo seu consumidor, busque se associar a ferramentas de pesquisa de preços, ou então, busque criar um conteúdo interessante para seu consumidor. Se você vende cosmésticos, porque não trazer aos leitores dicas e truques para tirar melhor proveito dos produtos e obter melhores resultados ? Ou ainda, por que não trazer dicas de beleza e saúde, muitas vezes não diretamente relacionadas ao seus produtos ?

O terceiro passo é a promoção propriamente dita: Tente relacionar-se com sites de clinicas ou de empresas que possam lhe ajudar a vender seu produto e que possuam o mesmo perfil de consumidor. Do mesmo modo, apostar em ferramentas de busca é uma boa oportunidade, principalmente pelo resultado que geram a um custo baixo (na verdade, você determina o custo na maioria desse sites). Para quem está começando e está com pouco capital, iniciar pelo Google Adwords é uma boa pedida. Invista em palavras e frases que possam direcionar seu consumidor para seu site.

Quanto a loja física, existem diversos fatores que podem estar agindo contra seu resultado de vendas, além da crise. Tente revigorar a loja de alguma maneira, com promoções, pilhas de produtos na frente da loja, ou até mesmo, uma troca na cor da fachada. Qualquer mudança pode criar interesse. Em tempos de crise, temos que criar nossos próprios ventos, e não esperar o mercado soprar, ou seja, invista em publicidade ou merchandising. Não há muito segredo nisso: Crie folhetos, ofereça ofertas e descontos. Em tempos de crise, quem deseja comprar, busca uma solução de bom preço e qualidade. Ofereça essa solução.

Os resultados do mercado mostram que a crise no Brasil está praticamente anulada, e projetam um Natal de números excelentes. Aproveite !
Espero ter lhe ajudado

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.com.br