por Vladimir Motta*


Grandes volumes de dados, gerados em alta velocidade e com uma enorme variedade de formatos. Essa é a definição mais difundida do Big Data. Há muito tempo não vejo um movimento tão grande em torno de um segmento de soluções tecnológicas como o que estamos testemunhando agora. Inegavelmente as empresas e governos estão aprendendo a extrair um valor extraordinário dos seus gigantescos repositórios de dados. Estão também colhendo informações de origens variadas por meio de sensores, GPS, Internet, mídias sociais, entre outras fontes, para aprimorar os negócios e oferecer melhores produtos e serviços aos clientes. Os provedores de soluções de Big Data ingressam no mercado com tecnologias atraentes e com preços competitivos. No entanto, é preciso ter critério na adoção e nas expectativas do uso da tecnologia e saber o que é mito ou verdade sobre o Big Data.



É fato que soluções de Big Data possibilitam o processamento de grandes bases de dados em escala amplamente superior aos bancos de dados e ferramentas tradicionais, fornecendo respostas mais rápidas e viabilizando novas perguntas, antes inimagináveis. Essas tecnologias também permitem que os dados gerados estejam disponíveis para serem analisados num tempo muito menor, aproximando as decisões dos acontecimentos do mundo real.

Com toda essa capacidade de processamento e um pouco de imaginação, já é possível definir e aplicar preços, produtos e ofertas para cada cliente de forma personalizada. Ainda que o público da empresa seja de milhões de pessoas.

Já há também diversos casos em operação no mundo dos negócios em que “robôs” – algoritmos automatizados por meio de softwares – analisam transações, consideram dados internos e externos das companhias, aplicam regras pré-definidas e tomam as decisões em frações de segundos. O ganho em agilidade, segurança e economia é inquestionável. Além de todas essas vantagens, é possível também acompanhar em tempo real o desempenho dessas operações, sejam vendas, compras ou atendimentos.

A definição que mais se aproxima da realidade sobre o BIG DATA é a de fronteira. Sempre haverá uma barreira de complexidade, volume e velocidade a partir da qual as tecnologias existentes não serão capazes de produzir respostas em tempo e custo adequados. Por esse ângulo, o Big Data sempre existiu. A novidade consiste em uma nova geração de soluções, que temos hoje, que amplia fortemente essas fronteiras, mas sempre haverá limites.

No filme “O guia do mochileiro das galáxias”, havia uma máquina, um supercomputador, que quando perguntado sobre qual seria a resposta para “A questão da vida, do universo e de todas as coisas” levou 7,5 milhões de anos para produzir e checar a resposta: “42”. É difícil imaginar que uma máquina seja capaz de analisar todo do contexto sobre determinada questão, ter consciência de risco e retorno ou ética. Obviamente, o poder que os computadores e softwares têm de processar dados e fazer cálculos é incomparável com a capacidade humana, mas uma máquina ainda não tem como superar as habilidades de ponderação e sentimento do homem. A combinação de boas ferramentas com proficiência nos negócios vai superar por muito tempo a pura inteligência computacional.

Muitas empresas hoje lidam com Big Data, não somente as grandes, mas também pequenas e médias corporações. No entanto, antes de adquirir soluções é importante saber onde e para que essas informações serão utilizadas. Guardar dados sem saber como vai utilizá-los para, talvez, no futuro extrair valor deles, pode não ser a melhor opção. É preciso ter em mente que os dados envelhecem e perdem, em muitos casos, a correspondência com o ambiente de negócios atual. Além disso, geram custos e riscos, especialmente, de segurança de informações ao serem armazenados sem os cuidados necessários.

Vladimir Motta é gerente de Planejamento Estratégico da Stone Age e responsável pela gestão de marketing da empresa e pré-vendas. Na Stone Age desde 2006, já ocupou a posição de coordenador de Projetos. Trabalhou também como arquiteto de soluções na Embratel. É formado em Informática com pós-graduação em Engenharia da Informação e MBA em Gestão Empreendedora.
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: