Especialista em Fidelização e Relacionamento faz um alerta para empresas que escolhem ter preço baixo como único atrativo: o risco de prejuízo é grande

Muitos empresários entendem que, praticando preços baixos, terão clientes fiéis. Na verdade, acreditar neste conceito é errado. “As estratégias de fidelização devem se basear em outros aspectos: oferecer um bom atendimento, um produto ou serviço de qualidade e uma experiência de compra agradável é mais eficaz para incentivar o cliente a voltar à empresa na próxima compra do que apenas oferecer preços baixos”, diz o especialista Marcelo Cristiano Gonçalves, sócio-diretor da Marka Fidelização e Relacionamento.

É por esta razão que um programa de fidelização se baseia em incentivos para que o cliente volte mais uma vez à loja – sem exigir que o diferencial daquele negócio seja o preço. “Este incentivo pode ser um desconto ou a geração de pontos que podem ser trocados por produtos. O importante é que ofertar algo que seja realmente atrativo para o cliente, algo que ele dê valor”, completa o especialista.

E o preço baixo? - Ainda que seja um fator que atrai efetivamente consumidores, pode ser uma prática que prejudica a empresa em longo prazo dependendo da forma como é aplicada. Manter preços sempre baixos sem um volume de vendas que sustente essa estratégia pode levar as empresas a ter prejuízos e até mesmo chegar à falência.

“Para manter preços baixos, é preciso concentrar as vendas pela Internet ou pelo telefone, ter poucas lojas físicas e um volume de vendas tão alto que justifique a baixa margem de lucro, algo que nem todas as empresas de varejo podem alcançar”, ilustra Gonçalves.

Várias vendas para o mesmo cliente – Em tempos de grande concorrência e disputa por clientes, um programa de fidelização e relacionamento pode ajudar o varejista a fazer várias vendas para o mesmo cliente, para manter o equilíbrio dos negócios.

Segundo o especialista, são quatro os passos para fidelizar os clientes:

1- Cadastrar os dados do cliente;

2- Entender seus hábitos (frequência, gasto por compra, identificação de inativos);

3- Pesquisar as razões dos clientes que não voltam a comprar;

4- Entender os pontos fortes da empresa, a partir dos relatos de clientes fiéis.

“É melhor investir tempo trabalhando o cadastro de clientes do que perder tempo fazendo manobras para baixar os preços, deixando-os mais atrativos que os da concorrência”, defende o especialista. Com essas informações, é possível minimizar os pontos fracos da empresa, fortalecer os diferenciais positivos e não depender apenas do preço como diferencial competitivo”, avalia Gonçalves.

Sobre a Marka Fidelização e Relacionamento

A Marka Fidelização e Relacionamento iniciou suas atividades em 1997 para atender às demandas de empresas cujo objetivo é aumentar os resultados de suas vendas e de sua lucratividade, por meio de técnicas e ferramentas que estabelecem e fortalecem os vínculos de relacionamento com seus clientes, fidelizando-os.

Seguindo esta premissa, desenvolve programas de fidelização e relacionamento que fazem com que clientes, das mais diferentes empresas, sintam-se mais valorizadas. Com isso, eles voltam mais vezes a estes estabelecimentos e gastam mais a cada compra.

A Marka Fidelização e Relacionamento já atendeu clientes dos mais diferentes segmentos do mercado, como Multicoisas, Sumirê, Código Girls, Editora Paulinas, Soho, Fotoptica, Laboratório Aché e Quality Lavanderia, entre outras empresas.
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: