Um dos temas principais da NRF deste ano, uma feira que apresenta todo ano em Nova York (EUA), as principais tendências do mercado mundial de varejo, afirmou que o varejo físico volta a ser foco dos consumidores, principalmente como instrumento de valia da marca e possibilidade de maiores compras.

Segundo os números que foram divulgados, mais de 95% das compras realizadas online acontecem em lojas que também possuem lojas físicas.

Ainda de acordo com uma das pesquisas divulgadas, 75% das pessoas preferem comprar em lojas físicas, e acabam comprando até seis vezes mais do que se comparados os tickets médios das lojas online. Talvez motivados por ofertas e produtos oferecidos para compra de impulso, bem como sofrem influência sobre marcas através dos vendedores, que têm seu papel mais relevante do que nunca, porém voltados a serem consultores de chão de loja, e não somente batedores de metas de vendas.

Porém, se existe uma nova oportunidade e o consumidor está retornando ao varejo físico, isso não significa que não haja lições que devem ser entendidas e corrigidas, para que o consumidor não se atente à algum outro canal de compras no futuro.

Se qualquer site hoje obtém facilmente e de maneira praticamente em realtime informações como quantas pessoas acessaram o site, quais páginas visitadas, quais produtos mais buscados, entre outros, no varejo físico a maioria das informações não apresentam o presente, mas somente o passado dos resultados, e são geridas e trabalhadas em tempos tão longos que uma promoção criada para a loja física só consiga avaliar o resultado de vendas ao final do dia, e tenha que esperar uma possível reunião semanal da empresa, para a demonstração e discussão dos resultados para a tomada de decisão. Tanto tempo, que o consumidor talvez até tenha esquecido que fez a compra. No caso do online, uma promoção que durante o dia talvez não esteja apresentando os resultados esperados, pode ser trabalhada de maneira imediata, para que possa entregar os resultados esperados no período da tarde.

O varejo nunca precisou de tecnologia para sobreviver. Prova disso são as milhares de lojas e pequenos estabelecimentos comerciais espalhados fora dos grandes centros que trabalham apenas como um balcão e uma máquina para registro das vendas. Talvez existam algumas até com caixa registradora ainda. Pode parecer até vintage, mas é old schooll mesmo.

Entretanto, não é possível uma marca crescer e expandir seus resultados sem tecnologia. Não há como obter a mesma velocidade de análise, comparação e ação apresentada pelos canais digitais. Sem análise, o que temos somente é a venda do final do dia registrada. Passado, sem possibilidade de ação, rezando para que dias melhores virão, se as vendas estiverem abaixo do esperado.

Cabe aos varejistas que até hoje foram passivos em novas soluções, tomarem novas atitudes, respirarem novos ares, pois o futuro já não só é presente, como é quase passado.

Para quem deseja crescer, a mudança é já!

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
Editor
Falando de Varejo
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: