Pesquisa da entidade indica que faturamento do setor atingiu R$ 99,385 bilhões, de janeiro a setembro deste ano, um crescimento de 10,1%.

O franchising brasileiro mantém sua resiliência e capacidade de reação mesmo em meio a um contexto econômico desfavorável. Esta é a constatação extraída da mais recente Pesquisa Trimestral de Desempenho do setor realizada pela ABF – Associação Brasileira de Franchising. De acordo com o estudo, o franchising registrou um aumento nominal do faturamento de 8,2% no 3º trimestre deste ano, comparado ao mesmo período de 2014, com um total de R$ 35,5 bilhões. Já a receita do setor de janeiro a setembro de 2015 cresceu 10,1% em relação a igual período do ano passado, atingindo R$ 99,385 bilhões.

A presidente da ABF, Cristina Franco, atribui este desempenho ao sistema em rede e visão de negócios do setor. “A relação franqueador e franqueado não dá brechas para acomodação. Ambos buscam o fortalecimento do negócio e, vendo a fragilidade do mercado já em 2014, começaram a tomar medidas de saneamento em termos de custos e eficiência da operação. A constante troca de experiências também foi fundamental, uma vez que o empreendedor na ponta tem exemplos de estratégias bem-sucedidas e mantém o ânimo mesmo frente ao cenário adverso”, diz.

A presidente da ABF ressaltou ainda que a desvalorização do real e o fato de o franchising ter um ticket médio que cabe no bolso do brasileiro podem ter impulsionado setores como o de turismo, beleza e alimentação. “Esses são segmentos tradicionais do franchising que souberam se adaptar rápido ao novo momento e capturaram uma oportunidade de um consumidor mais retraído, mas que não abre mão de alguns hábitos adquiridos como o cuidado com o bem estar e a alimentação fora do lar”, afirma Cristina Franco.

Claudio Tieghi, da ABF
O levantamento registra ainda que o número de unidades cresceu 2% de julho a setembro deste ano, totalizando 133.897 operações de franquias em atividade. “Notamos que a redes tem sido mais conservadoras, mas não pararam seu processo de expansão. Vimos também diferenças entre os segmentos. Enquanto que o crescimento de Educação e Treinamento, Veículos e Hotelaria está mais ligado ao aumento do faturamento por loja, os segmentos de Negócios, Serviços e Outros Varejos e Acessórios Pessoais e Calçados tem sua expansão mais ligada ao crescimento do número de unidades de, respectivamente, 3% e 5%”, afirma Claudio Tieghi, diretor de Inteligência de Mercado, Relacionamento e Sustentabilidade da ABF.

Os segmentos que mais cresceram em faturamento no 3º trimestre foram Educação e Treinamento, Negócios, Serviços e Outros Varejos e Veículos, com 15% de crescimento, seguidos por Hotelaria e Turismo, com 14% de expansão. “Acreditamos que este desempenho seja influenciado pela busca de qualificação frente a um mercado de trabalho mais retraído e a busca de serviços e fornecedores com preços mais competitivos”, explica Claudio Tieghi.

A pesquisa traz uma novidade. Pela primeira vez é informado o número de unidades repassadas, que foi de 0,6%. “O franchising oferece a modalidade de repasse como alternativa ao fechamento da unidade. Esse fato demonstra também os benefícios de se ter um negócio em rede, planejado e melhor estruturado que os negócios independentes”, observa o diretor da ABF.

A ABF realizou também uma correlação entre os dados trimestrais e o Projeto Franquias Brasil, que está levando treinamentos presenciais a 120 cidades, de 19 Estados. O objetivo foi capturar um o indicador do interesse de potenciais empreendedores (tanto franqueados como franqueadores). No 3º trimestre de 2015, 70% das pessoas que buscaram qualificação no Projeto para se tornar franqueador são Homens. O Sudeste é a Região que apresenta o maior número de pessoas com o objetivo de se tornarem franqueadores, com 32%. Já o Nordeste é o mais representativo no número de interessados em se tornar um franqueado, com 44% dos participantes.

Metodologia

Envolvendo o mercado como um todo, inclusive não associados, os números do desempenho do setor de franchising são apurados em pesquisa por amostragem, cruzados com levantamentos feitos por entidades representantes de setores correlatos ao sistema de franquias – tais como CNC e ABRASCE – órgãos de governo como o IBGE e instituições parceiras, caso do SEBRAE. Auditados por empresa independente, os dados divulgados pela ABF são referência para órgãos governamentais de diversas esferas, entidades internacionais do franchising, como World Franchise Council e FIAF – Federação Ibero-americana de Franquias, e instituições financeiras.

Sobre a ABF

A ABF – Associação Brasileira de Franchising é uma entidade sem fins lucrativos, criada há 28 anos para divulgar, defender e promover o desenvolvimento técnico e institucional do modelo de negócio batizado como Franchising/Franquia. Sendo assim, a instituição reúne todas as partes envolvidas na franquia – franqueadores, franqueados, consultores e prestadores de serviços – para garantir e disseminar a prática do bom franchising no Brasil. Entre as funções desempenhadas pela entidade, estão orientar o investidor como pesquisar corretamente uma franquia, indicar literaturas especializadas e fornecer dados sobre as empresas franqueadoras no Brasil e no exterior. Para as empresas interessadas em expandir seus negócios por meio do sistema de franquia, a ABF indica quais ações são necess&aac ute;rias para formatar o negócio, assim como relaciona profissionais de consultoria em Franchising para auxiliarem o processo. Mais informações: www.portaldofranchising.com.br
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: