Olá amigos do varejo!

De uma conversa com alguns varejistas sobre o atual cenário de gestão que vivemos, saiu o tema desse artigo. É incrível como o cenário do varejo mudou drasticamente nos últimos meses.

De um primeiro trimestre onde se ensaiava de maneira passiva uma saída para a crise, aguardando uma nova informação ou notícia que indicasse uma retomada, para um melhor entendimento de como seria o ano como um todo, a partir das notícias e indicadores que foram saindo e tomando o rumo contrário, indicando cada vez mais um cenário de retração do consumo, o varejo como um todo, ainda de alguma forma, buscou criar alguma atitude positiva que pudesse contagiar não somente seus consumidores, mas também suas equipes de colaboradores.

Frases como “Nossa empresa decidiu não participar da crise” ou “não conhecemos essa palavra”, criando um tom de força e atitude foram trabalhadas por marcas e por líderes e personalidades do nosso mercado. Na boa intenção dessa iniciativa, para enfrentar a crise, tínhamos que ser proativos.

Mas à medida que os meses estão passando, e infelizmente não trazendo nada que indique uma retomada no curto prazo, as empresas estão buscando entender não como crescer, mas sim, como se manter salutares até o final de 2016.

Sim, boa parte das empresas já jogou a toalha e dá como certa a estagnação do mercado em 2016. Economistas apontam que a retomada do consumo só se inicie em 2017, e tem gente já batendo forte que levaremos uma década até que se recupere o poder de consumo da população de dois, três anos
atrás.

Diante de um cenário como esse, estamos lendo constantemente notícias de grandes redes como fechando lojas por todo o Brasil. De outro modo, todas estão revendo drasticamente seus planos de expansão. Mas o que isso significa de fato?

Recentemente foi anunciado uma grande rede, por exemplo estaria cortando custos, fechando mais de 50 lojas. Só não esquecem que a mesma rede conta hoje com mais de 1000 lojas. Todas as redes estão pensando não somente nas unidades que poderiam abrir, mas também nas que hoje se encontram abertas. A palavra de ordem é rentabilidade.

Nas últimas semanas, parece que o varejo todo está caminhando para o mesmo lado. A ordem é enxugar as gorduras, reduzir as estruturas de modo a só manter os pontos lucrativos.

Durante os últimos anos, assistimos à uma expansão desenfreada de algumas redes, cadenciadas principalmente pela expansão duramente criticada de shoppings no Brasil. É óbvio que havia campo para crescimento, mas da noite para o dia surgiram empreendimentos colossais bem distintos da realidade de consumo que pudesse ser absorvida pelo mercado. O retrato disso foram shoppings que ainda estão longe de se discutir sua maturidade, uma vez que ainda nem ao menos “pegaram” força de mercado. Corredores vazios, poucas lojas abertas (e muitos tapumes enfeitando corredores), e as que se encontram abertas, com dificuldades de operação.

Nesse cenário, as redes antes chamadas de âncoras, ganharam privilégios, como condomínios e alugueis com valores risíveis ou até mesmo gratuitos, na experiência de que uma vez instalados no shopping, auxiliariam na atratividade do empreendimento.

Com o novo cenário da economia, já escutei de profissionais do mercado histórias de pontos que tiveram que ser fechados, mesmo com valores operacionais baixos. Mesmo nessas condições, ainda existem lojas que estão fechando, como diz o jargão empresarial, no vermelho.

Para as grandes redes, não é mais tempo de arriscar. Qualquer ferida no resultado em tempos como esses pode se tornar uma grande inflamação nas contas da empresa. Por isso, quem pode está encerrando a temporada de riscos ou apostas. Lojas que não apresentam resultados ou que possuem custos muito altos para os dias de hoje, estão sendo fechadas, tal como deveria acontecer.

É difícil se pensarmos em pessoas e empregos. Mas se alguns são sacrificados, muitos têm seu emprego salvos, pelo menos por enquanto.

Usando a metáfora do título deste artigo, para que uma planta cresça forte, as vezes é necessário cortar os galhos mais fracos para que a planta cresça com mais força. Eu acredito que esse é o momento que os grandes estão vivendo. Não se trata de corte. É poda.

Talvez fique a lição sobre o crescimento fomentado e pouco planejado que tivemos. Todos quiseram aproveitar as oportunidades, e alguns realmente aceitaram loucuras na ânsia de expandir facilmente seus horizontes. Agora é hora de replanejar.

Para os médios e pequenos, no cenário de crise, há de fato pouco a se podar, sem que de fato se corte algo vital ao negócio. Se hoje já há pouca gordura, ainda há espaço de crescimento para pequenos que consigam se posicionar de maneira diferenciada junto à concorrência ou a seu mercado.

Eu acredito que em algum momento lá na frente, ainda difícil de ser apontado, todos da cadeia de varejo, pequenos, médios, grandes e principalmente os shoppings não só terão aprendido novas lições, assim como quem sobreviver, sairá com sua organização e gestão fortalecidos, e capaz de rapidamente crescer novamente.

Os negócios vão voltar a florescer, porém, antes da próxima primavera, ainda veremos um inverno pela frente.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
Editor
Falando de Varejo
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: