Eu encontrei esse fabuloso artigo no site do pessoal do Retail Touchpoints e que resolvi compartilhar com vocês. São questões que a equipe editorial levantou, e que traz alguns importantes questionamentos, principalmente por que na maioria dos casos abaixo, as dúvidas deles são as mesmas que os varejistas brasileiros hoje tem.

De tudo que se vê lá, é tudo viável?

Há questões aqui levantadas, que eram medos de brasileiros, e não de americanos. Vale, e muito a leitura.

1. O gerenciamento do inventário de Omnichannel, sem grandes estragos no budget.

Varejistas estão tendo que lidar com o desafio de determinar o produto certo, para o cliente certo, da maneira mais eficiente. Shoppers esperam ter todas as opções de compra e entrega ao seu dispor. Mas como se adaptar a tudo isso sem aumentar as perdas? Algumas questões chave são: Que área paga pela separação das mercadorias e as horas de trabalho dos funcionários que tem que atender os pedidos online quando na loja? Como evitar uma ruptura quando as vendas são maiores do que o esperado nos diversos canais? Há hoje tecnologias para gerenciar todo esse processo?

2. A Internet das Coisas (IoT) em 2016: Tecnologias vestíveis, Impressão 3D, Biometria...

As conversas estão carregadas de ideias sobre as possibilidades dessas novas tecnologias, que vem inspirando consumidores e novos negócios. Varejistas e fornecedores estão buscando onde focar seus esforços e principalmente quando. Deveriam desenvolver produtos e soluções para as tecnologias vestíveis, como os smartwatches ou deveriam buscar soluções de IoT para suas operações internas? Empresas como Normal e Lowes estão à frente do jogo com produtos criados em impressão 3D. Será que as outras empresas deveriam acompanhar a onda do IoT por medo de serem deixadas para trás?

3. Contextualização: A personalização anabolizada (Nota do Caio: adorei esse termo).

Personalização já está sob os holofotes há muitos anos e varejistas estão começando a perceber que que há várias etapas nesse processo. Uma das mais eficientes receitas irá incluir a contextualização: adicionando fatores relacionados não apenas sobre "quem são" os consumidores, mas também o que eles estão fazendo quando não estão ao alcance dos olhos da marca. Partindo do básico, não apenas sabendo adaptar as mensagens de acordo com o tamanho das telas de uso (desktop, mobile), mas utilizando sofisticadas análises de comportamento entendendo que os shoppers possuem um ciclo de compra de diversos estágios e ofecendo o melhor possível. Tecnologias que saibam adicionar contexto às comunicações irão despertar o interesse nesse ano.

4. Será que as lojas físicas (Brick and Mortar) conseguirão se transformar em Centros de Experiência

As lojas de departamento tiveram que adaptar seu mix à um calor inesperado e fora de época. Consumidores, principalmente os Milennials, estão buscando experiências de compra (únicas, fabulosas), mas não estão interessados em gastar tanto. Seria interessante algumas ideias e soluções na NRG que possibilitem varejistas a ter ferramentas que tornem a experiência de loja mais....experimental. Se isso ainda soa meio aéreo, alinhar as a experiencia do mundo físico e digital hoje é uma necessidade na era do omnichannel e do empoderamento do consumidor mobile.

5. Drones: Quem será o dono do céu?

É um pássaro? É um avião? É....meu novo par de tênis! O dia que a entrega através de drones irá se inciar...já se iniciou! Na CES (feira de tecnologia que acontece em Janeiro, também nos EUA), ficou marcado que a era do drone é uma realidade. Enquanto 66% dos consumidores esperam que a entrega por drones seja rapidamente uma realidade, pelo menos por enquanto, nem a Amazon ou o Google apresentaram ainda sua ideia aérea de futuro ou realidade. Será que algo novo surgirá na NRF? Será que as pessoas estão preparadas para um futuro onde um drone lhe entregará um par de tênis ou uma pizza?

6. Mantenha seus clientes seguros e os bandidos inseguros.

Os desafios de manutenção da informações do clientes (database), principalmente sobre seus interesses e comportamentos , e ao mesmo tempo de tornar essas informações acessíveis à equipe de loja leva à grandes preocupações sobre segurança e privacidade de informações. Os consumidores esperam poder confiar seus dados às empresas, mas como os varejistas podem trancar e manter seguros os dados se cada vez mais precisamos dos mesmos para gerar diversas análises de real-time, disponíveis à toda a equipe? Quais serão as ultimas inovações que irão impedir os roubos no pagamento "self-checkout"? Será que os pequenos furtos em loja estão com os dias contados? Como manter a segurança contra as novas vulnerabilidades que o omnichannel possa criar?

7. Os Beacons vão sobreviver ao hype inicial?

Os dispositivos de BLE (Bluetooth Low Energy) ou Beacons foram muito discutidos nos ultimos anos, e pareciam algo promissor para o ambiente de varejo, uma vez que o cenário do consumidor mobile é cada vez maior. Entretanto, a utilização dos mesmos não foi do tamanho que se esperava. Enquanto varejistas como Neiman Marcus, Target e GameStop (sensação da ultima NRF) testaram a solução em algumas lojas, apenas algumas empresas toparam o desafio de implantar a solução em uma escala maior, como a Macy's e a Hudson's Bay, que implantaram em todas as lojas. Como a questão "mobile" parece vital na questão da experiência do consumidor, 2016 será um grande desafio (e também uma grande oportunidade) para os varejistas que estão buscando integrar beacons à suas operações.

8. Quais tecnologias vão auxiliar as PME's a aderirem ao Omnichannel?

Enquanto o assunto Omnichannel continua uma das palavras-chave do momento, praticamente só está sendo trabalhada por grandes players que podem hoje custear tecnologias, sistemas de pagamento e serviços que possibilitem a implantação. Mas, e os pequenos varejistas? Muitos estão muito bem da maneira que estão, mas se sentem completamente excluídos das novas possibilidades. Quem irá oferecer soluções que possibilitem os pequenos à também fazer parte do jogo?

9. O pagamento móvel (ou carteira virtual) está explodindo: Qual delas eu escolho para o meu negócio?

Apple Pay, MasterCard MasterPass, PayPal, Samsung Wallet e Chase Pay: varejistas estão escolhendo qual forma de pagamento eles irão oferecer. Então como decidir qual é a melhor para meu cliente? Com todos essas bandeiras e sistemas, os varejistas vão ter que ter TODAS para seus clientes? O pagamento móvel está em voga: Se antes a intenção de ter esse tipo de tecnologia era apenas algo para facilitar a vida do consumidor, hoje virou uma necessidade. Empresas como Walmart estão lançando meios próprios de pagamento. Quem vai ficar de fato no jogo?

10. A evolução digital do varejo físico (Brick and Mortar store)

O varejistas aprenderam rapidamente que as tecnologias digitais são uma necessidade hoje ao negócio. Por exemplo: 47% dos consumidores preferem comprar online pela opção de comparar preços. Com isso, o desafio para as lojas está em alinhar sua experiência em todos os canais. Além disso, o que poderá ser feito para melhorar a experiência de compra na loja?


VEJA O ARTIGO ORIGINAL AQUI: http://www.retailtouchpoints.com/features/trend-watch/10-trends-to-watch-at-nrf
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: