por João Augusto Ribeiro Penna*


Penna: 10 dicas para abrir uma franquia


1. FAÇA UMA AUTOANÁLISE CRITERIOSA

O primeiro passo é fazer uma autoanalise com algumas preguntas básicas:
  • Você já teve um negócio próprio?
  • Sabe se relacionar com pessoas?
  • Conforme o negócio escolhido, você está ciente de que poderá ter que trabalhar aos finais de semana e feriados? (Pois esses podem ser os dias de maior faturamento da sua empresa).
  • A sua família o apoiará nessa empreitada?
  • Você está ciente de que apesar do ser seu o negócio, você terá que obedecer ao Franqueador e suas normas e padrões?
  • Você tem perfil e habilidade para tratar com funcionários e clientes?

2. ESCOLHA O NEGÓCIO QUE MAIS COMBINE COM O SEU PERFIL

Não opte por um negócio que esteja na moda. Escolha uma atividade que lhe dê prazer. Se essa atividade estiver na moda, melhor ainda.

Você deve se sentir bem dentro do seu negócio. O negócio também precisa ter a sua cara.

3. ANALISE A SUA CAPACIDADE DE INVESTIR

Veja quanto você tem disponível para investir nesse negócio.

Lembre-se de que além dos valores para investimento, você precisará de uma folga financeira para os primeiros meses de operação.

Nem todo negócio consegue atingir o seu ponto de equilíbrio logo após sua abertura, com as receitas cobrindo as despesas.

Não entre em financiamento bancário. Você estará arrumando um sócio que não irá trabalhar e sempre cobrará a parte dele nos lucros, nunca nos prejuízos.

As linhas de crédito, tipo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento), são interessantes, mas estude bem se, no seu caso, elas são viáveis.

4. CUIDADO COM O PONTO COMERCIAL

Este é um dos itens de maior importância para o sucesso do seu negócio. Perde apenas para a escolha da franquia que irá investir.

O ponto comercial pode ter maior ou menor influência, dependendo da atividade escolhida. Por exemplo, para o setor de alimentação, ele é tudo.

Fique atento, o seu investimento para montagem do seu negócio será sempre o mesmo, seja num ponto bom ou num ponto ruim, a diferença é que, no primeiro, o seu faturamento poderá ser o dobro do que ocorrerá no segundo.

Analise, atentamente, as cláusulas contratuais. E utilize a experiência de um advogado especializado em locações.

E mais importante de tudo: negocie sempre, e muito bem. Se você, por impulso, aceitar um valor locatício incompatível com o faturamento do seu negócio, você irá conviver com isso durante todo o período que durar o seu contrato de locação. O seu Franqueador deve saber o percentual máximo que o seu aluguel pode atingir em função do faturamento esperado. Com a experiência dele, você pode projetar o faturamento no ponto escolhi para negociação e, assim, chegar ao valor máximo de aluguel que poderá suportar. Acima desse valor, você reduz o lucro. Abaixo, essa diferença irá incorporar o seu lucro, todos os meses.

5. NÃO SE ESQUEÇA DOS CONCORRENTES

Fique atento à concorrência ao redor do seu ponto comercial.

Analise os pontos fortes e os pontos fracos deles, e compare com os seus. Nem sempre um concorrente por perto é negativo.

Ele pode ser um grande gerador de tráfego que pode beneficiar a sua loja. Se o seu negócio tiver bons atrativos, poderá se beneficiar do fluxo de pessoas que esse concorrente propiciará. Esse público perceberá o seu diferencial e, certamente, irá querer conhecer o seu negócio. Aí dependerá só de você (loja limpa, bem cuidada e iluminada) e dos seus colaboradores (atendimento cordial, atencioso e com as palavras-chave, bem-vindo, em que posso ajudar, posso sugerir, obrigado por ter vindo e volte sempre, entre outros).

6. CONHEÇA O FRANQUEADOR

Esta etapa não é tão difícil, mas requer cuidado e atenção.

Veja há quanto tempo o Franqueador está no mercado? Quantas lojas franqueadas ele possui? Quantas lojas próprias ele opera? Franqueador que não tem lojas próprias, nem sempre está atualizado com o dia a dia da operação. Na loja própria é que ele pode sentir na pele o resultado das suas ações de gestão como Franqueador.

7. CONVERSE COM OS FRANQUEADOS

Este é o melhor termômetro que você pode usar para medir a temperatura da Franqueadora.

Visite lojas e converse com os Franqueados. Veja se tudo aquilo que o Franqueador lhe passou, como sendo apoio da Franqueadora, realmente foi dado aos Franqueados.

Mas atenção: em toda Franqueadora existem Franqueados descontentes. Saiba entender o motivo desse descontentamento e, veja também, se ele é generalizado ou é pontual. Se todos os Franqueados reclamam da mesma coisa, pode ser um problema do Franqueador, mas se, somente poucos reclamam do mesmo ponto, pode ser apenas um problema localizado.

Na maioria dos casos, esse descontentamento é causado por falhas na avaliação dos itens 1 e 2 desta lista.

8. ANALISE A CIRCULAR DE OFERTA E O CONTRATO PROFUNDAMENTE

A Circular de Oferta de Franquia, é um documento que o Franqueador, pela lei 8.955, tem que entregar a você 10 dias antes de você assinar qualquer documento ou realizar qualquer pagamento relacionado à aquisição da Franquia.

Na COF, você encontrará também uma minuta do Contrato de Franquia que você irá assinar caso vá até o fim na sua negociação. Leia também com muita atenção.

O Contrato de Franquia é um Contrato de adesão que é igual para todos os Franqueados. Todas as regras da Franquia estão ali definidas para serem obedecidas.

9. NÃO FAÇA NADA POR IMPULSO

Seja o mais racional possível na análise do negócio que você está entrando.

Lembre-se de que nele, você estará colocando suas economias. Nesta hora, decidir por impulso pode ser um péssimo negócio.

10.ENTENDA BEM O SEU PAPEL

Siga sempre as normas e padrões definidos pelo Franqueador. Não tente “reinventar a roda”.

Se você acha que pode fazer melhor que ele, então faça, mas no seu próprio negócio. Aí você não precisará pagar royalties e taxas. Corra o risco sozinho.

Vale reforçar a citação de Marcelo Cherto, presidente da Cherto Consultoria, é um dos fundadores da Associação Brasileira de Franchising (ABF) e um dos principais responsáveis por difundir os conceitos do Franchising no país: “Numa rede de franquias que se preze, não há muito espaço para “rebeldes sem causa”.

Numa rede de Franquias, você tem que atuar conforme estipulado no contrato e Franquia. É claro que você pode sugerir e apresentar ideias ao seu Franqueador (foi assim que surgiu o Big Mac), mas caberá a ele, desenvolver, testar, aprovar e implantar para toda a sua rede, a sugestão que você apresentou.

O seu negócio não dará nada a você, ele simplesmente lhe devolverá em lucro, todo o tempo e dedicação que você gastar com ele. Sua presença é e sempre será fundamental para o sucesso do seu investimento.

*João Augusto Ribeiro Penna é gerente geral da rede de franquia Fran´s Café.
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: