Retração do setor apresentou uma desaceleração em maio. Este fator pode ser o indício de um fôlego para o varejo no segundo semestre do ano

As vendas do setor de comércio da capital mineira registraram queda de 1,56% no acumulado deste ano (Jan.16-Mai.16/Jan.15- Mai.15). Apesar do resultado negativo, o índice registrou uma melhora frente a abril (Jan.16-Abr.16/Jan.15-Abr.15), que atingiu a queda de -1,80%. Em março, esse índice apresentou queda de 1,05%. Já nos meses de fevereiro e janeiro, o desempenho do setor foi de -1,72% e -1,70%, respectivamente. Os dados são da pesquisa de maio do “Termômetro de Vendas” da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH).



O presidente da CDL/BH, Bruno Falci, explica que a desaceleração da queda nas vendas em maio pode ser o indício de um fôlego para o setor neste segundo semestre do ano. “No entanto, o desempenho do comércio ainda segue negativo, motivado sobretudo ao aumento da taxa de desemprego na capital e Região Metropolitana”, disse. “Comum volume menor de pessoas empregadas, a tendência é que a renda e, consequentemente, o consumo das famílias reduzam”, completa.

Os setores que apresentaram queda nas vendas no acumulado do ano (Jan.16/Mai.16) foram: máquinas, eletrodomésticos, móveis e louças (-2,05%); tecidos, vestuário, amarinho e calçados (-1,86%); papelaria e livrarias (-1,58%); veículos novos e usados - peças (-1,48%); ferragens, material elétrico e de construção (-1,21%). Os segmentos que cresceram foram: artigos diversos que incluem acessórios em couro, brinquedos, óticas,caça, pesca, material esportivo, material fotográfico, computadores e periféricos e  artefatos de borracha (+0,75%); supermercados e produtos alimentícios (+0,18%); e drogarias, perfumes e cosméticos (+0,05%).


Comparativo com o ano anterior – De acordo com o Termômetro de Vendas da CDL/BH, as vendas do comércio registraram queda de 1,97% em maio, na comparação com o mesmo período de 2015. “Tal resultado demostra o efeito negativo dadesaceleração da atividade econômica. A inflação e os juros em alta corroeram o poder de compra das famílias, gerando uma menor demanda no varejo”, explica o presidente da CDL/BH.

O segmento de veículos novos e usados – peças foi o que apresentou o pior desempenho (-3,62%) das vendas no mês de maio, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Os setores que também registraram queda nas vendas: máquinas, eletrodomésticos, móveis e louças (-3,29%); tecidos, vestuário, armarinho e calçados (-3,06%); papelarias e livrarias (-1,55%); supermercados e produtos alimentícios (-1,52%) e ferragens, material elétrico e de construção (-1,16%). Os setores que apresentaram aumento nas vendas foram: drogarias, perfumes e cosméticos (+3,99%) e artigos diversos (+0,33%).



Comparativo com o mês anterior – Quando comparado com o mês imediatamente anterior, o comércio registrou crescimento de 0,95%. Para Falci, o Dia das Mães, segunda melhor data em termos de faturamento para o comércio, foi o principal motivo para a alta nas vendas. “O forte apelo emocional da data levou muitas pessoas às lojas em maio, aquecendo as vendas”, finaliza.

Nesta base de comparação (Mai.16/Abr.16), os segmentos que registraram aumento nas vendas foram o de drogarias, perfumes e cosméticos (+3,82%) e o de tecidos, vestuário, armarinho e calçados (+1,09%). Já os setores que apresentaram queda nas vendas foram: artigos diversos (-2,29%); veículos novos e usados (-1,59%); ferragens, material de elétrico e de construção (-0,77%); supermercados e produtos alimentícios (-0,74%); máquinas, eletrodomésticos, móveis e louças (-0,53%) e papelarias e livrarias (-0,16%).
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: