Buscar

Notícia: Rede de varejo pede recuperação judicial para se proteger de dívida

Notícia publicada no site G1. Para acessar a matéria no site, clique aqui

Casa e Vídeo ganha prazo para apresentar plano de recuperação.Parte da diretoria da companhia foi implicada em ação da PF.


A rede fluminense de varejo Casa & Vídeo pediu recuperação judicial para se proteger contra dívidas de pouco mais de R$ 300 milhões e cerca de 500 credores. A informação foi dada pelo advogado Fábio Carvalho, representante da consultoria Alvarez e Marçal, que cuida da reestruturação da empresa.


Carvalho fez questão de frisar que as dificuldades financeiras da companhia eram anteriores à operação "Negócio da China" , desencadeada pela Polícia Federal (PF) em novembro de 2008 e que levou à prisão, na época, de 13 integrantes da cúpula da rede de varejo. O advogado explicou que as dificuldades de crédito da empresa começaram com a piora da crise econômica, ainda em setembro, situação agravada pela operação da PF.

Demissões


O presidente da Casa & Vídeo, Fernando Luzio, revelou que desde novembro a empresa demitiu cerca de 1,8 mil funcionários. Segundo o executivo, cerca de 500 foram dispensados devido a movimentos normais de redução de mão-de-obra depois das festas de fim do ano, Outros 1.296 saíram em decorrência da decisão da empresa de reduzir o número de lojas. Recentemente a Casa & Vídeo fechou oito unidades, consideradas deficitárias: sete no Rio de Janeiro e uma no Espírito Santo.


Atualmente a rede especializada em utilidades para o lar e eletroeletrônicos conta com 69 lojas e mais de 4 mil funcionários. Com o pedido de recuperação judicial, a companhia ganhou um prazo de dois meses para apresentar um plano de recuperação que deve ser aprovado pelos credores. Caso o prazo não seja cumprido, a juíza Maria da Penha Victorino, da 5ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, poderá decidir pela falência do grupo.


Interferência


O advogado Flávio Galdino, do escritório Leoni Siqueira - que elaborou o pedido de recuperação judicial -, minimizou o risco de o processo criminal, que corre em segredo de justiça, interferir no plano de recuperação.


Segundo ele, "é remotíssima a hipótese de interferência do processo criminal na recuperação judicial" , disse Galdino. Entre as acusações contra os controladores da companhia estão evasão de divisas, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e descaminho (contrabando).

Postar um comentário

0 Comentários