Buscar

Notícias: Confiança do consumidor cai a nível do terceiro trimestre de 2005

Publicada em O Globo
por Valor Online

A confiança do consumidor, medida pelo Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) da Confederação Nacional da Indústria (CNI), caiu pela segunda vez consecutiva no primeiro trimestre deste ano e retomou o patamar do terceiro trimestre de 2005, revelando os efeitos da crise econômica mundial nas expectativas do consumidor.

O índice - que reúne expectativas dos consumidores quanto à inflação, desemprego, renda, situação financeira, endividamento e compras de bens de maior valor - passou de 109,8 pontos no quarto trimestre de 2008 para 106,3 pontos no primeiro trimestre deste ano, uma queda de 3,2%. Na comparação com igual período do ano passado, quando havia registrado 111,5 pontos, o índice caiu 4,7%. Desde a pesquisa referente ao terceiro trimestre, concluída no mês de setembro, antes do agravamento da crise, o índice acumula queda de 8,1%.

O recorde da série, iniciada no primeiro trimestre de 2006, é de 115,6 pontos e foi registrado no terceiro trimestre de 2008.

"A queda no INEC pelo segundo trimestre consecutivo mostrou que o consumidor brasileiro ajustou suas expectativas em linha com o agravamento do quadro de crise da economia mundial e seus impactos no Brasil. É um reconhecimento que as dificuldades atingiram a nossa economia", afirmou, em comunicado, o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

O indicador que avalia a situação financeira foi um dos piores, com queda de 3,9% na comparação com dezembro, para 108,7 pontos. Já o índice de endividamento caiu 2,7% na mesma comparação, revelando aumento de dívidas, segundo a CNI.

O índice de expectativas de inflação teve alta de 1,4%, de 102,8 pontos para 104,2 pontos, mas ainda está em patamar historicamente baixo. Sem considerar o valor do quarto trimestre, é o menor desde março de 2001.

O pessimismo em relação ao desemprego aumentou em comparação ao fim do ano passado. O índice caiu 4,2%, de 105,6 pontos para 101,2 pontos. Na comparação com março do ano passado, a queda é de 19,8%. O índice de expectativa do desemprego é o menor desde novembro de 2001.
Há preocupações também em relação à renda. O índice caiu de 112,4 pontos no quarto trimestre para 110,9 pontos no primeiro trimestre, um recuo de 1,3%, mas ainda está acima de sua média histórica.

A intenção de consumo de bens de maior valor teve forte queda em relação à pesquisa anterior. O índice passou de 115,4 pontos para 108,5 pontos, um recuo de 5,9%.

Postar um comentário

0 Comentários