Buscar

Franchise Store revoluciona o mercado de franquias

Criação do Grupo Cherto, loja inaugurada em dezembro de 2008 já fechou mais de 100 negócios

O empreendedor ou empresário que desejasse abrir uma franquia tinha uma longa caminhada pela frente até o ano passado. Se não tivesse uma marca em mente e a conhecesse a fundo, teria que avaliar entre as 1.379 redes que existem no Brasil, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF). No máximo, encurtaria o caminho durante a ABF Franchising Expo, feira onde se reuniram 260 marcas neste ano durante três dias.

O Grupo Cherto, referência em franchising no país, sentia essa dificuldade. Foi aí que veio a ideia de Marcelo Cherto, sócio-diretor da empresa ao lado de Filomena Garcia. Por que não criar uma loja permanente para vender franquias? Nasce então a Franchise Store, único lugar onde é possível encontrar 60 marcas num só endereço. Com um adendo: a loja oferece ainda assessoria e apoio aos investidores.

Com isso, o Grupo Cherto adicionou à marca de 300 franquias vendidas em 13 anos mais 110 em seis meses. A Franchise Store começou depois de um ano de planejamento com 20 marcas e o objetivo é fechar o ano representando 100 franqueadores. Eles pagam um fee mensal e uma participação por negócio fechado. “Superou as nossas expectativas. Nossa meta sempre foi muito ousada, mas estamos no caminho para batê-la”, comemora Filomena Garcia em entrevista ao Mundo do Marketing.

Mercado em ebuliçãoUm dos grandes diferenciais da loja é levar informação para quem quer investir neste mercado que movimentou R$ 55 bilhões em 2008. “O grande negócio da Franchise Store foi desmistificar a franquia para o investidor. Era um mercado muito fechado. Antes, o investidor era como um desbravador porque ele tinha que escolher entre centenas que existem, indo de uma a uma atrás de informação”, aponta Filomena. A loja recebe pessoas do Brasil inteiro em 200m². A média de fechamento do negócio caiu de 120 para 45 dias nos casos mais extremos.

Mesmo depois de um crescimento de 19,5%, o mercado continua a crescer em ritmo acelerado neste ano. A estimativa da ABF é de pelo menos mais 13%. O motivo? A crise. “Este é um momento em que há pessoas que não se sentem mais seguras no trabalho e que há investidores que vêem na franquia um investimento rentável e que você tem controle”, explica Filomena (foto). Todos os 12 segmentos de franchising estão em expansão. Entre as principais áreas estão Alimentação, Assessórios e Calçados, seguidos de Beleza e Saúde.

Boa parte do combustível para o segmento andar tão rapidamente está na evolução do Marketing praticado pelos franqueadores. Até pouco tempo atrás, nem todas as marcas trabalhavam com o fundo de Marketing e, quem o fazia, deixava restrito à divulgação, seja no ponto-de-venda ou na mídia de massa. O cenário agora é de profissionalização e maior foco neste quesito. “Isso faz com que marcas menores, com 20 PDVs, já tenham destaque. Tem crescido também a participação dos franqueados na decisão de como usar esta verba”, afirma Filomena.
Marketing é fundamentalPara Filomena Garcia, coautora do livro Marketing para Franquias, uma franquia bem estrutura tem que ter uma visão de marca, de curto, médio e longo prazo, deixar claro o posicionamento e o mix de produtos. Tem que investir em merchandising, em material de ponto-de-venda, em treinamento e num plano de expansão. “O grande desafio de uma rede de franquia é atender as expectativas locais de Marketing que o franqueado tem. O franqueador tem que pensar em rede, mas não pode se esquecer que ele pode ter uma demanda específica em cada região”, salienta.

O perfil de quem investe em franquia também mudou. A característica predominante anteriormente era o da pessoa que queria substituir o seu emprego pela franquia. Esse perfil vai continuar existindo, mas está crescendo dois novos. Um pretende deixar a vida de executivo de lado e virar empresário. “Ele não quer ter apenas uma loja. Quer duas, três, cinco e até de marcas diferentes. São empresários, pessoas que terão uma rede dentro da rede”, descreve Filomena. O outro perfil são grandes empresários que querem ter 15, 20 lojas com sócios operadores. “São pessoas muito qualificadas que já tiveram história de sucesso em outros negócios”.

Agora, essas pessoas estão passando pela Franchise Store. Por dia, são pelo menos 10 que fazem reuniões que duram em média 1h30. Mas se os investidores não baterem à porta na Avenida Nove de Julho, a loja vai até elas. Foi assim na ABF Expo deste ano e é assim em shoppings. Mas isso não é tudo. O plano é, não por acaso, franquear a própria Franchise Store. As primeiras inaugurações devem acontecer até o primeiro semestre de 2010 em capitais como Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Salvador.

A última tacada da loja foi fechar parceria com o Banco do Nordeste para assessorar franqueadores e franqueados. O objetivo é oferecer financiamentos em condições favoráveis para viabilizar ou expandir negócios no Nordeste e na região do Semi-Árido (partes dos Estados do Centro-Oeste e Minas Gerais). “Não tem jeito, pensou franquia, pensou Franchise Store”, escreveu em seu blog Marcelo Cherto (foto).

No Mundo Virtual

A Franchise Store ainda não tem comércio eletrônico, uma ideia que não nos espantaríamos se o Grupo Cherto colocasse em prática, mas está multiplicada em diversos pontos de contatos on-line, como site, blog, twitter, fotos no Flickr e canal de vídeos no Youtube.

Fonte: Mundo do Marketing

Postar um comentário

0 Comentários