quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Vendas dos supermercados crescem 4,12%

Vendas dos supermercados crescem 4,12%
Alta ocorreu em agosto, em comparação ao mesmo período do ano anterior; acumulado nos primeiros oito meses do ano alcança 5,30%

As vendas do setor supermercadista em agosto de 2009 cresceram 4,12%, em relação ao mesmo mês de 2008, de acordo com o Índice Nacional de Vendas, divulgado mensalmente pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em comparação a julho de 2009, houve leve alta de 0,80%. No acumulado dos primeiros oito meses de 2009, em comparação com o mesmo período do ano anterior, o resultado chega a 5,30%. Esses índices já foram deflacionados pelo IPCA do IBGE.

Em valores nominais, o Índice de Vendas da Abras apresentou crescimento de 8,66%, em relação ao mesmo mês do ano anterior, e alta de 0,95% sobre o mês anterior. No acumulado dos oito primeiros meses, a alta é de 10,78%.

"Nosso faturamento, no acumulado do ano, ainda permanece acima de 5%. Trata-se de um ótimo resultado, que traz boas perspectivas para o final do ano, mesmo que a base de comparação seja alta, já que o segundo semestre de 2008 apresentou bom crescimento de vendas. A expectativa do setor supermercadista é manter esse bom ritmo de vendas", avalia o presidente da Abras, Sussumu Honda.

AbrasMercado

Em agosto, o AbrasMercado, cesta de 35 produtos de largo consumo, analisada pela GfK, apresentou queda de -2,90%, em relação ao mês anterior. Já na comparação com agosto de 2008, o AbrasMercado apresentou alta de 2,25%, passando de R$ 254,51 para R$ 260,24.
Os produtos com as maiores altas foram: tomate, com 19,04%; cebola, com 10,51%; e biscoito maisena, com 4,05%. Já os produtos com as maiores quedas foram: leite longa vida, com -11,01%; carne dianteiro, com -10,49%; e batata, com -10,72%.

"Em agosto, o AbrasMercado apresentou forte queda em relação a julho, após quatro meses seguidos de alta. Certamente, essa queda de -2,90% colabora para a estabilidade no preço dos produtos alimentícios. Dois produtos contribuíram fortemente para esse resultado. O leite longa vida, que tem grande representatividade na cesta básica do brasileiro (acima de 10%), depois de apresentar alta de 22,5% em 2009, caiu 11,01% em agosto. Carne dianteiro, que responde por cerca de 12,5% da cesta básica do brasileiro, também apresentou forte retração de preços, de -10,49%, retornando aos patamares cobrados em agosto de 2008", explica Sussumu Honda.

Índice de Volume

De acordo com o Índice Nacional de Volume, pesquisado pela Nielsen para a Abras, o autosserviço brasileiro apresentou alta de 2,2% nas vendas em volume, no acumulado dos oito primeiros meses de 2009, em comparação ao mesmo período de 2008 (quando o crescimento foi de 0,2%).

Das cestas pesquisadas, a que apresentou maior alta nas vendas foi a de bebidas alcoólicas, com 6%. As cestas de bebidas não alcoólicas, com 5%; perecíveis, com 4,9%; limpeza caseira, com 2,9%; mercearia doce, com 0,9%; e higiene e beleza, com 0,9%, também registraram alta. As cestas mercearia salgada, -0,1%, e outros ,-3,6%, tiveram queda nas vendas em volume.

O formato padrão de supermercados, que tem entre 20 e 49 check-outs, manteve crescimento, com 10,5% de aumento de vendas em volume. O autosserviço com até 4 check-outs, -0,7%, e aqueles que têm acima de 50 check-outs, -5,6%, continuam registrando quedas.

Nas regiões do país, todas as áreas pesquisadas, com exceção de interior e litoral de São Paulo, com queda de -1,5%, e Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal), com -0,8%, registraram aumento no volume vendido. O maior crescimento aconteceu na Grande Rio de Janeiro, com 6,2%.

Os produtos que apresentaram as maiores altas de vendas foram bebida energética, 71%, molho de tomate refogado, 11,9%, e leite em pó, com 11,8%. As maiores quedas aconteceram nos seguintes produtos: uísque, -9,4%, inseticida, -8,8%, e farinha de trigo e alimentos para cães -7,7%.

Redes e associações de negócios

Em 2008, as Redes e Associações de Negócios apresentaram crescimento nominal de 12,1%, sobre 2007, com faturamento bruto de R$ 19,84 bilhões - o que representa cerca de 12,5% de todo o setor no Brasil. O faturamento real, já deflacionado pelo IPCA do IBGE, aumentou 5,97%.

Os dados são da 9ª Pesquisa sobre Redes e Associações de Negócios Abras, realizada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em parceria com a LatinPanel, que traça o perfil do segmento e indica tendências para o futuro dos pequenos supermercados.

A pesquisa também registrou crescimento de 2,9% no número de lojas das redes, passando de 3,4 mil estabelecimentos, em 2007, para 3,5 mil lojas, em 2008. As três primeiras colocadas no ranking de redes são a Super Rede, do Ceará (faturamento de R$ 981,9 milhões), Central de Compras, do Espírito Santo (R$ 815,5 milhões) e a Unisuper, do Rio Grande do Sul (R$ 602 milhões).

Rio Franchising Business deverá gerar R$ 30 milhões em negócios

Rio Franchising Business deverá gerar R$ 30 milhões em negócios
Feira reunirá 150 marcas expositoras em outubro

A Rio Franchising Business 2009, um dos principais eventos do setor no Brasil, deverá gerar R$ 30 milhões em negócios, expectativa reforçada pelo crescimento do mercado de franquias no Rio. A feira reunirá cerca de 150 marcas expositoras de diferentes segmentos, entre os dias 1º e 3 de outubro no Riocentro. A estimativa para este ano é receber 15 mil visitantes, 25% a mais do que na edição de 2008.

Desde o início da crise econômica, o franchising tem sido apontado como uma das melhores alternativas de investimento, tanto para quem apostava em ações quanto para quem dispunha de recursos suficientes para empreender. A procura por franquias aumentou este ano. A expectativa do setor é fechar 2009 com crescimento de 10%.

Para Alain Guetta, presidente da ABF – Rio, o evento é uma ótima oportunidade para que o público possa conhecer diferentes marcas de franquias. “Hoje em dia, com as taxas de juros abaixo de dois dígitos, para se ganhar dinheiro, é preciso ser empreendedor. É neste cenário que o franchising surge como uma das melhores alternativas de investimento.” afima Guetta.

Para quem quer empreender, a Rio Franchising Business, organizada pela Fagga Eventos, é uma oportunidade para conhecer de perto as marcas que atuam em sistema de franchising e descobrir quais as mais adequadas ao seu perfil de investidor.

Atualmente, existem mais de 1.400 marcas de franquias no país, que geram aproximadamente 650.000 postos de trabalho diretos e 2 milhões indiretos. No ranking mundial, o Brasil está entre os cinco maiores países franqueadores. A feira é uma realização da ABF-Rio (Associação Brasileira de Franchising do Rio de Janeiro).

Serviço:

Rio Franchising Business 2009
Data: 1 a 3 de outubro
Local: Riocentro – Rio de Janeiro
Horário: das 14h às 21h
Para mais informações: www.riofranchisingbusiness.com.br

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Bob´s lança novo negócio: Bexpress by Bob´s

No cardápio, sanduíches pré-preparados para aquecer no microondas

A rede Bob’s lança mais uma modalidade de negócio: a BEXPRESS by Bob’s – um espaço que oferece sanduíches pré-preparados para serem aquecidos no microondas. O cliente pode comer na loja ou, se preferir, levar para casa. Há ainda a opção de acrescer os tradicionais molhos da rede. Com investimento de R$ 200 mil, a primeira loja piloto começou a funcionar esta semana no Rio de Janeiro, em Botafogo. O conceito é muito mais rapidez com o sabor tradicional Bob´s

O diretor de Desenvolvimento e Franquia, Flavio Maia, diz que a ideia é oferecer produtos saborosos, com a qualidade Bob`s de forma ainda mais rápida. O negócio já é tão grande que pretendemos abrir mais três unidades até dezembro deste ano”.

No cardápio da BEXPRESS by Bob’s sete sabores da linha burger (Hamburger, Cheeseburger, Cheese Picanha, Cheese Frango, Cheddar Duplo e Cheeseburguer Duplo), sobremesas (torta mouse de chocolate, torta alemã e torta chocolate com coco) e os sanduíches de pasta de frango e de atum.

A BEXPRESS by Bob’s pode funcionar junto com o formato Bob’s Skakes (de sobremesas geladas) ou de forma independente. Além disso, a empresa já estuda uma modelagem mais compacta para funcionar em lojas de conveniência de postos de combustíveis. “É o formato ideal para Conveniência, pela praticidade e tamanho. E os produtos Bob`s vão agregar marca ao ponto de venda dos postos”, explica Flavio Maia.

O Bob´s é a rede de alimentação com a maior cobertura geográfica do Brasil e vem conquistando ano a ano mais capilaridade. Ao todo são 660 unidades.

História


O Bob’s, uma empresa genuinamente brasileira com mais de 50 anos de mercado, iniciou sua operação em 1952. O norte-americano Robert Falkenburg trouxe dos Estados Unidos os conceitos mais modernos e inovadores do fast food, aos quais integrou o sabor do tempero brasileiro. A primeira loja foi inaugurada no burburinho de Copacabana, e logo no início já lançou moda e virou mania entre os cariocas. Em 1984, a rede iniciou o sistema de franquias.

Coop investe R$ 9 milhões em loja em São José dos Campos (SP)

Coop investe R$ 9 milhões em loja em São José dos Campos (SP)
Com investimentos na ordem de R$ 9 milhões, a Coop - Cooperativa de Consumo inaugura amanhã sua terceira loja em São José dos Campos (SP). Localizada no bairro Novo Horizonte, a loja é a 29a da rede e está construída em terreno de 14.400 m², ocupando uma área de vendas de 2.350 metros quadrados e um mix de 20 mil itens, além dos 7.700 disponíveis na drogaria.

Fonte: Mercado & Consumo

Speedo licencia marca para entrar no mercado farmacêutico

Speedo licencia marca para entrar no mercado farmacêutico
A marca de artigos esportivos Speedo deu mais um passo em sua estratégia de diversificação com o licenciamento de sua marca para a Salvapé Produtos Ortopédicos, que irá colocar a Speedo no segmento farma. Atualmente, a Speedo conta com nove linhas de produtos licenciados, que vão de mochilas e óculos escuros a relógios e sandálias. A partir de novembro, munhequeiras, cotoveleiras, joelheiras e tornozeleiras, confeccionadas em elástico ou neoprene, estarão disponíveis em diversas farmácias e drogarias brasileiras, com perspectiva de atingir 12 mil pontos de vendas no curto prazo.

Fonte: Mercado & Consumo

Carrefour pode deixar o Brasil

Carrefour pode deixar o Brasil
Interessante artigo postado pelo João Kepler (Blog do JK). Confiram !

O Portal Exame (via Reuters) desta segunda feira, traz uma matéria do Jornal Le Monde de Paris, informando que o grupo francês Carrefour estaria sendo pressionado por grandes acionistas para deixar mercados emergentes, como a China e o Brasil.

A pressão seria de acionistas, detentores de cerca de 13,5% da empresa, que estariam tentando persuadir a várias semanas a gestão atual do Carrefour a tomar a medida de deixar esses países até o final do ano. A pressão surge após uma queda de quase 30% no valor da ação do Carrefour, desde que os acionistas entraram em 2007.

O presidente-executivo do Carrefour, Lars Olofsson, que assumiu em janeiro o controle da segunda maior rede de varejo do mundo depois do Wal-Mart, revelou um plano em junho para economizar 4,5 bilhões de euros (6,6 bilhões de dólares) até 2012 com o corte de custos operacionais, melhores condições de compra e redução dos tempos de estoque para impulsionar os lucros.

O grupo Carrefour não comentou imediatamente a notícia publicada no Le Monde, mas no início do mês, tinha informado que países como Brasil, Índia, China e Rússia, figuram entre as prioridades para expansão no longo prazo.

O Carrefour Brasil em nota oficial, destacou que o posicionamento internacional do grupo é fornecido pela França, mas que até o momento, estão mantidos os investimentos este ano e no próximo no país. A política de expansão previa investimentos no país de R$ 1 bilhão em 2010 e a abertura de 90 lojas no Brasil em 2009.

Vamos aguardar o desfecho desta queda de braço.

Supermercados já fecham a compra natalina com indústria

Supermercados já fecham a compra natalina com indústria
Enquanto a primeira fornada de panetone chega às prateleiras dos supermercados cada vez mais cedo, a queda-de-braço nas negociações entre as redes varejistas e os fornecedores de bebidas e aves continua, com término previsto para meados de novembro. A injeção de R$ 140 bilhões decorrente do pagamento do 13º salário, 20% a mais que no ano passado, reforça o otimismo das redes ouvidas pelo DCI, que projetam um incremento de até 30% na temporada de vendas natalinas.

Afirmando que a crise passou longe dos negócios, a paranaense Super Muffato já fechou a compra de panetones e bebidas importadas. "Sem o clima de incerteza que pairava sobre o setor na reta final do ano passado, a venda de itens sazonais será 10% maior", disse o diretor Everton Muffato.

Sobre as negociações com a indústria nacional de bebidas e aves, o executivo, que pertence à segunda geração de administradores da rede, relatou que elas ainda estão em curso, mas esses itens deverão estar à venda entre novembro e o início de dezembro. Formada por 32 unidades de varejo e atacado, o objetivo da empresa é atingir 20% de crescimento, considerando as inaugurações ocorridas no ano.

O somatório de indicadores positivos para a economia -como queda da inadimplência, aumento do emprego formal, juros mais baixos, prazos longos e oferta maior de crédito- contribuiu para que a compra de aves do Líder Supermercados, sediado no Pará, aumentasse em 30% para o período, incluindo a margem de segurança.De maneira geral, as empresas apontaram de que a indústria repassou apenas o custo da operação, no máximo 5% maior quando comparado ao Natal passado. Para Oscar Lobato Rodrigues, diretor da Líder, "este será um ano muito bom para a empresa, com crescimento das vendas todos os meses".

Desempenho

Diferentemente dos concorrentes, Claudio Zaffari, diretor executivo do Grupo Zaffari, afirmou que na negociação prévia com os fornecedores de aves "não foram repassados os custos com a produção". Apesar de não revelar o volume da compra, o executivo espera que no quarto trimestre as vendas sejam de 4,5% a 6% maiores frente às de 2008, valores já deflacionados. "O peso dos produtos sazonais no faturamento da rede é muito forte.

"Dententora da sexta maior rede de supermercados do País, a Cia. Zaffari possui 29 lojas entre o Rio Grande do Sul e São Paulo, onde está presente com um hipermercado e com o Bourbon Shopping. Em 2008, a cadeia faturou R$ 1,7 bilhão, crescendo 11,8% perante o ano anterior, segundo ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). A empresa perdeu a quinta posição para a mineira Supermercado Bretas, que obteve ganhos de R$ 1,8 bilhão.PanoramaA elevação do Brasil ao terceiro grau de investimento, desta vez atribuído pela agência de classificação de risco Moody's, também anima as perspectivas para as vendas sazonais, segundo Sussumu Honda, presidente da Abras. Ele destaca que as expectativas de desempenho para este Natal superam as que o setor tinha para o ano passado.

"Teremos no mínimo um aumento de dois dígitos nas vendas. A confiança do consumidor e do empresariado está em alta e reforça os sinais de um final de ano muito bom", destacou Honda. O presidente da Abras, que também é sócio do Grupo Ricoy, acrescenta que as negociações de aves com os maiores fornecedores (BRF Brasil Foods, Seara e Aurora) são determinadas pelos próprios frigoríficos.No líder do setor, Grupo Pão de Açúcar, o volume dos pedidos de aves já foi estabelecido com os fornecedores. Sem revelar números, João Edson Gravata, diretor de Operações da bandeira Pão de Açúcar, explica que o preço final é acertado próximo do período de entrega do produto à rede.

Pagamentos

Seguindo a tendência dos meses anteriores, o setor supermercadista foi um dos principais responsáveis pela expansão do mercado brasileiro de meios eletrônicos de pagamento. Levantamento conduzido pela Redecard, empresa que captura e transmite transações eletrônicas, aponta a que no setor, em agosto, o faturamento com cartão de crédito cresceu 14,65%, e débito, 15,91%.Traçando um paralelo entre os primeiros oito meses do ano com o mesmo período de 2008, o crescimento foi de 17,18% para as vendas a crédito e de 15,90% para os cartões de débito.

Fonte: DCI

100.000 visitas

100.000 visitas
Ola a todos.
Esse post é para agradecer a audiência...
Surpreendente o crescimento do blog nesses ultimos meses...

Tinha a idéia de chegar a 50.000 em um ano, o que acabou se completando quase um mês antes.
Hoje, cerca de apenas 90 dias depois, estamos chegando a marca dos 100.000, algo que eu pensava, mesmo em uma visão das mais otimistas, atingir no final do ano....uau !

Obrigado a todos que lêem, contribuem, enviam suas dúvidas, nos acompanham no Twitter, RSS, assinam nossa newsletter ou nos acompanha em nossos perfis em redes como o Orkut, Plaxo e LinkedIn.

Obrigado mesmo.


Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.com.br

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Dúvidas de leitores: Música para loja de auto-peças

Dúvidas de leitores: Música para loja de auto-peças
Pergunta enviada por Jucelene (via site Administradores)

Olá
Trabalho em uma loja de auto-peças que atende pessoas de todas as idades...
Que tipo de música devo usar ?

Obrigada,
Jucelene

Olá Jucelene

Tudo vai variar de acordo com o atendimento que você tem no ponto-de-venda.
Se o atendimento for do tipo auto-serviço, aconselho que busque musicas mais calmas, as chamadas "musicas lentas", para buscar criar um ambiente agradável e que propicie que o consumidor permaneça mais tempo no ponto-de-venda.

Se o atendimento for do tipo balcão, o "maestro do tempo" será o próprio atendente e não a musica em si - é ele que deve reter ou expandir a estadia do cliente na loja. Neste caso, acredito que utilizar musicas que tenham "a cara" de seu consumidor, seja ele o profissional, ou o consumidor final seja um caminho de melhor resultado. Procure agregar simpatia e empatia nas musicas que tocar. Faça o cliente se sentir mais próximo. Neste caso, vale até mesmo ritmos populares, como sertanejo, pagode, forro, etc, desde que, saliento mais uma vez, totalmente de acordo com o perfil de seus clientes.

O que não se deve esquecer nunca, é que as musicas devem estar em um volume agradável, que possibilite uma conversa sem que seja necessário forçar a voz para falar com alguém, e também vale destacar que antes de tocar qualquer tipo de musica dentro do ponto-de-venda, você deve buscar o ECAD que sua região.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.com.br

Dúvida de leitores: Como escolher o melhor ponto comercial?

Dúvida de leitores: Como escolher o melhor ponto comercial?
Pergunta enviada por Patricia.

Caro Caio,

Primeiramente gostei muito do seu blog, tem textos interessantes e de fácil leitura.

Bom contanto um pouco da minha história, eu sou produto final da crise, fui demitida no ano passado depois de concluir e meu MBA em Marketing pela FIA e estar no mercado há mais de 10 anos. Depois disto foram várias entrevista e muitos contatos, mas no meio da crise comecei a perceber que a coisa seria bem difícil. Com sito comecei a pensar em um plano B, que confesso já tinha na cabeça há muito tempo, mas sem coragem para colocar em prática, a abertura de uma franquia.


Bom pesquisei e muito, fui em várias reuniões de apresentação dos negócios, e conversei com muitos franqueados, produto final: escolhi a abertura de uma loja de produtos naturais. Agora que eu precisaria da sua ajuda, estou neste momento a procura de ponto comercial e gostaria que você me indicasse alguns materiais sobre o assunto, sei que é de suma importância a localização do ponto de venda, e por muitas vezes me sinto perdida de como procurar, o franqueador dá uma assistência mais o franqueado tem que procurar e depois ele vai e faz uma análise.

Obrigado e bom trabalho

Abraços
Patricia

Ola Patricia.

Obrigado pelos elogios ao blog.

Realmente a escolha correta do local onde será instalado o ponto-de-venda pode ser um dos fatores determinantes para o sucesso.

Existe pouca literatura sobre o assunto, pensando em seus produtos, com utilização cada vez mais em voga, podemos pensar algumas situações do tipo:

As pessoas consomem esse tipo de produto em qual horário ? Isso influi em que lado da via você deve estar, principalmente se em uma via de grande circulação, ou ainda de muito transito. Produtos consumidos durante o dia, ou comprados pela manhã, têm melhores resultados quando implantados no sentido bairro-centro de uma via, ao passo que as pessoas estão comprando o produto ANTES de irem ao local de trabalho. Do contrário, o sentido centro-bairro vai privilegiar produtos que o consumidor compra ao voltar para casa (materiais para construção, automóveis, supermercados).

Pelo tipo de negocio, é de certa obviedade que locais de grandes concentrações, como edifícios ou escritórios poderão apresentar resultados melhores do que zonas residenciais, entretanto, em zonas nobres, esse tipo de produto vem sendo cada vez mais utilizado e procurado, portanto, pode ser uma excelente oportunidade.

Via de regra, locais em esquinas acabam sendo mais propícios do que edificações localizadas no meio de um bloco.

Como disse, essas situações são genéricas, mas mesmo assim, espero ter lhe ajudado.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo

FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.com.br

Associação Comercial de São Paulo promove seminário regional para expansão do Comércio Eletrônico

Associação Comercial de São Paulo promove seminário regional para expansão do Comércio Eletrônico
Evento, voltado aos empresários locais, visa prestar orientação às micro e pequenas empresas sobre a inclusão digital

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) em parceria com a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), promovem no dia 30/09/2009, a partir das 8h30 na Distrital Sudeste, situada à Rua Afonso Celso, 1659, Vila Mariana – Capital, o seminário “Comércio Eletrônico voltado para micro, pequena e média empresa”.

O comércio eletrônico, de acordo com estudos do mercado, deverá fechar 2009 movimentando R$ 10,5 bilhões, o que representaria um aumento de 28% em relação aos R$ 8,2 bilhões no ano passado. As duas instituições, atentas ao crescimento desse mercado, promovem o evento, que faz parte do ciclo de seminários regionais, com objetivo de incentivar o empreendedorismo digital entre os empresários da região. Lá serão apresentados conceitos básicos, ferramentas necessárias para montar um negócio virtual, modelos de negócios do e-commerce e até soluções que o mercado vem criando para facilitar o pagamento e a aquisição de produtos pela Internet. As inscrições são gratuitas.

Confira abaixo a programação:

08h30 - Welcome Coffee e credenciamento
08h45 - O que é o Comércio Eletrônico? ACSP - Sandra Turchi - Superintendente de Marketing
09h15 - Registro de domínio VERISIGN - Alex Medeiros - Senior Marketing Analist
09h40 - Hospedagem e Loja Virtual UOL HOST - Bianca Rodrigues - Coordenadora de Atendimento
10h05 - Meios de Pagamento PAGSEGURO - Daniela Melo - Analista de Marketing
10h30 - Coffee break
10h45 - Gestão de Risco SCPC/ACSP - Edison Teruya - Consultor de Serviços
11h00 - Transformando o desafio da venda online com Cartão de Crédito em vantagem competitiva CLEAR SALE - Sérgio Oliveira - Gerente Comercial
11h15 - Logística CORREIOS - João Batista - Gerente Região de Vendas
11h45 - Webmarketing YAHOO! -Cristiana Braz Sant'Anna - Gerente de Relacionamento
12h15 - Mídia Digital Indoor MIDIA BAY - Ettore Casoria - Diretor
12h40 - Caso de sucesso no e-commerce ELETRÔNICA SANTANA - Carlos Henrique – Diretor
13h00 – Encerramento

Sobre a ACSP: A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em seus mais de 100 anos de história, atua diretamente na defesa da livre iniciativa e, ao longo de sua trajetória, tem estado sempre ao lado do pequeno, médio e grande empresário. No ambiente de negócios, a ACSP administra o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), que dispõe do mais moderno e completo banco de dados de informações comerciais, com dados de pessoas e empresas e cobertura nacional. Para mais informações, visite o site www.acsp.com.br ou ligue para (11) 3244-3030.

Beleza Natural abre 170 vagas em Salvador.

Beleza Natural abre 170 vagas em Salvador.
Novos postos de trabalho atenderão ao primeiro instituto de beleza da rede na Bahia, que faz parte do plano de expandir a marca em todo o Brasil

A rede Beleza Natural, de institutos especializados em soluções completas para cabelos crespos, cacheados e ondulados, inicia processo seletivo para preencher 170 vagas em sua primeira unidade na Bahia, que iniciará atividades em novembro, em Salvador. Os currículos podem ser entregues pessoalmente na própria unidade (Largo do Tanque 108 - loja 3 - Liberdade) ou cadastrados pelo site www.belezanatural.com.br.

A maior parte dos postos de trabalho oferecidos (70%) é para auxiliares de cabeleireiras e consultoras de beleza. Há vagas também para gerente operacional, supervisora, cabeleireira, auxiliar operacional, recepcionista, atendente, assistente de atendimento, assistente de marketing, assistente administrativa, assistente de manutenção, auxiliar de lanchonete e estoquista.

O salário das auxiliares de cabeleireiras gira em torno de R$ 550,00. Já as consultoras ganham o mesmo salário, mas também recebem comissão, que pode triplicar a remuneração. Entre os benefícios, além do vale-transporte, vale-refeição e assistência médica, a empresa oferece uniforme e tratamento gratuito de beleza. Todos os contratados recebem, ainda, treinamento especial sobre as técnicas exclusivas de tratamento aplicadas na rede.

O diretor geral da empresa, Anthony Talbot, afirma que para atuar no Instituto não é preciso ter experiência anterior para a maioria dos cargos, porém, é preciso ter concluído o ensino médio. “O empenho e a vontade de aprender dos profissionais são as características que mais contam. Buscamos aquelas pessoas que gostam de lidar com gente, que estejam sempre sorrindo e que procurem atender melhor os clientes”, afirma Talbolt.

Treinamento mistura trabalho e diversão


A cultura organizacional da empresa, voltada para a excelência no atendimento e o comprometimento de seus colaboradores, é um importante patrimônio do Beleza Natural. “Nossa visão é fazer as pessoas mais felizes, promovendo beleza e auto-estima. Desejamos sempre encantar o cliente interno e o externo com nossos serviços e produtos”, afirma o diretor-geral, Anthony Talbot.

A missão, os valores e a visão da empresa são vividos no dia-a-dia de trabalho e pode-se dizer que a ‘promoção da felicidade por meio da beleza e da autoestima’ acontece também com o corpo funcional. “Como empregamos muita gente sem experiência, treinamos e formamos profissionais, gerando novas oportunidades para a vida dessas pessoas. É impressionante ver como, a partir do trabalho, elas vão adquirindo várias conquistas”, revela Talbot.

Seguindo esta diretriz, a rede realiza uma série de atividades de envolvimento e de endomarketing, misturando trabalho e aprendizado de maneira lúdica. Entre os destaques estão o programa Superação, em que os salões da empresa competem entre si em uma série de critérios de qualidade, e a Cantina da Mamma Zica, quando os líderes da empresa transmitem os valores da companhia através de um almoço feito pelos próprios para a equipe.

Dois dados surpreendem sobre a relação entre a empresa e seus funcionários: 70% dos colaboradores da rede são ex-clientes e mais da metade das promoções de cargos é preenchida internamente. “Acreditamos em nossos colaboradores e aqui eles têm oportunidade de seguir carreira, principalmente pelo intensivo treinamento que oferecemos em todos os cargos”, completa o executivo.

Para treinamento de seus colaboradores, a rede mantém seu Centro de Desenvolvimento Técnico (CDT), localizado em Jacarepaguá, na zona oeste carioca, onde são ministrados cursos técnicos e também comportamentais. Em 2008, foram mais de 500 funcionários treinados no CDT, em cerca de 109 mil horas de treinamento, com dez educadores. No CDT, também é oferecido o ‘Dia de Beleza’ para a população carente, incluindo serviços de Super-Relaxante, Hidratação e Penteado.

Mais sobre a nova unidade

As obras do Instituto Beleza Natural de Salvador foram iniciadas esta semana. A primeira unidade da rede na capital baiana dá prosseguimento ao plano de expansão da rede, que já emprega 1.080 funcionários em 10 unidades – nove no Rio de Janeiro e uma no Espírito Santo. A unidade ocupará um imóvel de 1.328 m2, numa estrutura de três andares, com 87 lavatórios, e abrigará ainda um Centro de Treinamento, com 19 lavatórios, onde haverá equipes em aprendizado constante. Para a abertura, será realizado um investimento de R$ 3 milhões e a empresa espera ter retorno em dois anos.

“Chegaremos ao Nordeste em grande estilo, em uma cidade que concentra o maior potencial de clientes para o Beleza Natural. Dos 4 milhões de habitantes de Salvador, 90% se encaixam no nosso perfil, pois têm cabelos crespos ou ondulados em diferentes níveis. Nossa expectativa é bater todos os recordes de atendimento em Salvador. Teremos capacidade de atender cerca de 24 mil clientes por mês somente no serviço Super-Relaxante, que é o nosso carro-chefe”, afirma Anthony Talbot.

Segundo ele, a cidade de Salvador é considerada um mercado estratégico para os planos de expansão do Beleza Natural. “A partir desta primeira loja pretendemos abrir uma unidade por ano em Salvador, em bairros diferentes, nos próximos cinco anos. Estas lojas terão formato e espaço menor, com cerca de 500m2 cada, oferecendo basicamente o serviço Super-Relaxante”, revela Talbot. “Quando estivemos em Salvador pela primeira vez, no ano passado, ficamos muito empolgados em levar o Beleza Natural para lá. Temos certeza de que transformaremos a autoestima de muitos baianos”, empolga-se a sócia Heloísa Assis, a Zica, sócia-fundadora da rede.

Ecologia-2.0, o que o marketing tem a ver com isso?

por Edson Zogbi

Comecei a aprender ecologia como matéria escolar nos anos 70. Naquela época, ecologia era, simplesmente, o estudo de como se organizavam as cadeias alimentares e suas relações. Lá pelos anos 80 esta matéria virou bandeira científica, bandeira política, bandeira social e claro, bandeira ambientalista. Mas, a revolução da informação começou a nos ensinar que o mundo tem uma condição que pode ser mais ou menos medida. Essa condição seria como se fosse uma fotografia. Chamamos isso de “estado do mundo”. E o mundo está mal, a mídia não para de avisar (isso quando não tem futebol, eleições ou escândalos ocupando o espaço).

Quem não se lembra do slogan: “salvem as baleias”? Ou do: “salvem as focas”? Ou até daquela brincadeira: “salvem o mico leão dourado da floresta cinzenta equatorial da Pensilvânia do leste”? Pois é, agora o slogan mudou: “salvem-se”!

Num recente artigo que escrevi (O Pior Consumidor do Mundo), falei do termo Ecologia-2.0, mencionando o quanto os novos consumidores são diferentes e o quanto os profissionais de marketing têm que se empenhar para conhecê-los. Ao mesmo tempo, preví que o consumo irá cair por conta de um “entendimento” visceral de que não podemos mais consumir desenfreadamente da forma que fazíamos até ontem, pois não há recursos disponíveis no planeta para isso. Se adotarmos, por um passe de mágica, o padrão de vida dos norte americanos, precisamos de quase 5 planetas Terra para atender a demanda de recursos naturais. Que eu saiba a Terra ainda não aumentou de tamanho, e condições de mudar para outro planeta que nos dê recursos naturais semelhantes, ainda não foram encontradas.

Se você procurar no youtube vídeos sobre o não-consumo ou críticas ao consumo, vai encontrar milhares, e todos eles, milhões de vezes vistos. Quem os vê? Quem gosta deles? Não há dúvida que são os jovens, as gerações de consumidores que vêm por aí, os piores consumidores do mundo (vamos chamar de PCM), para quem é de marketing.

Então a equação está montada e as variáveis são: PCM + esforços tradicionais de marketing = menos vendas. Não precisa entender de cálculos de fractais ou logarítimos para perceber que o que vai ter que mudar nessa equação são os esforços tradicionais de marketing. Isso porque se pensarmos “dentro da caixa”, tenderemos a pensar simplesmente em aumentar estes esforços, uma decisão cartesiana que está longe de ser uma solução, porque é o mesmo que dizer: gastem mais para convencer quem quer consumir menos, coisa de louco.

Por outro lado, ainda pensando cartesianamente, poderíamos imaginar então, a extinção do marketing de vez. Para quê investir nisso se o consumo vai diminuir? Outro erro crasso.

O caminho para esse tipo de problema, que é complexo, passa pelo pensamento complexo, pela análise de todas as variáveis envolvidas, pela dinamização dos conceitos de marketing, passando pela inovação e pela gestão da inovação. E isso indica que precisamos nos preparar, aumentar nosso nível de conhecimento, partir para essas novas disciplinas com interesse e afinco. O que muda no PCM é o que ele consome e não o quanto ele consome. O que muda no PCM é que ele passa a consumir mais serviços do que produtos, passa também a consumir os pordutos que foram desmaterializados, viraram bits, são agora virtuais.

Existem PCMs em todas as classes sociais, cada um com o seu potencial de consumo, e claro, com a sua consciência de consumo. Independente disso, a tendência de se consumir menos recursos naturais e também de poluir menos continuará crescendo.

A Ecologia-2.0 não exige somente ações de marketing sócio ambiental bonitinhas de se divulgar com uma boa assessoria de imprensa. Ela exige um novo perfil de trabalho.

Então, o marketing que pretende fugir da extinção da sua espécie tem que abrir sua cabeça, deixar seus louros de lado e investir na sua capacitação. E tornar-se um gestor da inovação, uma peça chave para a sobrevivência da maioria das empresas. Ecologia-2.0 exige um Marketing-2.0.
Edson Zogbi – Especialista em Gestão da Inovação e Planejamento de Marketing - Diretor Geral da Poliscenário (www.poliscenario.pt) em Lisboa, empresa proprietária das redes: RCLP – Rede de Classificados em Língua Portuguesa (www.rclp.pt, www.rclp.com.br), RCLE – Red de Clasificados en la Lengua Española (www.rcle.es) e CNIE – Classifieds Net for Innovation in English (www.cnie.co.uk). Conselheiro de Marketing e Inovação de empresas, Conferencista, Professor e Autor de 3 livros (Editoras Atlas e Profitbooks) e de 29 DVDs didáticos (Commit e Dtcom).

sábado, 26 de setembro de 2009

Risco de inadimplência tem relação direta com o interesse pela compra

Risco de inadimplência tem relação direta com o interesse pela compra
O risco de uma pessoa ficar inadimplente ao fazer compras parceladas em setores como vestuário, móveis, alimentação, construção e eletroeletrônicos varia de acordo com o interesse que o segmento desperta em seu consumo do dia-a-dia. Essa é a principal constatação de um estudo feito pela Neurotech, empresa especializada no uso de inteligência artificial e mineração de dados para análise do perfil de operações de crédito. Segundo o trabalho, os homens têm uma possibilidade de 2,8% de ficar endividados na soma de todos os cinco segmentos avaliados. As mulheres têm praticamente a mesma possibilidade (2,9%). Porém, quando observados segmentos específicos, como o de vestuário, predominantemente de maior interesse de consumo para as mulheres, as chances de um homem ficar devendo sobem para 4,6%.

Fonte: Mercado & Consumo

Empresários apostam no e-commerce para as vendas do final do ano

Empresários apostam no e-commerce para as vendas do final do ano
Com a estimativa de fechamento do ano com um faturamento recorde em torno de R$ 10,5 bilhões, os empresários com atuação no comércio eletrônico esperam com expectativas otimistas a chegada do período de maior volume de vendas. As grandes redes já estão se preparando para o final do ano ampliando suas equipes, investindo em estoques e na diversidade de produtos. Com o aumento do numero de internautas na rede, as lojas estão se preparando para crescer 40% a mais que o comercializado no segundo semestre do ano passado.

O crescimento do e-commerce está possibilitando maior diversidade de produtos na rede, diferentes possibilidades de compra, ofertas e produtos competitivos. De acordo com o presidente do Programa Administração de Varejo (Provar), o professor Claúdio Felisoni, da Fundação Instituto de Administração (FIA), as lojas virtuais devem focar todo seu investimento em logística para garantir a diferença na briga pelo mercado. “Na internet é muito mais fácil o consumidor mudar de idéia e optar por comprar no concorrente por um problema de logística. É preciso investir para ter uma entrega confiável”, diz.

Para Pedro Luiz Quissack, coordenador comercial da Tray Sistemas, o mês de setembro, conhecido tradicionalmente como mês do consumidor , vem agitar ainda mais o comércio eletrônico, e na sequência o Dia das Crianças. ” A migração das ofertas do varejo tradicional para o comércio eletrônico, vem contribuir para as vendas no varejo online e ainda dar uma prévia do que vai ser o Dia das Crianças, o Natal acaba sendo conseqüência para o lojista que se planejou durante o ano inteiro para a data. O comércio eletrônico está ganhando cada vez mais compradores, segundo pesquisa realizada pela Câmara e-net, o índice de satisfação de quem compra pela internet bateu record pelo segundo mês consecutivo em agosto, isso propiciona ainda mais confiabilidade na hora da compra”.

Além disso, é comum que as empresas se preparem durante todo o semestre para atender as demandas crescentes do Natal, onde é esperado um aumento no volume de vendas que pode chegar ao dobro dos meses anteriores. Para Quissack, as lojas virtuais começam agora uma preparação intensa para o final do ano. ” Um bom planejamento trata desde as questões conceituais e de médio e longo prazo da loja, bem como as táticas de comercialização e promoção dos produtos. Nesse momento entra a atenção especial às sazonalidades”, conclui.

Fonte: Redenotícia

Caxias Shopping lança promoção de inclusão digital no mês das crianças

Caxias Shopping lança promoção de inclusão digital no mês das crianças
O Caxias Shopping criou uma promoção válida durante todo o mês das crianças. De 01 a 12 de outubro, juntando notas fiscais que somem R$ 120,00 e seus comprovantes VISA, débito ou crédito, das lojas do Shopping, o cliente acrescenta 2 Reais em dinheiro e ganha um minigame. Os 2 Reais adicionais serão revertidos para um projeto beneficente de inclusão digital. Serão oferecidas bolsas de estudo para cursos de informática no Colégio Flama, considerado a maior instituição de ensino da Baixada Fluminense. O objetivo com esta iniciativa é capacitar jovens entre 16 e 18 anos, alunos do ensino médio, para sua inclusão no mercado de trabalho. A seleção dos alunos que serão beneficiados com as bolsas será realizada pela Secretaria de Ação Social do Município.

Para incrementar a promoção, em outubro, o Caxias Shopping será o ponto de encontro dos apaixonados por vídeo-game durante o “Campeonato de Futebol Digital”. O evento, que acontece entre 3 e 12 de outubro, reunirá 128 jogadores que vão disputar partidas do game Pró Evolution Soccer para PlayStation II. No dias 3 e 4, acontecem a primeira fase e as eliminatórias. Nos dias 10 e 11, serão realizadas a semifinal e a grande final. As inscrições estarão abertas no Caxias Shopping a partir de 21 a 30 de setembro no Espaço Cliente. Além dos jogadores, os clientes poderão experimentar o game gratuitamente, de 5 a 9 de outubro. Quem quiser ainda pode se inscrever para participar do Campeonato Mirim gratuito, para crianças de até 12 anos, que acontece no Dia das Crianças.

Para garantir o clima moderno dos videogames, será montado um cenário especial na Praça de Eventos com 16 telões de plasma onde serão realizados os jogos. Será uma grande “arena digital” com arquibancadas para o público assistir e torcer. “Todo mundo gosta de jogos eletrônicos, mas muita gente não tem acesso. Vamos dar a oportunidade dos clientes brincarem em um jogo de última geração. Para alguns, será a chance de ter contato com esse brinquedo pela primeira vez”, conta Cristiana Legey, Gerente de Marketing do Caxias Shopping.

Referência na Europa em fotodepilação, Não+Pelo participa da Rio Franchising Business 2009, de 1 a 3 de outubro

Referência na Europa em fotodepilação, Não+Pelo participa da Rio Franchising Business 2009, de 1 a 3 de outubro
Com técnica exclusiva, indolor e preço único de R$ 55 por área do corpo, multinacional apresenta aos cariocas, uma oportunidade diferenciada no setor de estética

A franquia espanhola Não+Pelo será uma das atrações da Rio Franchising Business 2009, de 1 a 3 de outubro, a partir das 14 horas, no Riocentro (Av. Salvador Allende, 6.555, Barra da Tijuca). Com mais de 460 unidades na Europa, a Não+Pelo® apresentará aos empreendedores cariocas, um conceito inovador de fotodepilação, que utiliza a moderna técnica de luz pulsada intensa (IPL), a preço único de R$ 55, por área do corpo.

Os investidores que pretendem adotar a franchising como forma de expansão terão a oportunidade de conhecer a franquia, que oferece investimento diferenciado, de rápido retorno e fácil operacionalização. Durante a feira, os interessados poderão obter todas as informações necessárias desta multinacional, que já opera em Portugal, Bulgária e Brasil.

A fotodepilação por luz pulsada intensa oferece resultados semelhantes ao da depilação a laser, mas com preço muito mais acessível - cerca de 1/3 do valor do mercado. Além disso, se torna uma excelente opção para quem utiliza métodos convencionais como, por exemplo, a cera, já que a técnica é indolor e tem maior durabilidade - cerca de 6 a 8 sessões para erradicar o pêlo.

De forma indolor e com preço único para homens e mulheres, a fotodepilação já pode ser encontrada no Brasil, em duas unidades localizadas em São Paulo. Além da técnica exclusiva, as franquias – que já estão em funcionamento – oferecem tratamentos de fotorejuvenescimento e fototerapia de manchas e de acne.

Investimento na Franquia - Segundo a Associação Brasileira de Franchising, apenas em 2008, o setor de franquias faturou R$ 55 bilhões, e 20% delas estão localizadas no estado carioca. Por este motivo, o Rio de Janeiro acaba sendo um ponto estratégico na ampliação da rede, que utiliza o sistema de franquias e tem a expectativa de abrir em todo o País, 100 unidades no primeiro ano de funcionamento.

Por um investimento inicial de apenas R$ 120 mil, o novo franqueado terá equipamento de fotodepilação, acessórios, mobiliário padrão, publicidade institucional, assessoramento e isenção na taxa de franquia. Não é preciso ter experiência em estética para investir no negócio, pois o franqueado recebe todo o treinamento e assessoria necessária para abrir sua loja. O prazo estimado de retorno do investimento é de cerca de 15 meses. A operação de uma unidade básica requer área mínima de 30m² e equipe de duas pessoas.

A inscrição dos interessados é feita pelo site www.naomaispelos.com.br ou e-mail franquias@naomaispelos.com.br.

Spoletto apresenta modelo compacto e nova identidade visual na Rio Franchise Business

Spoletto apresenta modelo compacto e nova identidade visual na Rio Franchise Business
Maior rede de culinária rápida do país, o Spoleto vai apresentar durante a Rio Franchising Business 2009 seu modelo compacto de negócio, voltado para centros empresariais, hipermercados, faculdades, hospitais, pequenos malls, e postos de gasolina e lojas de conveniência. O novo projeto segue os mesmos padrões do restaurante tradicional, mas é formado somente por forno e pista fria de ingredientes. Pode ser montado em ambientes com, no mínimo, 20m2 e o investimento é a partir de R$ 150 mil.

A empresa já inaugurou seis unidades desde 2008 e projeta abrir mais 12 até o final de 2009. O sucesso do lançamento levou a rede a investir mais neste modelo e aprimorar sua proposta inicial. “O modelo compacto vem se mostrando um sucesso, pois permite uma operação mais enxuta e ágil, própria para ambientes de menor fluxo”, explica Renata Rouchou, diretora de expansão da holding Umbria, detentora das marcas Spoleto, Domino’s Pizza e Koni Store (estas duas também bem consolidadas no mercado carioca e que também estarão presente na feira).

Durante o evento, a empresa pretende ainda expor aos interessados um pouco mais de sua estrutura própria, composta por duas fábricas (uma de massas e molhos e outra de proteína), uma distribuidora e duas centrais de treinamento no eixo Rio-São Paulo. Além da nova identidade visual da marca, que começa a aparecer pelo Rio de Janeiro. A primeira unidade com o novo layout é a da Rodoviária Novo Rio, que acabou de ser inaugurada.

- Vamos expor aos interessados este restaurante, que vem a ser o grande destaque carioca em 2009, pois apresenta a nova imagem da rede. O aquecimento do cenário econômico propiciou o relançamento de novos shoppings que tinham sido suspensos e isso amplia a oportunidade de novos lugares para locação. E vai de encontro à grande demanda de candidatos à franquia em nosso segmento - declara a executiva.

Renata revela que, em 2008, o retorno alcançado com a Rio Franchising foi surpreendente e a empresa conseguiu também fechar vários repasses de lojas próprias. “Pelo menos cinco novos negócios vieram da feira ou foram finalizados lá. Esperamos obter performance similar este ano”.

Com 247 unidades, 230 no Brasil (192 abertas em operação) e 17 no exterior (15 no México e duas na Espanha), o Spoleto vai finalizar 2009 com mais negócios fechados do que o previsto e apresentando melhor faturamento em seus restaurantes do que o orçado também. Segundo Renata Rouchou, até o momento a rede já cumpriu sua meta de novas assinaturas para 2009, num total de 27. “O objetivo agora é superar em 20% a expectativa e assinar, no mínimo, mais sete negócios até o final do ano, chegando a 34 e já abrindo novas frentes para 2010”, conclui, otimista.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

5ª SAMPRO

Eu gostaria de agradecer neste post ao pessoal da AMPRO de Campinas pelo convite para participar da 5ªSAMPRO, que acontece simultaneamente em mais de 20 instituições.

Na ultima quarta-feira (23/09), tive o prazer de conversar com os cerca de 100 alunos que estiveram presente no auditório da FAV em Valinhos/SP, buscando passar algumas informações sobre merchandising e arquitetura promocional, e sobre como os detalhes de uma loja podem influenciar diretamente no comportamento do consumidor e no resultado de vendas.

Além disso, foram abordados temas como branding, fidelização e construção de marcas, através de questões levantadas por alunos e professores.

É muito bom poder contribuir. Sempre vale a pena.

Em especial, gostaria de agradecer à Carmem Camargo, da AMPRO, ao Wagner Bastos, da Ponto Promo e ao Prof. Roberto Claret da FAV.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.com.br

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Nespresso quer qualificar atendimento no varejo premium

Nespresso quer qualificar atendimento no varejo premium
Ação visa transmitir aos consumidores informações sobre a cultura do produto e do universo do café

A Nespresso quer qualificar o atendimento a consumidores no varejo premium. Para isso, contratou a agência iTrade que, durante os próximos 12 meses, ficará responsável por todas as etapas de treinamento de equipe de loja, exposição de produto, degustações e relatórios de monitoramento de resultados no PDV. A ação visa transmitir aos consumidores informações sobre a cultura do produto e do universo do café, em lojas das cidades de São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto e Belo Horizonte.

Fonte: Mundo do Marketing

Le Biscuit inaugurará sua 10ª unidade em Salvador.

Le Biscuit inaugurará sua 10ª unidade em Salvador.
A empresa Le Biscuit incorpora mais uma unidade em sua rede de lojas. A décima loja do grupo varejista vai compor o mix do mais novo empreendimento comercial de Salvador, o Shopping Paralela. Com inauguração prevista para o dia 1º de outubro, a unidade contou com um investimento de 1,5 milhões e promete aquecer o faturamento total da empresa no último trimestre do ano. “A incorporação desta nova loja vem em um momento especial, no qual iniciamos uma temporada do ano com datas fortes para o varejo, como o Dia das Crianças e a Natal”, diz o diretor presidente do grupo, Álvaro Sant´Anna, ressaltando a expectativa de incremento nas vendas com esta expansão.

Ocupando uma área de 1 mil m², do 2º Piso, a Le Biscuit do Shopping Paralela vai operar com uma variedade de produtos, que abrangem as seções de utilidades para o lar, decoração, brinquedos, festa, armarinho, papelaria e informática. “Com a inauguração, moradores da Paralela e entorno terão a comodidade de encontrar produtos de casa, para presentes, artigos de escritório e muitos outros, em um só lugar. Além disso, a loja mantém o padrão das demais, oferecendo uma gama de opções com preços para todos os bolsos”, diz Manuela Falcão Porto, gerente de marketing da Le Biscuit.

Fonte: Jornal da Mídia

Lenovo expande operação no varejo

Lenovo expande operação no varejo
Computadores all in one e acesso a varejistas especializados em TI são parte do plano

Depois de iniciar sua estratégia de varejo, há cerca de um ano, a Lenovo está prestes a dar um novo passo nesse mercado.

Hoje estabelecida entre os grandes varejistas nacionais, a marca estará, a partir de outubro, disponível também em algumas lojas do varejo especializado brasileiro.

"Agora nesse trimestre, vamos trabalhar junto com os distribuidores para encontrar uma boa estratégia junto ao varejo especializado", conta Ayrton Tadeu Testa, diretor da unidade de varejo da companhia.

Ele informa que a linha IdeaPad, voltada ao público doméstico, está com três famílias de desktop nas lojas e duas de notebooks, com diferentes configurações.

A partir do fim do próximo mês, segundo a previsão de Testa, também devem estar disponíveis no varejo as máquinas all in one - CPU integrada ao monitor -, nova aposta da Lenovo para o varejo, "mas com uma estratégia de mercado totalmente diferente do que o mercado vem apresentando até o momento", assegura o diretor.

Com a totalidade de sua produção feita aqui no Brasil, a Lenovo conta com a Compal e a Quanta para a fabricação de máquinas corporativas e com a Flextronics para produzir os equipamentos de varejo.

Fonte: ResellerWeb

Magazine Luiza volta aos planos de crescimento

Magazine Luiza volta aos planos de crescimento
Um ano depois de ter estreado em São Paulo, exatamente quando estourou a crise financeira internacional, em setembro de 2008, com a quebra do banco americano Lemann Brothers, o Magazine Luiza diz não se arrepender da investida na capital paulista. A rede já conquistou um milhão de clientes no maior mercado consumidor do País.

A cidade de São Paulo representa hoje 14% das vendas da empresa. Para este ano, a perspectiva da companhia como um todo é ampliar o faturamento em 20% ante 2008 e atingir R$ 3,8 bilhões.

"Nossa meta original era alcançar o ponto de equilíbrio e começar a ter lucro em São Paulo só no último trimestre. Mas conseguimos isso no segundo trimestre", afirma o diretor de Vendas e Marketing da rede, Frederico Trajano. "São Paulo dá volume de vendas. Foi um ótimo negócio." A empresa iniciou as operações em São Paulo com 44 lojas, seis a menos do que previa. Hoje tem 52 lojas e acredita que possa chegar a 60 até o fim do ano. Trajano nega que a meta inicial declarada seria ter 100 lojas na capital até o fim deste ano. Mas reafirma que quer chegar a esse número - só não sabe quando. "Tudo vai depender da disponibilidade de pontos de venda.

"Em janeiro deste ano, com o cenário incerto, ele disse ao Estado que estudava ajustes na companhia. De fato, Trajano admite que tirou o pé do acelerador no primeiro trimestre. "O conservadorismo foi necessário porque o consumo estava desaquecido. Mas voltamos a contratar em junho." Até agora foram abertas 450 vagas em toda a rede, sem contar as contratações em decorrência da rotatividade normal da mão de obra.

A virada do mercado de consumo ocorreu com o corte do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em abril. Em maio, ele diz ter começado a visitar lojas e a observar que havia clientes que não estavam sendo atendidos. "Estávamos com subcapacidade." O diretor calcula que perdeu vendas por causa dessa cautela, mas diz que a correção já foi feita. Tanto é que as vendas de agosto foram melhores que as de maio.

Trajano ressalta que o impacto da crise foi muito maior no mercado de capitais do que no mercado de consumo. "A crise alterou os nossos planos de abertura de capital. A empresa trabalhava com a perspectiva de abrir o capital neste ano. O mercado capitais está voltando, mas não voltou com tudo.

"Por enquanto, a empresa não definiu quando pretende captar recursos no mercado, mas está preparando o terreno. Contratou para ocupar a superintendência Marcelo Silva, um executivo egresso das Casas Pernambucanas, com trânsito no mercado financeiro e especialista em administrar empresas familiares. Segundo Trajano, ele está estruturando quatro diretorias (vendas, compras, financeira e administrativa) que ficarão sob o seu comando. A presidente da empresa, Luiza Helena Trajano, ficará mais voltada para a área estratégica da rede. O diretor nega que Luiza Helena tenha saído do dia a dia da empresa. "Ela está como o Bill Gates quando ocupava a presidência da Microsoft e acumulava o cargo de desenvolvedor de software", compara.

Intriga

Recentemente circularam boatos no mercado de que a rede não estaria pagando os fornecedores em dia e teria parado de comprar produtos porque estaria enfrentando uma situação financeira difícil. Trajano nega veementemente essas informações. "A empresa tem 52 anos de vida e nunca atrasou um dia o pagamento. Temos geração de caixa positivo e temos tido sucesso com a principal empreitada do ano, que são as lojas de São Paulo", afirma o diretor.

Além disso, lembra que a companhia quase comprou o Ponto Frio, que demandava desembolso de R$ 1 bilhão. "Empresa que atrasa fornecedor não compraria o Ponto Frio", pondera. Ele aponta os sócios BNB Paribas, Itaú/Unibanco e Capital Group, três das maiores instituições financeiras do mundo, segundo ele, como trunfos que demonstram a solidez financeira da rede de 455 lojas. "Isso soa como artifício de concorrente para desestabilizar quem está bem, crescendo e ganhando mercado."

Fonte: Agência Estado

Grupo Pão de Açúcar vence Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade na categoria grande empresa

Editora MOL, Projeto Terra e Sincoquim foram os vencedores das categorias Pequena e Média Empresa, Micro Empresa e Entidade respectivamente; cada companhia ganhou R$ 15 mil

O Grupo Pão de Açúcar foi o vencedor do 1º Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade, entregue nesta quarta-feira (23/9) pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio) na categoria Grande Empresa com o projeto supermercado verde, em Indaiatuba, interior de São Paulo. Com um aporte de R$ 7,5 milhões, a rede criou o primeiro supermercado verde da América Latina, que segue padrões de sustentabilidade na oferta de produtos, infra-estrutura adequada para economia de energia e de recursos naturais, estacionamentos para carros biocombustíveis, e de bicicletas, além de gestão de resíduos. “As próximas unidades lançadas a partir do ano que vem seguirão os princípios das lojas verdes”, afirma Hugo Bethlem, vice-presidente executivo do Pão de Açúcar, que recebeu das mãos do presidente da Fecomercio Abram Szajman o cheque de R$ 15 mil, que segundo Bethlem será doado para o Instituto Pão de Açúcar.

“O Brasil precisa crescer, sobretudo, incorporando a dimensão da sustentabilidade socioambiental à sua cultura. Só assim construiremos um futuro de paz e um planeta de todos”, diz Abram Szajman, presidente da Fecomercio.

O presidente do Conselho de Estudos Ambientais da Fecomercio, o professor José Goldemberg, explica que o varejo tem um papel decisivo no fortalecimento da cultura sustentável, pela sua proximidade com o consumidor final. “Há um reconhecimento de que é preciso redirecionar o desenvolvimento dos países em direção à sustentabilidade, movimentando-nos para uma economia mais verde e há dois caminhos para que isso aconteça: ou mudam-se os padrões de consumo da população, ou se desenvolvem novos padrões de tecnologia”, diz Goldemberg.

Porém, novas tecnologias demoram a ser desenvolvidas e às vezes são problemáticas, diz o professor. “O que funciona é mudar o padrão de consumo e não são as indústrias que farão isso. Quem está em contato com o usuário é o varejo, que ao adotar novos padrões – como eliminar o uso das sacolas plásticas – influencia a população a criar novos hábitos”, completa Goldemberg.

Editora MOL e Sincoquim também são vencedores

O Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade, lançado no ano passado em comemoração aos 70 anos da entidade, premiou também outras categorias. Como Pequena e Média Empresa, venceu a Editora MOL, com a revista “Sorria”, que tem por objetivo captar recursos para a construção de um novo hospital para o GRAAC – Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer), bem como mobilizar a sociedade em torno da causa do câncer infanto-juvenil.

Na categoria Micro Empresa, o vencedor foi o Projeto Terra, com o programa “A vitrine do comércio solidário”, que revende produtos economicamente viáveis e ecologicamente corretos elaborados por Organizações Não-Governamentais (ONGs), entidades filantrópicas, comunidades carentes, e por pessoas ou empresas que utilizam materiais reciclados e madeiras redescobertas ou com o selo FSC (Selo Verde). Hoje, a empresa já fatura cerca de R$ 143 mil por ano.

Na categoria Entidade o vencedor foi o Sincoquim, com o Prodir - Processo de Distribuição Responsável. Por meio desse processo, as distribuidoras de produtos químicos e petroquímicos se comprometerão a dirigir suas ações quanto ao manuseio, uso, armazenamento, transporte e disposição de produtos buscando a melhoria contínua e a proteção para a saúde, segurança dos funcionários, clientes, comunidade e meio ambiente.

Ao todo concorreram 28 projetos, totalizando 26 empresas participantes e uma entidade empresarial, que foram distribuídos em quatro categorias: 1) Grande Empresa, 2) Pequena e Média Empresa e 3) Microempresas e 4) Sindicatos e Entidades.

Sobre Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade

A iniciativa de criar o Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade faz parte da campanha Fecomercio Sustentável que tem a finalidade de incentivar a criação de soluções práticas e viáveis que contribuam com a preservação ambiental.

Um ponto importante que o prêmio também expõe é a possibilidade de uma empresa de pequeno ou médio porte, que possua recursos limitados, realizar grandes projetos sustentáveis.

Segundo a Fecomercio, o evento também tem o intuito de chamar a atenção dos empresários para a importância de assumirem responsabilidades sociais e ambientais. De maneira geral, todos os projetos apresentaram idéias inovadoras, práticas e que se fazem cada vez mais necessárias, sendo muito bem conceituados pela organização e pela banca julgadora.

A banca examinadora foi composta pelo professor José Goldemberg, Hélio Mattar (Instituto Akatu), Chico Graziano (Secretaria do Meio Ambiente), Mario Monzoni (Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP) e Fabio Feldman (deputado federal).

Raffa´s comemora 10 anos de Via Parque com ampliação de loja

A Raffa´s comemora seu aniversário de 10 anos no Via Parque Shopping com a ampliação e reinauguração, no mês de setembro, de sua loja, que passa a contar com uma área de 71 m². A marca, reconhecida por seus enxovais infantis artesanais, é focada na faixa etária de 0 a 6 anos. O investimento na reforma foi de R$ 300mil.

Com 12 unidades no Rio de Janeiro, a Raffa´s do Via Parque Shopping é uma das mais procuradas, pelo fato de o shopping ser referência no segmento de lojas para bebês. “Esperamos um aumento de 70% nas vendas no próximo mês e um número ainda maior para o Natal”, afirma Fillipe José Barros, diretor executivo da Raffa´s.

Galeteria Mandagallo no Caxias Shopping

Galeteria Mandagallo no Caxias Shopping
O Caxias Shopping vai ganhar seu primeiro restaurante, o Mandagallo, que abre as portas essa semana. Na onda das galeterias chiques que tomaram conta do Rio de Janeiro, o restaurante chega para complementar o mix de gastronomia no Shopping - a Praça de Alimentação conta com redes como Spoleto, Parmê, Vivenda do Camarão, KFC, Giraffas, Bob's, McDonald's, Empada Carioca e Quiosque Chopp da Brahma, e já ponto de encontro de jovens e adultos da região. Inspirada nos botequins das décadas de 40 e 50, a decoração se destaca por seus ladrilhos pretos e brancos, adesivos de parede, quadros e objetos retrô, além do galo, símbolo do restaurante, que dá as “boas-vindas” aos visitantes.

A casa, de 200m2, conta com um salão fechado e uma varanda, integrada à Praça de Alimentação, que oferecem um cardápio de petiscos, pratos a lá carte de comida brasileira, além do galeto, carro chefe da casa. Durante a semana, almoço executivo, com desconto de 50% no estacionamento (das 11h às 15h) para os clientes que consumirem acima de R$ 10. O restaurante pretende ainda se transformar em um point de happyhour, com programação variada de música ao vivo.

Simerj promove palestra gratuita sobre o padrão Light de instalação elétrica em baixa tensão

Simerj promove palestra gratuita sobre o padrão Light de instalação elétrica em baixa tensão
O Simerj, em parceria com a Light, promoverá palestra gratuita para vendedores de lojas de materiais elétricos e de construção no dia 29 de outubro, de 10h às 12h, no Centro Cultural Light (av. Mal. Floriano, nº 168 – Centro-RJ). Os profissionais aprenderão as normas e procedimentos necessários para se fazer uma ligação em baixa tensão no padrão Light de ligação para entradas individuais, monofásicas e polifásicas, até 15 KW. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelos telefones (21) 2532-9309 ou (21) 2532-6619 ou através do e-mail simerj@veloxmail.com.br.

O objetivo do encontro é divulgar as condições técnicas mínimas exigidas pela concessionária, conforme estabelecido na RECON – Regulamentação para fornecimento de energia elétrica a consumidores atendidos em baixa tensão, para que o cliente tenha as orientações corretas no momento da compra dos materiais e equipamentos.

DIA Comunicação é a nova agência da Drogaria São Paulo

DIA Comunicação é a nova agência da Drogaria São Paulo
Trabalho envolve desde diagnóstico de imagem até publicidade & propaganda

A DIA Comunicação, agência de ponto de venda, branding e embalagens, acaba de conquistar um novo cliente: a Drogaria São Paulo. A partir deste mês, a agência ficará responsável por toda gestão da marca, além da comunicação nas lojas e das ações de publicidade & propaganda.

Segundo Leonardo Lanzetta, sócio e diretor executivo da DIA, a agência irá realizar desde um diagnóstico e um levantamento dos principais fatores que conduzem a marca, até o planejamento de comunicação integrada e criação para todas as mídias. “Seremos responsáveis pela gestão da marca e por integrar, de forma estratégica, toda a comunicação da Drogaria São Paulo. O objetivo é identificar o DNA da marca para definirmos as melhores alternativas de comunicação, tanto para as lojas como para as ações de publicidade”, afirma.

Com 66 anos de atuação e líder de mercado na Grande São Paulo, principal mercado do País, a Drogaria São Paulo conta atualmente com mais de 240 lojas distribuídas nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e no Ceará. Em 2008, o faturamento da rede ultrapassou a marca de R$ 1,4 bilhão, 20% acima do ano anterior (2007). Para 2009, quando a Drogaria São Paulo planeja abrir cerca de 30 lojas e reformar outras 30, a expectativa é manter o mesmo ritmo de expansão.

"O investimento em reposicionamento de marca para farmácias e drogarias é inevitável, principalmente num momento em que as mesmas estão sendo alvo de mudanças profundas em sua legislação e revendo inclusive o seu próprio modelo de negócio. A Drogaria SP e a DIA Comunicação estão iniciando um relacionamento não focado apenas em divulgação, mas em comunicação integrada com o foco no desenvolvimento de diferenciais cada vez mais relevantes para a marca nesse dinâmico mercado varejista”, finaliza Lanzetta.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Procon de Tocantins coloca lojas de materiais de construções na mira

Procon de Tocantins coloca lojas de materiais de construções na mira
O Procon do Tocantins determinou que as equipes de fiscalização dos Núcleos Regionais de Defesa do Consumidor de Araguaína, Araguatins, Dianópolis, Guaraí, Gurupi, Tocantinópolis e Palmas realizem fiscalizações educativas/repressivas nas lojas de materiais de construções e produtos afins no período de 14 a 25 de setembro.

A ação, denominada “Operações Obras”, tem como objetivo averiguar se os fornecedores das lojas de material de construção e produtos afins estão informando claramente e adequadamente os preços dos produtos à venda, e se estão em conformidade com as Leis Federais nº. 8.078/90 e 10.962/04.

Os fiscais verificarão se há legalidade na política de aceitação de cheques e cartões de créditos, como a obediência ao prazo de validade dos produtos expostos ao mercado de consumo. Caso sejam encontradas irregularidades, em relação à falta de informações de preços, a aceitação dos cheques e cartões de crédito e produtos vencidos, o proprietário receberá orientações para que sejam feitas as devidas adequações como preconiza o Código de Defesa do Consumidor. (Da assessoria de imprensa do Procon)

Fonte: Portal Stylo

Varejo reduz encomendas, adverte Abinee

Varejo reduz encomendas, adverte Abinee
A sondagem setorial da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica) de agosto indica um aumento nos cancelamentos e reprogramações de encomendas.

Para o presidente da entidade, Humberto Barbato, isto é fruto de um excesso de otimismo por parte dos varejistas. "Eles fizeram os pedidos acreditando em uma recuperação mais forte da economia, o que não se confirmou. Agora, estão desistindo das compras para segurar os estoques", disse. O levantamento constata ainda que a previsibilidade dos negócios continuou melhorando e as surpresas migraram para o lado positivo.

Isso porque desde maio passado vem crescendo, ponto a ponto, o percentual de empresas cujas vendas no mês ficaram acima das expectativas, atingindo, em agosto, 17% dos pesquisados, enquanto que, no sentido inverso, diminui o percentual das empresas cujos negócios não atingiram os níveis previstos. Neste último caso, o percentual, que foi de 59% nos meses de abril e maio, baixou para 42% em agosto.

Por sua vez, tanto os estoques de insumos e matérias-primas como os de bens finais continuaram na direção da normalidade, sendo que ocorreu um aumento significativo no número de empresas que informou que seus estoques de produtos acabados estão abaixo do normal (de 7%, em julho, para 21%, em agosto).

O estudo setorial também revela que as exportações continuam não sendo alternativa para o mercado interno, uma vez que seus indicadores estão cada vez piores. Em agosto, 62% das empresas indicaram que as exportações caíram na comparação com agosto de 2008, percentual significativamente acima do registrado no mês anterior.

Nesta sondagem ficou ainda mais evidente, a percepção das empresas quanto a queda de vendas/encomendas neste ano comparado com 2008. A percentagem de pesquisados que prevê queda dos negócios passou de 41% em junho para 52% em julho e em agosto passou para 62%

Fonte: Convergência Digital

Governo iraniano proíbe manequins de loja sem véu

Governo iraniano proíbe manequins de loja sem véu
A polícia iraniana enviou circulares ao comércio de Teerã exigindo que as lojas não exponham manequins femininos sem cobrir a cabeça e nem esconder as curvas da boneca, informa a BBC.
"Usar manequins femininos que mostrem suas curvas e esponham as cabeças sem seu jihab (véu islâmico) é proibido", informa o comunicado divulgado pela agência de notícias Irna.

Trata-se de uma nova campanha, a primeira desde a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad. As restrições são feitas normalmente no Verão, mas desta vez os ultraconservadores se empenham para determinar como as mulheres devem se vestir também no Inverno.

Fonte: O Globo

Via Uno inaugura mais um ponto-de-venda internacional

Via Uno inaugura mais um ponto-de-venda internacional
Marca de calçados femininos chega a 94 lojas no exterior com inauguração nos Emirados Árabes

A Via Uno dá sequência à estratégia de expansão internacional da marca ao abrir mais uma filial nos Emirados Árabes, no Ajman City Center. Atualmente com 146 pontos-de-venda no Brasil e 94 espalhados por outros países, a marca gaúcha de calçados femininos já planeja as próximas ações de lançamento. Este mês, a Via Uno pretende apresentar a coleção primavera/verão 2010 em feiras do setor que ocorrem na Alemanha e na Itália.

Fonte: Mundo do Marketing

UVA oferece curso de extensão voltado à gestão de farmácia

UVA oferece curso de extensão voltado à gestão de farmácia
A Universidade Veiga de Almeida (UVA), no Rio de Janeiro, está com as inscrições abertas para o curso de extensão em Gestão Estratégica para Redes de Farmácias e Drogarias, voltado a farmacêuticos, administradores, gestores e universitários de cursos afins. Com duração de cinco meses (100 horas), a extensão começa neste sábado, dia 19, e abordará aspectos como soluções para atender as demandas de consumo, o planejamento do composto de marketing para o ponto de venda e a otimização da produtividade da empresa.

As inscrições para a extensão Gestão Estratégica para Redes de Farmácias e Drogarias podem ser feitas no site www.uva.br/cursos/extensao ou pessoalmente na secretaria do campus Tijuca da UVA, que fica na Rua Ibituruna, 108. Mais informações na Central de Atendimento da universidade (21) 2574-8888.

Fonte: O Globo

Shopper Experience cria projeto inédito de inclusão

Shopper Experience cria projeto inédito de inclusão
Shopper Experience cria projeto inédito de inclusão: pessoas com deficiência se tornam “clientes secretos”

Pioneira no Brasil em avaliação do atendimento ao consumidor por meio do “cliente secreto”, Stella Kochen Susskind, presidente da Shopper Experience,firmou parceria com o Programa Trabalho Eficiente, da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD).

A iniciativa resultou na capacitação de mais de 300 pessoas com deficiência para atuar como “clientes secretos”, testando produtos e serviços de marcas e empresas de diferentes segmentos que consideram o “consumo inclusivo” parte de suas ações na área da responsabilidade social.

Além da AACD, a Shopper Experience firmou uma parceria com Mara Gabrilli, que iniciará um processo de recrutamento e seleção de profissionais. Uma instituição do segmento financeiro é um dos primeiros clientes da Shopper Experience a contratar análise específica de atendimento para esse segmento de consumidores.

O Brasil possui 24,5 milhões de pessoas com deficiência, o equivalente a 14,5% da população do País, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Parte significativa desse contigente de brasileiros é economicamente ativa, portanto, consumidores e profissionais que se deparam com inúmeros obstáculos, sendo o pior deles, o despreparo no atendimento. Diante desse cenário, Stella Kochen Susskind, presidente da Shopper Experience, desenvolveu um projeto inédito de inclusão – a executiva treinou mais de 300 pessoas com deficiência para atuar como “clientes secretos”. A primeira etapa do projeto foi a parceria com o Programa Trabalho Eficiente, da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), que indicou profissionais interessados em integrar o staff de pesquisadores da Shopper Experience e em testar diferentes produtos e serviços. Mara Gabrilli, vereadora e presidente do Instituto Mara Gabrilli, também é parceira da Shopper Experience no processo de recrutamento e de seleção de profissionais. Uma instituição do mercado financeiro é um dos primeiros clientes da empresa a contratar pesquisa específica de atendimento para esse segmento de consumidores, que está sendo realizada em todo o País.

Pioneira no Brasil e com 20 anos de experiência na avaliação do atendimento ao consumidor por meio do “cliente secreto”, Stella Kochen Susskind afirma que está ampliando o projeto e as parcerias. “Esse é o início de um projeto ambicioso que tem por missão dar visibilidade e criar um novo padrão de atendimento, o do consumo inclusivo, além de fomentar o mercado de trabalho para as pessoas com deficiência. Ao mesmo tempo que mostramos aos executivos de diferentes segmentos a urgência em melhorar o atendimento ao consumidor, criamos uma atividade inclusiva, a do cliente secreto com deficiência”, afirma a executiva, acrescentando que a Shopper Experience conta com uma rede formada por mais de 20 mil clientes secretos no Brasil e exterior.

Segundo Stella, está comprovado que muitas vendas são perdidas pelas empresas em geral dentro do próprio negócio e que a análise isenta do cliente secreto é uma excelente ferramenta de transformação – entre várias desenvolvidas pela Shopper Experience – e de melhoria do negócio para gestores e funcionários. No entanto, o modelo precisa de evolução constante para acompanhar a transformação da sociedade e dos consumidores, que continuam a ser a base da nova empresa. Com essa visão do negócio, a executiva investiu R$ 100 mil no treinamento dos novos clientes secretos. “A Shopper Experience desenvolve análises com o auxílio de um cliente efetivo, um consumidor de fato, com o perfil alinhado ao mercado de atuação das empresas, que viaja ou está acostumado a comprar joias, por exemplo. O modelo tem que espelhar a demanda contemporânea e incorporar redes como a social media, além de investir na diversidade, na inclusão. Ao treinar pessoas de diferentes perfis abrimos caminho para a inclusão no mercado de trabalho de donas de casa, aposentados, pessoas com deficiência e jovens que transformaram o emprego temporário em profissão”, afirma.

A Shopper Experience continua a treinar pessoas com deficiência para o trabalho de cliente secreto. Os interessados podem fazer a inscrição nos sites www.shopperexperience.com.br ou www.maragabrilli.com.br nos links específicos. Informações: (11) 3759 7461.

Fonte: SEGS

ESPM lança programa voltado ao varejo fashion

ESPM lança programa voltado ao varejo fashion
O faturamento estimado da Cadeia Têxtil e de Confecção, em 2008, foi na ordem de U$ 47 bilhões, com um aumento de 7% em relação a 2007, segundo a ABIT – Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção. Essa indústria emprega 1,65 milhões de trabalhadores e representa 3,5% do PIB total do Brasil.

Diante desse cenário de progressiva expansão e pouca profissionalização, a ESPM lança o curso intensivo Varejo Fashion, com o objetivo de capacitar profissionais a planejar, administrar, promover e expandir lojas especializadas em moda masculina, feminina e infantil, para todos os segmentos, passando por lojas voltadas para consumidores de baixa renda até de alto luxo.

O programa é direcionado a gestores de lojas especializadas em confecção, gestores de lojas de departamentos com setor de moda, profissionais da indústria têxtil, de roupa, calçados e acessórios, além de áreas de comunicação e marketing que prestem serviço especializado.
Com duração de 30 horas/aula, o programa é dividido em três módulos: Análise de mercado, Gestão estratégica do varejo e Gestão do cliente; análise e comportamento do consumidor de moda, estratégias de empresas e marcas, mix de produtos, experiência de compra, ações promocionais, gestão de pessoas, planos comerciais, formação de base de dados dos clientes, ações de CRM, controle de resultados entre outros.

As inscrições já estão abertas e seguem até 25 de setembro, sexta-feira, através do site www.espm.br/candidato . Na matrícula, o interessado deverá apresentar o certificado de conclusão do ensino médio. A relação completa dos demais Cursos Avançados e Intensivos da ESPM e mais informações estão disponíveis no telefone (11) 5081-8225.

Cursos de Extensão ESPM:
Avançados e Intensivos/Varejo Fashion

Inscrições: até 25 de setembro, sexta-feira Início: 19 de outubro, segunda-feira
Campus Rodolfo Lima Martensen , Rua Joaquim Távora, 1240, Vila Mariana, São Paulo
Informações: www.espm.br/candidat o Telefone: (11) 5081-8225 ou pelo e-mail candidato@espm.br

Duas empresas brasileiras estão entre gigantes mundiais do varejo

Duas empresas brasileiras estão entre gigantes mundiais do varejo
Duas brasileiras estão entre as 250 maiores empresas varejistas do mundo.

Pão de Açúcar, a melhor colocada, figura na 106ª posição. Já as Casas Bahia no 147º lugar. A primeira melhorou cinco posições desde a última avaliação, no ano passado. A segunda entrou para a lista das 50 com crescimento mais rápido, subiu 11 degraus no ranking geral. A lista é parte do estudo Os poderosos do varejo global, levantamento anual realizado pela Deloitte em parceria com a Stores Magazine.

A bandeira verde e amarela tem consquistado cada vez mais degraus no ranking mas, comparado as que estão no topo, ainda são pequenas. A Wal-Mart, empresa norte americana - maior no mundo no segmento de varejo - tem cerca de 50 vezes o tamanho do grupo Pão de Açúcar, a melhor brasileira na lista das gigantes. "Esse é o mundo dos poderosos. O varejo no Brasil, por ter uma caracteristica de não divulgar resutlados, nos deixa sem um norte para indicarmos se teremos mais representantes nesse grupo. Mas esperamos que isso aconteça em breve", pondera o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Logistas (CNDL), Roque Pellizzaro Júnior, que participou da divulgação do estudo.Ainda segundo ele, a força que as classes C e D ganharam nos últimos anos fizeram com que a Casas Bahia tivesse bons resultados, principalmente pelo aumento no poder aquisitivo dessas classes sociais. "O que aconteceu no varejo brasileiro, principalemten nessa crise, foi que as classes A e B diminuiram o poder de compra. Já as classes C e D não, tiveram uma alta. Quem trabalho com foco nesse público se deu bem", avalia o presidente da CNDL.

Gigantes mundiais Somadas, as vendas das 250 gigantes do varejo mundial chegam a U$$ 3,62 trilhões, valor aproximadamente duas vezes superior ao Produto Interno Bruto brasileiro (soma de todas as riquezas do país). Na comparação com o último levantamento, as vendas do setor no mundo cresceram 11,4%. "Essa alta ocorreu porque houve um crescimento das populações e uma melhor distribuição de renda entre os países emergentes. Tudo isso tem puxado o varejo para cima", explica o presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior, que participou da divulgação da pesquisa.O estudo revela ainda a internacionalização das vendas. Do total delas, 21,3% foram realizadas fora dos países de origem das organizações. "Quanto maior a empresa, mais provável é que ela venha a operar além das fronteiras domésticas e obter um percentual maior de vendas com as operações no exterior.", diz um trecho do levantento.

Fonte: Correio Braziliense

Preços no varejo recuam em agosto, após cinco altas seguidas

Preços no varejo recuam em agosto, após cinco altas seguidas
IPV paulista registrou, em agosto, alta de 0,17%, em relação ao mês anterior, quando subiu 0,10%, revela pesquisa

O IPV (Índice de Preços no Varejo) paulista registrou, em agosto, queda de 0,17% ante a alta de 0,10% registrada em julho, conforme divulgou a Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) nesta terça-feira (22). Trata-se da primeira queda após cinco altas consecutivas do indicador.

O estudo revelou que a maior variação negativa foi apurada no segmento Supermercados, cujos preços caíram 0,58%. Este segmento é o de maior peso dentre todos os grupos analisados pelo IPV, com 32%. Em julho, o grupo Supermercados havia registrado alta de 0,52%.

Na opinião da economista da Fecomercio, Júlia Ximenes, a queda pode ter sido motivada pelo realinhamento dos preços de produtos que haviam sofrido forte pressão de alta nos meses anteriores, devido às condições climáticas pouco favoráveis. É o caso de Leites (-8,92%), Tubérculos (-5,12%), Pescados (-4,47%), Óleos (-3,27%) e Aves (-3,16%).

Preços altos

Por outro lado, alguns produtos impediram a melhora do índice, porque ainda estão sendo prejudicados pelo clima, registrando elevação de preços neste momento. São eles: Legumes (15,18%), Frutas (6,01%), Verduras (1,90%) e Adoçantes (1,50%).

Além disso, o segmento de Feiras voltou a registrar preços mais elevados no oitavo mês do ano, finalizando o período da análise com +7,07%.

Por sua vez, na análise do acumulado dos oito primeiros meses do ano, o IPV registra alta de 0,35% e, nos últimos 12 meses, de 1,20%.

Análise setorial

Conforme revela a Fecomercio-SP, 12 dos 21 grupos analisados, contando Drogarias e Perfumarias como um único segmento, registraram aumento nos preços no oitavo mês do ano, na comparação com julho, segundo mostra a tabela a seguir:

Índice de Preços no Varejo (variação mensal)

Feiras: 7,07%
Brinquedos: 0,87%
Combustíveis e Lubrificantes: 0,43%
Materiais de escritório e Outros: 0,41%
Relojoarias: 0,35%
Autopeças e Acessórios: 0,28%
Jornais e revistas: 0,24%
Óticas: 0,24%
Eletroeletrônicos e Outros: 0,21%
Livrarias: 0,17%
Padarias: 0,13%
Vestuário, Tecidos e Calçados: 0,02%
Móveis e Decoração: -0,02%
Material de Construção: -0,07%
Floricultura: -0,12%
Drogarias e Perfumarias: -0,22%
CDs: -0,28%
Eletrodomésticos: -0,48%
Supermercados: -0,58%
Açougues: -0,91%
Veículos: -1,46%

Fonte: Fecomércio/InfoMoney

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Alteração do ICMS sobre remédios pode eliminar desconto na farmácia

A proposta do governo em aumentar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o IVA (Imposto sobre o Valor Adicionado) dos medicamentos poderá eliminar dos descontos oferecidos pelas farmácias, segundo a Sincofarma-SP (Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo. A proposta prevê o aumento de 38% para 65,98% do ICMS sobre o IVA.


De acordo com o órgão, os medicamentos não costumam ser comercializados pelo valor de teto da tabela, mas um eventual aumento da alíquota do ICMS substituto terá impacto direto ao consumidor. O setor é o único que tem preços tabelados, ou seja, um preço máximo a ser cobrado dos consumidores.


“Conforme a substituição tributária, o ICMS tem que ser pago na hora em que os empresários do ramo farmacêutico fazem a compra, quando ainda nem receberam do consumidor, o que retira capital da empresa. Caso seja aprovada, esta diferença de imposto que o varejo terá de pagar será fatalmente retirada do desconto que é oferecido ao consumidor”, esclarece o diretor do Sincofarma-SP, Juan Carlos Becerra.
Segundo a Sindofarma, a mudança pode acarretar na quebra de muitas empresas do setor. Cerca de 30% do valor do medicamento vão para pagar impostos e apenas as empresas que negociam maiores volumes têm como diminuir o impacto dessa elevada carga tributária na rentabilidade da empresa, porque conseguem melhores condições de negociação. “Tem que pagar o imposto, mas os pequenos e o microempresários têm o direito de receber algum estímulo, afinal, foram eles que sustentaram a economia durante a crise”, declara Juan Carlos. Outra conseqüência apontada pelo órgão é a desestimulação do mercado de trabalho. Segundo o Sincofarma-SP, dificilmente os pequenos e médios empresários terão condições de manter postos de trabalho ativos. Eles são os que mais empregam e, certamente, serão também os mais afetados por esse aumento do IVA.

Fonte: eBand

Com a crença de que o pior já passou, varejo vive crescimento gradativo

Com a crença de que o pior já passou, varejo vive crescimento gradativo
"Mas ainda temos setores, voltados às exportações, que ainda não se recuperaram", afirmou Alencar Burti

"O varejo experimenta crescimento gradativo das vendas", afirmou o presidente da CACB (Confederação das Associações Comerciais do Brasil), Alencar Burti, em entrevista concedida à Agência Sebrae.

Segundo ele, pode-se dizer que o pior da crise já passou. "O Brasil sofreu menos do que os países desenvolvidos e saiu mais rapidamente da crise, porque a economia brasileira está mais forte do que no passado, quando qualquer crise externa nos atingia por meio do balanço de pagamentos...", disse.

"Mas ainda temos setores, como o de bens de capital e de manufaturados, voltados às exportações, que ainda não se recuperaram", acrescentou.
Segundo ele, um dos motivos para a recuperação do varejo é o restabelecimento da renda e do emprego, o que favorece o consumo.

Perspectivas

Burti mostrou-se otimista. "As perspectivas para o último trimestre e para 2010 são favoráveis, podendo-se esperar crescimento significativo para o próximo ano".

Especificamente quanto ao faturamento, considerando-se todos os segmentos, inclusive veículos, o presidente da CACB disse ser "provável um crescimento da ordem de 5% este ano, embora alguns segmentos apresentem desempenho menos favorável".

"Para 2010, na medida em que se confirmem as expectativas de crescimento do PIB da ordem de 4% a 4,5%, o comércio poderá apresentar expansão na casa de 6% a 6,5%", acrescentou.
Além disso, as eleições podem auxiliar os varejistas, embora não de forma significativa. "As eleições generalizadas, para presidente, governadores, deputados federais e estaduais acaba gerando um movimento adicional para a economia, porque são milhares de candidatos que direcionam recursos para se promoverem. É ainda comum que os governantes aumentem os gastos nesse período".

Fonte: InfoMoney

Alshop prevê aumento nas vendas para o Dia das Crianças

Alshop prevê aumento nas vendas para o Dia das Crianças
O Dia das Crianças está chegando e a Alshop - Associação Brasileira de Lojistas de shopping - acredita que as vendas devem crescer 5% este ano sobre a mesma data de 2008. Segundo a entidade, o tíquete médio fica entre 70 e 100 reais, e vai de acordo com a classe social do consumidor.

As vendas serão impulsionadas por bonecos e bonecas que chegaram às lojas brasileiras nos últimos dois meses. Inspirados em personagens, os de 10 cm podem ser encontrados em cartelas individuais (R$30,00) ou triplas (R$90,00). Já os bonecos de 25 cm estão na faixa dos 80 reais. Outra opção para os pais são os bonecos antigos, ainda queridos pelas crianças e que entram em promoção graças aos lançamentos.

De acordo com os exibidores ouvidos pela Alshop, os cinemas também devem ser atrativos nesta data e programam estreias de filmes infantis para o final de setembro e para o Mês da Criança. Muitos pais devem esperar a semana de 12 de outubro para levar os filhos (e também afilhados, sobrinhos, etc.) para este programa.

O Dia das Crianças é a quarta melhor data para o comércio, ficando atrás do Natal, Dia das Mães e Dia dos Namorados.

Fonte: Revista Fator Brasil

Cartão de Crédito: saiba como usá-lo

Cartão de Crédito: saiba como usá-lo
Evaldo Costa, consultor na área de varejo, recomenda cuidado ao usar o cartão de crédito. “O cartão de crédito não deve ser usado como ferramenta de financiamento e sim de compra”.

No mês de agosto, os juros ultrapassaram os 10% e por isso Costa diz que mesmo oferecendo diversos benefícios, as facilidades podem tentar o consumidor e fazer com que ele acabe endividado.

Costa explica que os lojistas também devem ter cuidado com o cartão de crédito. “Como recebem o pagamento de acordo com as parcelas feitas pelo cliente, os comerciantes acabam pedindo um adiantamento, mas ele é acompanhado de juros, o que acarreta em um “enforcamento””, conclui.

A alta dos juros no Brasil podem ter sido afetados pela crise financeira. “Quando há aumento ou risco de aumento da liquidez acaba havendo repasse nas taxas”, explica Evaldo Costa.

Mas, mesmo assim, Costa afirma que o cartão é uma boa opção quando utilizamos como instrumento de benefício. “Quando, por exemplo, a operadora do cartão oferece programa de milhagem. O cliente que precisa comprar um televisor e possui o dinheiro para fazer a compra à vista, opta pelo cartão por ele oferecer essa vantagem e aplica o dinheiro”, narra Evaldo Costa.

Mundo Verde se consolida no Rio e cresce no Sul

Mundo Verde se consolida no Rio e cresce no Sul
O Mundo Verde abre amanhã, dia 23, no Barrashopping, na Barra da Tijuca, sua 85ª loja no Rio de Janeiro, marcando a consolidação da marca no estado onde nasceu há 22 anos e que concentra 70% de sua operação. Esta é a sexta loja da rede aberta este ano no Rio. Em breve a Barra da Tijuca (RJ) ganhará mais uma unidade da rede, no Rosa Shopping – Parque das Rosas. Há negociações para novas lojas também nas cidades de Barra do Piraí e Angra dos Reis.

Ainda esta semana o Mundo Verde inaugura oficialmente em Caxias do Sul a quarta loja no Rio Grande do Sul – as outras ficam em Bento Gonçalves, Pelotas e Porto Alegre, como parte da estratégia de expandir a marca no Sul do país, onde já possui sete lojas. A rede também negocia a abertura de novas unidades em Curitiba (PR) e Florianópolis (SC) – cidades onde já mantém três lojas – e também em Joinville (SC).

O novo diretor-executivo da rede, Sergio Bocayuva – um dos sócios investidores junto ao Grupo Axxon, que assumiu o controle da franquia recentemente – afirma que o objetivo é levar a marca Mundo Verde a todos os estados brasileiros, com foco principalmente em São Paulo e nos estados das regiões Nordeste e Sul. Atualmente, o Mundo Verde está presente em 16 estados e no Distrito Federal, com um total de 145 lojas.

A rede planeja crescer 15% este ano em relação a 2008, com mais 20 lojas em operação e outras 15 assinadas para 2010. Sete novas lojas estão programadas para abrir as portas até o fim do ano: Aracaju (SE), Campo Grande (MT), Teresina (PI), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP), nos bairros de Vila Mariana, Vila Pompéia e Higienópolis.

Global Franchise acompanha Wizard Idiomas à China para implantar rede de escolas de idiomas no país

Global Franchise acompanha Wizard Idiomas à China para implantar rede de escolas de idiomas no país
A viagem incluirá uma análise aprofundada do mercado e os primeiros passos para a implantação da empresa em solo chinês, além de um encontro com o Embaixador Norte- Americano na China, Jon Meade Huntsman Jr.

Já está na China a equipe formada por consultores da Global Franchise e executivos da Wizard Idiomas. A intenção do grupo é a de iniciar a implantação da rede de ensino de idiomas em solo chinês. “A partir dessa visita, será possível definir quantas e onde serão implantadas as primeiras Wizard, além de serem determinados critérios de expansão concretos”, diz Paulo César Mauro, presidente da Global Franchise.

Na pauta da viagem está uma reunião com Jon Huntsman Jr., Embaixador Norte-Americano na China. “Esse e outros contatos serão importantes para que o estudo de viabilidade do negócio seja mais preciso e, assim, a Wizard possa entrar no mercado chinês com segurança para os novos franqueados”, explica Mauro.

Ainda não há números que indiquem com precisão quantas serão as unidades implantadas pela marca nos próximos anos. Uma coisa, porém, é certa: em poucos meses, as primeiras unidades serão inauguradas.

Outras franquias na China

A Global Franchise também está atuando na implantação de outras marcas brasileiras – como Habib´s e Carmem Steffens – na China. Recentemente, a consultoria inaugurou um escritório em Tiajin – fruto de uma joint-venture com o grupo chinês Real Intercontinent.

Segundo Mauro, a implantação das marcas citadas é o primeiro trabalho da filial de sua consultoria na China. “Queremos mostrar às franquias brasileiras a forte economia chinesa. Trata-se de um mercado em franca expansão em todos os sentidos, inclusive com as franquias”, ilustra. “Faz parte da programação das viagens apresentar os canais governamentais de apoio à entrada das empresas e também um grupo investidores locais interessados em novos negócios na China”.

O consultor afirma que o mercado chinês tem características próprias e, apesar da economia ser totalmente capitalista, o regime ainda é comunista e centralizador. “É necessário ter um sócio local que conheça as características políticas e econômicas do país para facilitar a introdução das franquias brasileiras, ainda desconhecidas na China. O país tem poucas franquias de porte, a maioria são americanas que atuam na área alimentícia”.

Dúvidas de leitores: O que abrir em minha cidade?

Dúvidas de leitores: O que abrir em minha cidade?
Pergunta enviada por Osanan Tavares Maciel Filho, de Santa Luzia, Maranhão

Olá Caio
Moro em uma pequena cidade de 80 mil habitantes.
Será que você pode dar alguma idéia de um pequeno negocio que pode dar certo
em um cidade pequena?


Desde já agradeço.
Abração.
Osanan Tavares


Olá Osanan,

Veja, não existe formula mágica para abertura de um novo negócio.

Mesmo tendo o número de habitantes, acredito que o mais interessante é traçar um perfil da cidade ou da região na qual você pretende abrir seu ponto-de-venda, buscando levantar quais são as maiores necessidades e desejos da população.

Mesmo se você levantar alguma informação interessante, sobre a necessidade de um mercadinho ou de uma padaria, por exemplo, você antes de abrir sua empresa, deve procurar saber mais sobre o assunto, se aprofundar sobre os prós e contras do novo negócio. Acredito que pelo trabalho que vem realizando o Sebrae pode ser um excelente parceiro nessa sua escolha.Da mesma maneira, caso se interesse por um tipo de comércio específico, você pode procurar alguma entidade específica, como Acomac´s, CDL´s, e por aí vai no intuito de obter maiores informações.

De maneira geral, os ventos da economia vem proporcionando bons resultados para varejos de construção e de alimentos. Mesmo o varejo de eletro-eletronicos que chegou a sofrer com a crise no inicio do ano, já começa a dar sinais de um excelente e próspero Natal. Entretanto, não se apegue às ondas, não procure abrir um negócio, somente porque parece que o momento é próspero. Afinal de contas, uma empresa deve ser planejada para sobreviver em qualquer tipo de onda que possa ocorrer na economia.

Espero ter lhe ajudado

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
Falando de Varejo
www.falandodevarejo.com.br