sábado, 15 de dezembro de 2012

Inteligência da área de compras ajuda lojistas a preparar estoques para o Natal

Profissional de compras tem função estratégica para conseguir negociações mais vantajosas, prazos melhores e potencializar ganhos

Natal chegando e estoques sendo abastecidos a todo vapor. Mas como definir as quantidades ideais e negociar as melhores condições com os fornecedores? No caso de produtos importados, como fechar as compras com a melhor taxa de câmbio, obter garantias e, ainda, assegurar a entrega no prazo e a qualidade dos produtos?


Um profissional qualificado da área de compras faz toda a diferença entre potencializar ganhos e administrar encalhes e estoques mal dimensionados. Responsável pelo apoio estratégico e suporte em negociações, a área de inteligência em compras de uma empresa analisa contratos com fornecedores, acompanha a evolução de preços de matérias-primas, assessora na determinação das quantidades a comprar e ainda ajuda na criação de macroestratégias. Cabe ainda a este profissional administrar a base de dados com informações que auxiliam a tomada de decisão pelos varejistas.

Como explica o presidente do CBEC - Conselho Brasileiro dos Executivos de Compras, Leonardo Couto, a função do profissional de compras dentro de uma empresa, independentemente do seu porte, é determinante nos resultados financeiros e atua como agregador de valor. “Ela estende sua responsabilidade e atuação para as demais áreas, como as que envolvem planejamento e execução, por estar inteiramente integrada às necessidades da organização”, diz o executivo.

Reduzir custos e aumentar ganhos é o que todo lojista espera nesta época do ano. Cabe ao profissional de compras colaborar para que isso aconteça. O trabalho especializado de compradores profissionais pode ser determinante entre o sucesso e o fracasso de uma empresa. Com o aquecimento da economia brasileira e atenção ao cenário global, ocupar vagas na área de compras exige profissionais cada vez melhor preparados. Mais do que uma boa formação, é preciso compreender o cenário econômico atual e os impactos em suas negociações (taxa de câmbio, inflação, preço das commodities, etc.); saber identificar oportunidades de ganhos e estabelecer relações cooperativas; investir nas negociações cada vez mais técnicas por meio de estrutura mínima de custos que permita ao comprador “arbitrar” os custos dos fornecedores e, claro, ter espírito competitivo e investir em novas estratégias de redução de custo.

O CBEC acaba de lançar o processo de certificação internacional de profissionais de compras - CPP – Certified Purchasing Professional, com o conteúdo e chancela da Federação Internacional de Suprimentos (IFPSM - International Federation of Purchasing and Supply Management). De acordo com pesquisa realizada pela Revista Purchasing, profissionais de compras certificados tendem a ter salários até 17% maiores do que aqueles que não possuem a certificação.

Atualmente, a representatividade do custo das compras dentro das empresas, em relação às vendas, é superior a 50% (indústrias, principalmente), o que torna fundamental ter uma área de compras profissional, participativa e inteligente”, conclui o executivo.

Post Anterior
Próximo Post