Estoque, segmentação, qualidade dos produtos e entregas dentro do prazo são alguma das receitas para sua loja virtual fidelizar clientes e subir nas vendas

O KaBuM!, primeiro e maior e-commerce focado na venda de produtos de informática, eletrônicos e instrumentos musicais do Brasil, reuniu algumas dicas, informações e orientações para quem busca ter um e-commerce de sucesso. O setor está aquecido, já que só no primeiro semestre de 2012 faturou R$ 10,2 bilhões, com estimativa de fechar o ano contabilizando R$ 22,5 bilhões, segundo a e-bit.


Apesar disso, é preciso investir em qualidade, orientam os irmãos Leandro e Thiago Ramos. Eles fundaram uma loja virtual em 2003 para vender produtos de informática da loja física da família. Com poucos recursos, o marketing boca a boca ajudou a construir um relacionamento de confiança com os clientes.

Além da qualidade dos produtos – o que ajuda a fidelizar o internauta e a elevar o índice de recompra – garantir que o site traz informações corretas dos itens, preços competitivos e entrega dentro do prazo definido são pontos fundamentais para fazer sua loja on-line crescer. “A transparência é tudo na internet. Jogue limpo que os clientes confiarão em você”, ressalta Leandro Ramos, CEO do KaBuM! “O que nos ajudou muito a conseguir entregar no prazo, manter preços e garantir qualidade foi o estoque. Esta é uma das principais características que nos diferencia no mercado. Hoje, temos quatro grandes centros de distribuição, uma estrutura que nos permite garantir entrega até mesmo em épocas como o Natal”, complementa.

Oferecer produtos de um mesmo segmento também é outro fator importante. “O empreendedor não deve pensar em transformar seu site em um grande hipermercado, com toda a variedade de produtos. Nem o cliente vai conseguir entender a especialidade do vendedor e pode até ficar perdido ao acessar o site”, explica Leandro.

Por fim, uma loja virtual precisa vender produtos de qualidade, já que o nome do site estará vinculado a ele. Além disso, a navegação pela loja também deve ser simples e que facilite a busca e compra de produtos. “Faça um teste com algum familiar que não utiliza muito a internet e peça para fazer a compra. Se tiver dificuldades, faça mudanças”, conclui.