quinta-feira, 13 de junho de 2013

Os próximos dez mercados mais quentes para o e-commerce

por Jean Christian Mies

Artigo aponta países que indicam
potencial de crescimento
De acordo com inúmeros estudos de mercado o e-commerce está em franco crescimento em várias regiões do mundo.

Por isso, empresas atuando neste setor colocaram seu foco nos últimos anos em mercados como o Brasil, China, Rússia e Índia. E embora estes mercados ofereçam oportunidades de negócio muito interessantes, em sua maioria eles também possuem grandes desafios de regulamentação, de infraestrutura e de altos custos operacionais.


Muitos de nossos clientes internacionais nos perguntam qual será a próxima geração de países a serem considerados para uma expansão global. Portanto analisamos os mercados nos quais atuamos e identificamos vários países que oferecem perspectivas de crescimento e ambientes para investimentos muito interessantes para empresas de e-commerce de atuação internacional.

Seguem abaixo os dez mercados mais quentes a serem considerados por comerciantes online em sua próxima onda de expansão global, incluindo informações úteis sobre os principais meios de pagamento em cada mercado:

  • México (Crescimento do PIB: 3,7%): O México é o segundo maior mercado de tecnologia da América Latina, ao lado do Brasil, e o que cresce mais rápido. Seu PIB deve ultrapassar 4,9% em 2014 e previsões dizem que o País será uma das dez maiores economias até 2020. Em 2011, o e-commerce mexicano chegou à marca de 3,6 bilhões de dólares, o que representa um aumento de 30% em comparação a 2010. Hoje, 70% das compras online são feitas via cartão de crédito, mas muitos cartões mexicanos não aceitam transações do tipo cross-border, então é recomendado um adquirente local de cartões. Como alternativa, pagamentos em dinheiro para bens online via lojas de conveniência são um método de pagamento popular, assim como os pagamentos parcelados – o que todos os bancos adquirentes oferecem.
  • Coreia do Sul (Crescimento do PIB: 3,7%): Em 2012, o mobile commerce ultrapassou o e-commerce em total de vendas e a projeção de gastos online deve chegar a US$ 1.190 por comprador em 2016. No entanto, navegar pelo ambiente de pagamentos pode ser um desafio, já que existem aproximadamente 15 formas de pagar online. A Coreia do Sul tem uma das taxas de penetração de cartões de crédito mais altas da Ásia (70%), mas a maioria dos cartões Visa e MasterCard exigem autenticações separadas. Além disso, certifique-se de que seu site de e-commerce é otimizado para Internet Explorer, já que cartões de crédito e débito locais só podem ser processados por este browser utilizando plug-ins especiais.
  • Austrália (Crescimento do PIB: 3%): Com previsão do e-commerce ultrapassar os 37 bilhões de dólares em 2013, a forte economia australiana é a opção lógica para expansão internacional. Visa e MasterCard são de uso predominante, mas a relação de cartões de débito e crédito é de 2 para 1. O PayPal concentra cerca de 10% das transações na Austrália.
  • Turquia (Crescimento do PIB: 4,1%): O e-commerce turco tem observado crescimento de 20% a 25% ano a ano e, atualmente, tem a maior taxa de crescimento do PIB deste Top 10. A penetração de cartões de crédito é de 60% e pagamentos parcelados via cartão de crédito são muito populares. No entanto, esse método só é oferecido através de bancos turcos locais. Comerciantes online precisam trabalhar com diversos bancos, já que parcelamentos só são gratuitos para clientes que utilizam os cartões do próprio banco.
  • Polônia (Crescimento do PIB: 2,1%): Débito online direto do banco é o método preferencial para pagamentos no e-commerce polonês. No entanto, com mais de 20 bancos oferecendo débito direto no país, comerciantes online precisam ter conexões com cada banco para aceitar pagamentos online de seus clientes. Muitas vezes, consumidores fazem pagamentos em dinheiro em lojas locais de conveniência e agências de correio ou via caixas eletrônicos, que então geram as transações de pagamentos online. Przelewy24 e M-payment são métodos de e-banking que conectam múltiplos bancos, garantindo o pagamento sem o risco de estornos.
  • Suécia (Crescimento do PIB: 1,8%): O e-commerce na Suécia cresceu 12% em 2012, com serviços relacionados a viagens somando 30% de todo o gasto online. A penetração do mobile aqui está entre as mais altas da Europa (93%), então smartphones e tablets são um importante canal de comércio. Pagamentos na Suécia são dominados por Visa e MasterCard (40%), pagamentos via fatura / parcelamentos (26%) e pagamentos via online banking (25%) para os maiores bancos como Swedbank, Handelsbanken, SEB e Nordea.
  • Japão (Crescimento do PIB: 1,2%): A China e a Coreia do Sul ultrapassaram o Japão como o maior mercado de e-commerce, mas o país se mantém como uma sólida oportunidade para comerciantes – se você entender como os japoneses preferem pagar. Cerca de 85% da população japonesa tem cartão de crédito, mas apenas 12% dos pagamentos são processados por esse canal. Dinheiro ainda continua sendo usado em 11% dos pagamentos online – seja via C.O.D. ou pré-pagamento em lojas de conveniência. Cerca de metade dos cartões de crédito japoneses são JCB, seguidos por Visa, MasterCard, Diners Club e American Express. Outros meios de pagamentos no e-commerce incluem cartões pré-pagos e e-wallets (Edy), assim como transferências bancárias off-line. Apenas 3% de todas as transações são feitas a partir de dispositivos móveis.
  • Holanda (Crescimento do PIB: 3%): Per capita, a Holanda é uma potência do e-commerce. Gastos online excederam os US$ 6 bilhões em 2012 com expectativa de crescer 10% em 2013. O uso de cartões de crédito é baixo na Holanda. O método de pagamento predominante é o iDEAL, um sistema de online banking interbancos, que tem mais de 55% do mercado e é aceito por mais de 80% dos comerciantes online. Pagamentos via débito direto online e transferências também são populares.
  • Canadá (Crescimento do PIB: 1,9%): Com uma população de apenas 35 milhões de habitantes, o Canadá geralmente é ignorado por comerciantes dos EUA em termos de expansão internacional. O fato é que as vendas online no Canadá cresceram 24% em 2012 e deve chegar a US$ 35 bilhões até 2016. Como é de se esperar, o Canadá é um mercado forte para cartões de crédito, mas o PayPal também é amplamente usado, assim como cartões de débito.
  • Bélgica (Crescimento do PIB: 5%): A Bélgica fecha o Top 10, onde 53% dos internautas compram online e o e-commerce deve crescer 20%. Assim como na Holanda, a penetração de cartões de crédito na Bélgica é baixa. Lá, o método mais popular de pagamento é o Bancontact / Mr Cash, um cartão de débito local da Maestro que é processado como uma transação em tempo real. Outros métodos populares incluem pagamentos diretos via bancos online, como ING e Dexia, mas também são feitas transações online diretas.
Agora você deve estar se perguntando “Eu realmente preciso oferecer moedas locais e dar suporte a métodos de pagamento alternativos para ter sucesso no exterior?”. A resposta é... não, não precisa. Entretanto, nossos dados mostram que pagamentos processados localmente podem aumentar sua conversão de vendas em 35% ou mais. Isso não somente aumenta a velocidade e a taxa de aprovação das transações, mas também evita altas taxas de câmbio.

Jean Christian Mies éVice Presidente Sênior da Adyen para a América Latina
Post Anterior
Próximo Post