Relatório do Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae aponta estratégias para os
empreendedores utilizarem como vantagens competitivas na busca pelo consumidor

A busca do consumidor por praticidade e conveniência tem gerado um importante diferencial competitivo para mercearias e minimercados, setor que tem apresentado crescimento superior ao de super e hipermercados devido a fatores como o atendimento personalizado e localização próxima ao cliente. É o que aponta relatório do Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae voltado ao setor varejista, que destaca este perfil de comércio como o segundo maior segmento de pequenos negócios do país.



No Brasil, os minimercados e mercearias representam mais de 599 mil estabelecimentos, responsáveis por 48% do crescimento do setor supermercadista em 2015 - no total de vendas, representam uma fatia de 35% do total comercializado no varejo nacional. O consumidor que realiza compras nos minimercados e mercearias vai uma vez por semana ao ponto de venda, frequenta por conta da proximidade do estabelecimento, se sente mais conhecido por quem trabalha no local e realiza compras rápidas e diárias (açougue, padaria, hortifruti, laticínios, mercearia e frios), com tíquete médio entre R$ 38 e R$ 42.

O modelo de negócio de minimercados e mercearias tem crescido e as grandes redes observam esse movimento, tanto que muitas delas têm inaugurado lojas de bairros para competir mais diretamente nesse mercado. Ainda assim, os minimercados e mercearias têm vantagens competitivas como agilidade na adaptação de atendimento ou no mix de produtos, valorização de produtores locais, proximidade com a comunidade, atendimento personalizado e especializado, o que ajuda a criar laços com clientes. Por outro lado, entre os pontos fracos destes negócios frente às redes de grande porte estão a baixa taxa de profissionalização da gestão, falta de atrativos (iluminação, climatização) para consumo, mix de produtos e espaço limitado, baixos estímulos à compra, como promoções e ações de marketing.

Por isso, uma estratégia eficiente para competir com concorrentes de grande porte deve envolver:

Atendimento: capacitar equipe para realizar excepcional atendimento ao cliente, uma vez que é o principal diferencial ante os concorrentes;

Estrutura: investir para tornar a loja atraente, agradável, organizada e limpa, atentando para: iluminação, climatização, sinalização, layout, pintura, limpeza, etc.

Mix de produtos: conhecer os hábitos e necessidades dos clientes para desenvolver um mix de produtos adequados a eles e ao tamanho de sua loja;

Digital: ter presença digital por meio de site, Google e mídias sociais para ser encontrado. Importante também criar estratégias para marketing digital e usar redes sociais como canais de venda (WhatsApp e Facebook), com pessoal capacitado para realizar as vendas e se comunicar com os clientes por estes meios;

Segmentação: escolher um nicho de mercado pode ser uma opção, como por exemplo, minimercado especializado em itens para dietas de celíacos;

Fornecedores: seleção de fornecedores de qualidade, preferência a produtores locais e negociação de valores para oferecer preços competitivos são algumas opções;

Gestão: profissionalização da gestão, com a implementação de controles para redução de custos e composição de preços mais competitivos.

Outras dicas importantes sugeridas pelo SIS Sebrae a empreendedores de minimercados e mercearias são:

Invista no associativismo: nem sempre as empresas que atuam no seu mesmo segmento são suas concorrentes. Elas podem ser parceiras em uma associação ou rede de cooperação. Em nível nacional, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) é a entidade que representa este segmento. Porém, é possível criar uma rede de cooperação com empreendimentos de sua cidade ou dos municípios mais próximos. Para ter mais orientações sobre o assunto e obter assistência, entre em contato com o Sebrae de sua região.

Fique atento ao estudo Brasil Food Trends 2020, que destaca tendências de alimentação e de comportamento do consumidor para os próximos anos.

Confira outros conteúdos do setor de comércio varejista do Sistema de Inteligência Setorial, do Sebrae/SC: Tecnologia no comércio varejista como oportunidade para o pequeno negócio; Associação de compras, Ações promocionais: oportunidade para movimentar o varejo e Meios de pagamentos digital: uma revolução na economia