Coronavírus: 5 atitudes que o RH pode tomar no período de quarentena

Coronavírus: 5 atitudes que o RH pode tomar no período de quarentena


Há uma semana a OMS declarou a pandemia do coronavírus gerando incertezas na população mundial. No Brasil, são 5 mortes confirmadas pela doença e mais de 500 infectados. Para conter a disseminação do Covid-19 - que é de fácil contágio -, autoridades orientam que as pessoas não saiam de casa e, com isso, empresas precisam se organizar rapidamente. Mas como o Recursos Humanos pode agir neste período?

Separamos algumas dicas da especialista em Recursos Humanos, Samara Santana, gestora do Grupo H – fintech brasileira que oferece crédito consciente à funcionários de empresas privadas – de como o RH pode agir rapidamente e auxiliar os colaboradores em meio aos avanços da doença.

Em nota, o Ministério Público do Trabalho explicou a importância do papel das empresas no combate à doença. De acordo com o Governo, além de oferecer álcool em gel para os funcionários, as empresas precisam oferecer flexibilidade de jornada, principalmente, para os colaboradores com parentes doentes ou crianças que não podem ir à escola.

Informativos x combate às fake News

Em época de crises como a do coronavírus, as fake news costumam se disseminar rapidamente e as empresas devem evitar que conteúdos falsos gerem ainda mais medo e tragam mais problemas. Diante disso, uma boa ação que o RH deve colocar em prática é apostar em diversas comunicações ao longo do dia/ semana.

“Lembre-se de buscar as informações para os comunicados em órgãos oficiais, como OMS e Ministério da Saúde. Muito importante saber a veracidade dos fatos antes de repassá-los aos profissionais do seu time”, alerta Samara.

Espalhe cartazes na empresa, faça informativos diários via e-mail e whatsapp. Caso esteja longe do seu colaborador devido a quarentena, uma boa alternativa é realizar reuniões remotas de acompanhamento– em tempos que o contato deve ser evitado, vale apostar na tecnologia para se manter próximo do time.

Home office

Para deixar as ruas e o transporte público mais vazios, além de evitar o contágio nos ambientes de trabalho, vale apostar no home office. Se sua empresa ainda não tem a política de trabalho remoto, a especialista dá algumas dicas para ajudar a implantar esse processo. “Auxilie o colaborador com as ferramentas de trabalho como notebooks, sistemas e internet. Além disso, o oriente a cumprir o horário, fazer check ins e conversar com a família sobre a importância de deixá-lo trabalhar em um ambiente tranquilo. Na maioria das vezes, a família não entende que a pessoa está trabalhando e acaba interrompendo as atividades”, orienta.

Prevenção no ambiente de trabalho

Se sua empresa não pode optar pelo home office, seguem algumas dicas para prevenção no local de trabalho:

– Desabilite o uso da biometria;

– Redobre a atenção com a limpeza do ambiente e de objetos;

– Distribua álcool 70% (gel ou líquido) para os colaboradores e deixe disponível em áreas comuns;

– Evitar reuniões presenciais e viagens;

– Evitar contato físico;

– Liberar o colaborador que apresente qualquer sintoma, mesmo sem atestado médico;

– Flexibilidade de horário: para chegar até o trabalho, oriente o colaborador a evitar os horários de pico no transporte público.

Libere os funcionários do grupo de risco

Se sua empresa tem colaboradores idosos, com problemas respiratórios, diabéticos e hipertensos, a orientação é que eles sejam liberados das atividades para ficarem em casa de quarentara, visto que são o grupo com mais chances de contrair a doença.

Suporte ao trabalhador infectado

Meu colaborador foi infectado e agora? Segundo recomendação do Ministério da Saúde, o funcionário diagnosticado com coronavírus deve ser imediatamente afastado de suas atividades, permanecendo em casa ou no hospital de forma isolada.

E quem teve contato direto com ele também deve ser isolado – mesmo sem atestado médico -, pois depois de infectados, os sintomas podem aparecer de 2 a 14 dias.
Anterior
Próximo

post written by:

0 Comentários: