FCDLESP mostra opinião dos lojistas, após o decreto de quarentena feito pelo governo do estado de SP

 Maurício Stainoff, presidente da FCDLESP

Uma pesquisa realizada pela FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo) aponta que os lojistas querem voltar a trabalhar, 7  em cada 10 lojistas preferem o funcionamento do varejo funcionando em horário especial, devido a pandemia do COVID-19. A pesquisa foi realizada após o governo paulista decretar quarentena até 7 de abril em 645 municípios do estado de São Paulo, por conta do coronavírus.

Os dados apontam que 38,5% dos empresários preferem que o funcionamento dos comércios tenham horário espefícico para os grupos de risco, 27% desejam que a abertura do varejo tenha horário de funcionamento reduzido ou escalonado, 23% dos empresários optam pela  abertura total das empresas, outros 7,5% concordam com a manutenção da quarentena e 4% defendem outras medidas, como aguardar mais alguns dias para a abertura ou que os grupos de risco trabalhem em casa.

“O posicionamento dos lojistas representa a ausência de políticas públicas para manter o funcionamento dos negócios, no que diz principalmente a preservar os empregos. Visto que o varejo tradicional está entre os setores mais afetados pela pandemia do coronavírus, cerca de 21,5 milhões de empregos serão afetados, de acordo com o SEBRAE”, explica o presidente da FCDLESP, Maurício Stainoff.

O impacto do novo coronavírus (COVID-19) reflete na economia brasileira de modo geral. Com base na última previsão do Banco Central, a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano foi baixado a zero.  A pesquisa foi realizada com as principais CDLs (Câmara de Dirigentes Lojistas) do estado de São Paulo, contemplando a região metropolitana, litoral e interior.