Com 42% a mais de crescimento em comparação ao ano passado, lojas especializadas em vestuário e artigos esportivos aproveitam o fluxo maior de clientes para potencializar as vendas do segmento. Contudo, a análise geral do primeiro semestre mostra queda no volume de clientes nas lojas

Como já havia antecipado a Confederação Nacional do Comércio (CNC), a Copa deve movimentar R$ 863 milhões em receita nas lojas brasileiras, com destaque para as de artigos de uso pessoal e doméstico. Esse volume é maior que o das Copas de 2006 e 2010, e o resultado poderia ser melhor não fosse o encarecimento do crédito.

Ainda que as vendas pudessem atingir números ainda mais expressivos, uma coisa é inegável: a circulação de pessoas nas lojas varia muito em dias ou em véspera de jogos em comparação aos dias normais.

Como explica a diretora geral da Virtual Gate, Heloísa Cranchi, “o fluxo em lojas de artigos esportivos em junho deste ano registrou crescimento de 42% em relação ao mês anterior e de 18% em relação ao mesmo mês de 2013”. Ela ressalta ainda que o varejista deve aproveitar a oportunidade para conquistar esse consumidor que visita sua loja em virtude da Copa, tornando-o fiel também após o término do evento de futebol, o que é possível estudando seu comportamento no ponto de venda, investindo em campanhas de marketing direcionadas ao perfil do público da loja e fazendo-se lembrar, seja por e-mails marketing, SMS com avisos de promoções ou até mesmo pelo contato pessoal e atendimento diferenciados.



De acordo com o levantamento realizado pela Virtual Gate, o grande destaque para o varejo durante a Copa foi após a segunda partida da seleção brasileira (17/06/2014) quando houve um crescimento de fluxo de clientes nas lojas, como aponta o gráfico abaixo:

Dois pesos, duas medidas

Como a Copa é um evento isolado e pontual, a análise da Virtual Gate apresenta o comportamento do varejo de todo o primeiro semestre, o que permite um estudo mais abrangente do cenário econômico do País e que reflete diretamente no consumo de sua população.

Assim, a análise indica que fluxo de pessoas no varejo geral, que já registra recuo médio de 13% no comparativo de janeiro a maio de 2013 versus 2014, apresenta ainda 5% de redução no mês de junho do ano atual em relação ao anterior.

A base mensal de fluxo de pessoas demonstra recuperação nos últimos dois meses de 2014, entretanto ainda não alcançando a quantidade registrada em 2013.


Quando verificamos os pontos de vendas por segmento, verificamos que a redução do 1ª semestre de 2014 afeta principalmente as lojas de Vestuário com recuo médio de 16% em relação ao mesmo período de 2013, seguido por redução 5% no segmento de lojas de Material de Construção e 3% em Tecnologia e Comunicação.

E quando tem jogo do Brasil...

A análise demonstra ainda que fluxo diário, dos últimos dois meses, demonstra similaridade entre os anos verificados, com diferencial apenas para os dias de jogos da Seleção Brasileira, onde a quantidade de passantes reduz até 40% em relação ao mesmo dia de 2013, demais dias não apresenta grande diferença ao registrado no mês anterior quando falamos da base de varejo em geral.

A análise diária por segmento apresenta redução média de mais de 20% do fluxo de pessoas nos três primeiros jogos da seleção brasileira em comparação ao mesmo período de 2013, sendo que o jogo do dia 17/06 (Brasil x México) registrou a maior redução de fluxo da primeira fase com 31%.
O segmento que mais sofreu as consequências dos dias com jogos do Brasil foi vestuário com redução média de 30% do fluxo. Já o segmento de Tecnologia e Comunicação apresenta redução média é de 16% em relação aos mesmos dias de 2013 e o de lojas de Material para Construção demonstrou maior redução do fluxo durante os dois primeiros jogos (12 e 17/06/2014), com média de quase 30%, e 12% de queda no terceiro jogo (dia 23/06/2013).

A Virtual Gate oferece soluções para maximizar o faturamento do varejo por meio da gestão do fluxo de consumidor e da taxa de conversão e tem entre seus clientes varejistas como Americanas, C&A, Pernambucanas, Telhanorte, TendTudo, Casa Show, Nike, Livraria Cultura, Saraiva, Lojas Americanas, Farm, Animale, Paquetá, Calvin Klein, Loungerie, L’Occitane, Sephora, além de shoppings.
Recentemente a Virtual Gate foi auditada e aprovada pela consultoria independente PricewaterhouseCoopers (PWC) quanto à acuracidade dos seus sistemas de medição de fluxo de pessoas nas lojas por estar dentro dos padrões legais em todos os quesitos analisados.

Sobre a Virtual Gate

A Virtual Gate (www.virtualgate.com.br) fornece soluções para o aumento de faturamento dos varejistas por meio de tecnologias que permitem a gestão do fluxo de consumidores e da taxa de conversão. Aliado aos números de gestão, novas oportunidades podem ser descobertas e novas estratégias administrativas e de marketing podem ser adotadas de forma a garantir o sucesso das vendas e margem de lucro para o varejista. Há mais de 10 anos no mercado, e pertencente ao grupo Plastrom, a empresa tem como alguns de seus clientes C&A, Pernambucanas, Telhanorte, TendTudo, Casa Show, Nike, Livraria Cultura, Saraiva, Lojas Americanas, Farm, Animale, Paquetá, Calvin Klein, Loungerie, L’Occitane, Sephora, entre outros.
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: