Apesar das vendas no varejo estarem caindo em diversos setores, o comércio de medicamentos segue com o mesmo ritmo de crescimento

O faturamento do mercado farmacêutico pelo canal farmácia no Brasil saltou de R$ 9,6 bilhões no primeiro trimestre de 2014 para R$ 10,7 bilhões no mesmo período de 2015, o que representa um aumento de 12%. Considerando os últimos 12 meses, entre abril de 2014 e março de 2015, o faturamento cresceu 11,5% ante o ano anterior, alcançando R$ 43,1 bilhões. Os dados são da IMS Health, compilados pela Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa).

“Mesmo nesse momento difícil da economia, a indústria farmacêutica está apresentando um crescimento praticamente estável e muito acima de outros setores. Isso já aconteceu em situações semelhantes e se justifica pelo fato dos medicamentos serem produtos de primeira necessidade. Contudo, não descartamos a possibilidade de haver um impacto negativo no decorrer do ano”, afirma Antônio Britto, presidente-executivo da Interfarma.

O número de doses comercializadas também cresceu. Foram 32,5 bilhões no primeiro trimestre de 2015 ante 29,6 bilhões no mesmo período do ano anterior; aumento de 9,8%. Já nos últimos 12 meses, o crescimento foi de 8,5%; o total de doses vendidas passou de 121,6 bilhões para 132 bilhões.

A divisão do mercado sofreu algumas alterações. Os medicamentos de referência, que representavam 44% das vendas em 2011, passaram a responder por 39% em 2015. Já os medicamentos similares ganharam mercado, passando de 43% para 48%. Os genéricos se mantiveram estáveis com 13%.

“Para o crescimento ser ainda maior, dependemos de alguns pontos que precisam ser resolvidos pelo país. O primeiro deles é o fato de não haver uma resposta organizada e realista para a questão do acesso. Cerca de 74% dos medicamentos brasileiros são comprados e pagos pelo bolso das pessoas, sem apoio do governo. Isso significa que a medicação mais complexa e mais cara acaba não chegando à maioria da população”, comenta Britto.

O segundo ponto é a questão tributária. “O Brasil é campeão mundial em imposto sobre medicamentos. Temos uma situação injusta porque mesmo olhando os tributos dentro do país, o medicamento paga mais do que outros produtos, como, por exemplo, biquíni e ursinho de pelúcia; e isso prejudica o acesso da população aos tratamentos que precisa”, conclui.

Sobre a Interfarma

Fundada em 1990, a Interfarma possui atualmente 55 empresas associadas. Hoje, esses laboratórios são responsáveis pela venda, no canal farmácia, de 80% dos medicamentos de referência do mercado e também por 33% dos genéricos produzidos por empresas que passaram a ser controladas pelos laboratórios associados. Além disso, as empresas associadas respondem por 46% da produção dos medicamentos isentos de prescrição (MIPs) do mercado brasileiro e por 52% dos medicamentos tarjados (50% do total do mercado de varejo).
Share To:
Magpress

Falando de Varejo

O Falando de Varejo é o maior blog sobre o varejo brasileiro, no ar desde julho de 2008. Navegue por nosso site e conheça nossas dicas e artigos especiais. Quase 6 milhões de pessoas já passaram por aqui. Clique nos links abaixo para nos seguir também nas principais redes sociais.

Post A Comment: