ULTIMOS POSTS

terça-feira, 26 de maio de 2015

Vendas no varejo caem 8,4% no Estado no 1º trimestre. Entenda.

Em março houve queda de 9,8%; nos setores, maiores recuos nas vendas foram de produtos mais caros, dependentes de crédito, mas até artigos essenciais passaram a ficar no vermelho (farmácias e supermercados)

No primeiro trimestre de 2015, o comércio varejista do Estado de São Paulo viu suas vendas caírem 8,4% em relação a igual período de 2014. No mês de março também houve queda - de 9,8% - em comparação com o mesmo mês do ano passado. Já quando se analisa o acumulado de 12 meses, foi registrada diminuição de 2,1%. Os dados estão no Boletim nº 11 da pesquisa ACVarejo, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), e se referem às vendas físicas do varejo ampliado, que inclui concessionárias de veículos e lojas de material de construção.

Na capital paulista as vendas no varejo tiveram desempenhos parecidos com os do Estado, com recuos de 9,4% no trimestre, de 8,8% em março e de 3,3% nos últimos 12 meses, nas mesmas bases de comparação.

"Esses resultados mostram que a desaceleração nas vendas prossegue e se acentua. O comércio sofre os efeitos negativos do aumento da inflação, da diminuição da massa salarial, do crescimento do desemprego e da restrição ao crédito, resultando em queda da confiança do consumidor", analisa Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Em relação a fevereiro, os volumes comercializados em março no Estado e na capital apresentaram aumentos de 9,4% e 11,2%, respectivamente. Mas esses resultados mensais positivos não representam mudança na tendência de desaceleração das vendas pois estão bastante influenciados pelo maior número de dias úteis em março e pelo Carnaval em fevereiro.

Tendência para próximos meses

Segundo as projeções do Instituto de Economia da ACSP, a tendência é de aprofundamento na desaceleração das vendas no comércio paulista durante o segundo trimestre de 2015, podendo terminar o ano no campo negativo.

Setores: itens essenciais no vermelho

De acordo com o Boletim nº 11 do ACVarejo, todos os setores econômicos do varejo ampliado sofreram perdas nas vendas físicas no primeiro trimestre e em março, sobre iguais períodos de 2014, com destaque para os produtos de maior valor e mais dependentes de financiamento. As vendas nas concessionárias de veículos apresentaram quedas de 16,5% e 9,5% nessas duas comparações citadas, respectivamente. Em março sobre fevereiro de 2015 houve aumento sazonal de 20,4%.

Nas lojas de material de construção foram registradas perdas de 11,5% no trimestre e de 10,3% em março - em relação a 2014. Em março de 2015 ante o mês anterior foi verificado crescimento sazonal nas vendas (+7,8%).

No setor que abrange lojas de departamento, eletrodomésticos e eletroeletrônicos houve recuos de 9,5% no trimestre e 9,3% e em março, em comparação com 2014. Em relação a fevereiro de 2015 o avanço sazonal foi de 20% em março.

"Chama a atenção o fato de que até mesmo as vendas de artigos de uso mais essencial, das farmácias e supermercados, e de itens de menor valor, apresentaram contrações", observa Alencar Burti.

Nas farmácias e perfumarias as vendas caíram 1,1% e 0,6% no trimestre e em março em relação aos mesmos períodos de 2014. Nos supermercados as quedas foram de 4% e 8,5% nas mesmas comparações.

Regiões

O ACVarejo detectou quedas nas vendas físicas em quase todas as regiões paulistas, na comparação com 2014. A exceção foi o Alto do Tietê, que apresentou altas de 2,8% no primeiro trimestre e de 3,6% em março de 2015, comparando-se com o ano passado. Em março sobre fevereiro de 2015 houve alta sazonal de 11,3%.

O destaque no campo negativo ficou com o Litoral, cujo volume comercializado despencou 14,2% no trimestre e 22,7% em março, ante iguais períodos de 2014. Nesta região, até mesmo em relação a fevereiro de 2015 foi registrada queda (-3,8%) em março.

O ACVarejo é elaborado mensalmente pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal, da ACSP, com base em informações de faturamento do varejo enviadas pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo.

Compartilhe nas redes sociais:
 
Copyright © 2008-2017 Falando de Varejo.