Segunda edição do Censo da Fraude desenha mapa que mostra a origem das transações ilegítimas por estados e regiões do país


A cada 100 compras fraudulentas na internet no Brasil, 35 são feitas em São Paulo. Esta é uma das conclusões do Censo da Fraude 2020, elaborado pela Konduto, antifraude para e-commerces e pagamentos digitais, a partir da análise de mais de 175 milhões de pedidos que passaram pelos sistemas da empresa entre 1 de janeiro e 31 de dezembro do ano passado.

Para apontar quais são os estados e regiões com mais e menos pedidos fraudulentos, a Konduto considerou o fraud share, que leva em conta a representatividade de cada unidade federativa dentro do cenário da fraude em pagamentos digitais em todo o Brasil. O índice é calculado dividindo a quantidade de tentativas de fraudes de cada estado pelo total de tentativas de fraude no País.

O resultado do levantamento mostrou que São Paulo responde por 35,57% das tentativas de fraude e lidera o ranking com ampla margem mesmo com queda de mais de 5% em relação ao ano passado. Na sequência, aparecem Rio de Janeiro (10,34%), Minas Gerais (7,55%), Bahia (6,51%) e Paraná (5,49%). O Distrito Federal, cujo fraud share caiu de 3,63% para 2,50%, é a unidade federativa que mais perdeu posições na lista se comparado ao ano passado (de oitavo para 12º). Por outro lado, o Amazonas, que oscilou de 0,48% para 0,64%, é a que mais subiu (de 23º para 19º).

O relatório também faz um recorte por regiões. Neste caso, o Sudeste é o primeiro em tentativas de fraude (com 55,33%, contra 60,03% em 2019). O Nordeste é o segundo, com 18,74%, agora seguido mais de perto pelo Sul, que saltou aproximadamente cinco pontos percentuais em relação ao ano passado e responde por 14,01% dos pedidos ilegítimos. Centro-Oeste (8,01%) e Norte (3,92%) fecham a lista.

“São Paulo e o Sudeste concentram o maior número de pedidos ilegítimos porque são o estado e a região com o maior share no e-commerce nacional”, explica Tom Canabarro, CEO e cofundador da Konduto. Neste caso, segundo ele, a atividade dos criminosos cibernéticos acaba se diluindo em meio a um número expressivo de “compras boas”. Em locais com menos share, ocorre o contrário, com as compras fraudulentas se sobressaindo diante de um número total menor de pedidos legítimos. 

“O relatório inclusive mostra como metodologias diferentes de cálculo, que não consideram o fraud share, apontam que proporcionalmente estados do Norte e do Nordeste, como Maranhão, Ceará e Pará, podem ter mais tentativas de fraude, o que não faria sentido em números absolutos”, conclui Canabarro.

Interessados em acessar todos os dados sobre fraud share, tentativas de fraude e share do e-commerce de cada estado e região brasileira podem baixar o Censo da Fraude 2020 gratuitamente no endereço a seguir: http://content.konduto.com/lp-censodafraude-2020

Sobre a Konduto

A Konduto é a primeira empresa do mundo a monitorar todo o comportamento de navegação e compra de um usuário em uma loja virtual ou aplicativo mobile e, com uso de filtros de inteligência artificial, calcular em menos de 1 segundo a probabilidade de fraude em uma transação on-line. Além disso, o sistema também leva em consideração informações “básicas” da análise de risco, como geolocalização, validação de dados cadastrais e características do aparelho utilizado na compra (fingerprint), gerenciamento de regras condicionais e revisão manual. Fundada em 2014 por Tom Canabarro, Milton Tavares Neto e Daniel Bento, a Konduto conta com mais de 4 mil clientes e só em 2019 analisou o risco de mais de 175 milhões de pedidos, ajudando o e-commerce a evitar um prejuízo superior a R$ 5,4 bilhões em fraudes.