quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Dia da Criança fica abaixo da previsão de lojas

Após o Dia da Criança, os shoppings fecham com expectativa menor do que o esperado pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). A entidade previa um crescimento de 16,25% em relação ao ano passado. No entanto, o índice ficou abaixo da previsão em São Paulo. Mesmo assim, os porta-vozes dos empreendimentos afirmam que foi um dos melhores Dia da Criança que o mercado varejista teve.

Um exemplo foram as vendas do Shopping Interlagos que cresceram cerca de 10%. O fluxo de público também foi 8% maior se comparado a igual período do ano passado.

Segundo a superintendente do Shopping Interlagos, Carla Bordon Gomes, na relação de artigos mais vendidos os brinquedos, sobretudo os eletrônicos, se destacaram na data sazonal. "Quem também esteve bem posicionado nas vendas desta vez e conquistaram os consumidores foram os celulares, seguidos por roupas infantis", afirmou o porta-voz.

O Central Plaza localizado entre a região do Grande ABC e a capital paulista foi o que chegou mais perto e obteve um aumento de vendas de 13% comparado ao mesmo período do ano passado.

Inicialmente a expectativa era de apenas 10%.

O superintendente do shopping Fábio de Sousa Médici afirmou que está não foi a única surpresa. "O fluxo de público também aumentou 10% em comparação ao mesmo período de 2009", ressaltou o porta-voz do empreendimento.

Segundo ele, os produtos mais procurados para a data foram brinquedos e vestuário infantil. O Central Plaza Shopping recebeu, durante os dias 9,10 e 11 de outubro, 180 mil pessoas, 25% mais que num sábado, domingo e segunda-feira normais. O corre-corre de compras para o Dia da Criança foi bastante intenso este ano no Shopping Butantã que foi outro empreendimento varejista que se aproximou da análise feita pela Alshop.

Segundo o superintendente do local Julio Cesar Alloe, o Shopping Butantã registrou 15% de aumento de público e as vendas cresceram 12%, se comparadas a igual período do ano passado. Os presentes mais procurados foram brinquedos, vestuário e calçados infantis.

Entre as redes de brinquedos, a PBKids, que possui 51 lojas prevê um crescimento de 15% de vendas no Dia da Criança vendas e elevação de 8% no valor do ticket médio, que deve chegar ao patamar de R$ 130,00. Segundo o diretor comercial da rede, Celso Pilnik, todas as lojas estão com estoque 20% maior que no ano passado. "Todas as lojas estão com estoque 20% maior que no ano passado", explicou o porta-voz que até o fechamento da edição não tinha uma prévia sobre as vendas realizadas na data sazonal.

Já a Ri Happy Brinquedos mostra-se mais conservadora com o evento e calcula um crescimento de 10% em relação ao ano passado.

As duas lojas de brinquedos foram procuradas pela reportagem do DCI, porém não foram encontradas para informar se as expectativas tinham se confirmado na data sazonal.

De maneira geral, as lojas tiveram aumento do fluxo de público na data comemorada ontem.

Mercado

No fechamento prévio sobre o Dia da Criança as outras entidades relacionadas ao setor também se mostram mais otimistas que do que os varejistas.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio) aposta que a data deve ter movimentado cerca de R$ 1 bilhão. A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) é que este ano o varejo registre um aumento de 8,5% nas vendas comparado ao mesmo período de 2009.

Para o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, o crescimento deverá ser o maior dos últimos anos. "Posso afirmar com certeza que vai ser o melhor [Dia da Criança] dos últimos cinco anos", disse ele. O motivo do crescimento, para o executivo, é a confiança do consumidor, ocasionado pelo emprego, renda e crédito em alta.

O presidente da CNDL estimou que o ticket médio, ou seja, um valor médio para os presentes do Dia da Criança, deve permanecer estável frente ao ano de 2009, quando foi de R$ 50.

Até o momento de fechamento desta edição ambas não tinham terminado um número final.

Campinas

O comércio da cidade do interior paulista estima previamente um crescimento de 11% nas vendas em relação a mesma data em 2009 para a data sazonal. Esse aumento significa um faturamento em torno de R$ 84 milhões este ano contra R$ 76 milhões no ano passado. O índice de 11% é maior que os 8% de 2009 sobre 2008. Já na região metropolitana de Campinas (RMC), a expectativa de faturamento é de R$ 204,9 milhões, cerca de 10,5% acima dos R$ 185,4 milhões de 2009.

Na avaliação do economista da Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC) Laerte Martins, o aumento do percentual de vendas é esperado face à recuperação da economia da crise. "O emprego melhorou, a massa salarial cresceu mais de 9%, aumentando a liquidez, o que representa mais recursos à disposição dos consumidores", explica.

Os fabricantes de brinquedos nacionais informam que devem movimentar cerca de R$ 3 bilhões, o que representa 11,1% acima dos R$ 2,7 bilhões do ano passado. A pesquisa sobre o preço médio de presentes ficou em R$ 95,00 este ano, cerca de 11,8% acima do presente médio de 2009, que foi de R$ 85, variando de acordo com a classe salarial. O presente eletrônico fica como um dos itens mais preferidos pelo público infantil masculino .
As vendas do Dia da Criança nos shoppings centers cresceram, mas ficaram abaixo da estimativa inicial de aumento de 16,25%.
Fonte: DCI
Post Anterior
Próximo Post

0 comentários:


Não deixe de participar!
Qual sua opinião sobre o conteúdo acima?