segunda-feira, 22 de novembro de 2010

E-consumidor não perdoa atraso na entrega

Para especialista da TGestiona, empresa do Grupo Telefônica, a tendência do e-consumidor é não comprar novamente em sites que não entregam no prazo. A logística tornou-se o calcanhar-de-aquiles das lojas virtuais para não perder clientes e aproveitar a melhor época de vendas do ano, o Natal


Que o Natal é a melhor data do ano para o varejo em geral, até aí nenhuma novidade. Mas o comércio convencional tem enfrentado cada vez mais a concorrência das lojas virtuais, cujas vendas nessa época do ano, desde 2003, crescem sempre acima dos dois dígitos, de acordo com o e-bit. E, segundo estimativas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, o e-commerce brasileiro vai crescer 40% neste Natal, época que concentra 16% de todas as transações realizadas no ano. Para dar uma idéia, as três semanas que antecedem o dia 25 de dezembro equivalem a oito semanas de um período normal. Fica evidente a importância das lojas virtuais se prepararem muito be m para aproveitar o “boom” das vendas nessa época.

Mas como aproveitar o Natal para faturar mais e não frustrar o consumidor ou, pior, perder a confiança em sua loja? “Sempre ansiosos, as pessoas que moram nos grandes centros urbanos tendem a não voltar a comprar em sites que não entregam no prazo”, afirma o diretor de Logística da TGestiona (www.tgestiona.com.br), empresa do Grupo Telefônica, Marcelo José de Sousa.

Especialista em entrega, principalmente, de produtos eletroeletrônicos para o consumidor final, pelo atendimento a grandes operadoras de telefonia, varejistas e fabricantes, “a TGestiona tem uma média histórica de 98% de performance de entrega no prazo na região Sudeste, enquanto o mercado trabalha com índice de 80% de pontualidade”, comemora Sousa.

Além do alto índice de eficiência na entrega, a empresa do Grupo Telefônica presta outros tipos de serviços que tornam-se verdadeiros “agrados” para o consumidor, como a instalação e a configuração de TVs de LCD, telefones móveis e computadores, de acordo com a necessidade do comprador.

“Frustrar um cliente que aguarda com ansiedade a sua compra, nesse caso, um presente de Natal para uma pessoa querida, no prazo prometido é algo impensável para as lojas virtuais e tradicionais e para nós que realizamos a logística dos produtos vendidos por elas”, desabafa Sousa, da TGestiona.

Fonte: SEGS
Post Anterior
Próximo Post

0 comentários:


Não deixe de participar!
Qual sua opinião sobre o conteúdo acima?