domingo, 8 de setembro de 2013

Varejo traça raio-x do novo perfil do cliente antes de definir planos de crescimento

Respostas a perguntas como: “qual idade média”, “o que busca em minha loja”, “frequência de visitação” entre outras ajudam varejistas a conhecer melhor o consumidor no ponto de venda e superar expectativas na hora das compras

De acordo com dados do IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo), as expectativas de crescimento para os meses de setembro e outubro estão bastante otimistas, com altas de 7,2% e 8,7%, respectivamente, em comparação com os mesmos períodos do ano passado. No entanto, cabe ao varejista uma modernização na gestão para que tais previsões se concretizem, uma vez que o consumidor está mais exigente e mais cauteloso, querendo sempre mais por menos. Mas como fechar essa conta de aumentar os lucros a preços competitivos?

Com estratégia e inteligência de vendas. À medida que as empresas varejistas se expandem, surge a necessidade da adoção de sistemas de análise e pesquisa que indiquem como se comporta o novo consumidor. Cada vez mais multicanal, o consumidor busca diferenciais e vantagens ao realizar suas compras, o que implica em um grande desafio para o varejista, que precisa se reinventar todos os dias e adotar avançadas tecnologias de informação e de gestão para desempenhar suas atividades de forma atraente e vantajosa aos olhos do consumidor.



Com um mercado cada vez mais competitivo e saturado, que sofre com a inevitável guerra de preços, é cada vez mais desafiador atrair e conquistar consumidores. Para medir a concentração de clientes nas lojas potencializando as vendas, novas tecnologias estão disponíveis no mercado para ajudar os varejistas.
É o caso da solução ofertada pela Virtual Gate, que fornece soluções para o varejista aumentar vendas por meio da gestão do fluxo de consumidor e da taxa de conversão. Umas das formas de mensurar como está sua estratégia de marketing e se ela está surtindo o efeito esperado é por meio da medição do fluxo de clientes nas lojas. Medi-lo é possível e determinante para que novas medidas de expansão sejam adotadas. Tão importante quanto mensurar quantas pessoas circulam nas lojas é saber quantas dessas visitas são convertidas em vendas. Afinal, de nada adianta a visitação sem a conversão e o lucro, certo?

Como explica Heloísa Cranchi, diretora geral da empresa, uma análise de potencial máximo de negócio, considerando a tríade: Índices de Fluxo de Clientes, Taxa de Conversão e Valor Médio de Cupom permite um retrato fiel da loja e seu potencial de crescimento e lucro. “O fundamental é identificar o valor médio de cada indicador e elevar índice de cada loja que está a baixo desse ponto. Ou seja, com a ferramenta é possível expandir o faturamento mesmo sem a abertura de novas lojas”.

O cruzamento de informações permite uma melhor visualização dos pontos que necessitam de correções para que se atinjam as metas estipuladas, substituindo as ações massificadas para foco de esforços nos índices deficitários.

Varejistas como C&A, Pernambucanas, Telhanorte, Leroy Merlin, Livraria Cultura, Cybelar, Shoestock, Reebok, Redley, L'Occitane, Lacoste, Kate Spade, Farm, Fábula, King Star e BR Home Centers estão entre seus clientes. Recentemente a Virtual Gate foi auditada e aprovada pela consultoria independente PricewaterhouseCoopers (PWC) quanto à acuracidade dos seus sistemas de medição de fluxo de pessoas nas lojas por estar dentro dos padrões legais em todos os quesitos analisados.
Post Anterior
Próximo Post