Buscar

Chegaram para ficar: o crescimento dos produtos orgânicos

A população está cada vez mais consciente e interessada em manter uma alimentação saudável e limpa. Este interesse tem engajado um setor do mercado que já foi pequeno: o dos produtos orgânicos. São alimentos que fazem parte de um sistema sustentável que não utiliza produtos químicos na plantação, preservando a saúde humana e o meio ambiente, além de proporcionar uma qualidade maior do que a dos alimentos convencionais.


Segundo um estudo do Instituto de Pesquisa de Cultura Orgânica e da Federação Internacional de Movimentos da Agricultura Orgânica, o Brasil é um dos 180 países que produz alimentos orgânicos, e desde 2013, é um dos maiores da lista. Só no ano passado, eram mais de 15 mil propriedades certificadas e em processo de transição. Entre os estados responsáveis por esse tipo de plantação estão: Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. A tendência é ótima para incentivar a agricultura familiar e proporciona maiores oportunidades aos produtores de pequenas propriedades rurais.

“As vantagens em consumir este tipo de alimentos são muitas! Sem hormônios, agrotóxicos e outros produtos químicos, os orgânicos são mais nutritivos, mais saborosos, tem a cor e aroma mais intenso. Preservam os animais, o solo, a água e vegetação de contaminações.”, afirma a nutricionista do SuperPrix, Erica Schattka.

O preço elevado deste tipo de alimento não é mais um obstáculo na hora das compras. Em 2018, o Brasil teve um faturamento de R$ 4 bilhões com o setor. Um aumento de 25% se comparado ao registro de 2015, é o que aponta a projeção do Conselho Nacional da Produção Orgânica e Sustentável (Organis).

Mesmo que sem estudos oficiais sobre o caso, a coordenadora do Centro de Inteligência em Orgânicos (CI Orgânicos), Sylvia Wachsner, afirma que a venda destes produtos segue em crescimento a cada ano no mundo, numa média de 20%. Segundo a Rede UNNO, os orgânicos tem tido mais espaço no carrinho de compras dos clientes que buscam, cada vez mais, qualidade de vida.

Postar um comentário

0 Comentários