quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Preços no varejo recuam em agosto, após cinco altas seguidas

IPV paulista registrou, em agosto, alta de 0,17%, em relação ao mês anterior, quando subiu 0,10%, revela pesquisa

O IPV (Índice de Preços no Varejo) paulista registrou, em agosto, queda de 0,17% ante a alta de 0,10% registrada em julho, conforme divulgou a Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) nesta terça-feira (22). Trata-se da primeira queda após cinco altas consecutivas do indicador.

O estudo revelou que a maior variação negativa foi apurada no segmento Supermercados, cujos preços caíram 0,58%. Este segmento é o de maior peso dentre todos os grupos analisados pelo IPV, com 32%. Em julho, o grupo Supermercados havia registrado alta de 0,52%.

Na opinião da economista da Fecomercio, Júlia Ximenes, a queda pode ter sido motivada pelo realinhamento dos preços de produtos que haviam sofrido forte pressão de alta nos meses anteriores, devido às condições climáticas pouco favoráveis. É o caso de Leites (-8,92%), Tubérculos (-5,12%), Pescados (-4,47%), Óleos (-3,27%) e Aves (-3,16%).

Preços altos

Por outro lado, alguns produtos impediram a melhora do índice, porque ainda estão sendo prejudicados pelo clima, registrando elevação de preços neste momento. São eles: Legumes (15,18%), Frutas (6,01%), Verduras (1,90%) e Adoçantes (1,50%).

Além disso, o segmento de Feiras voltou a registrar preços mais elevados no oitavo mês do ano, finalizando o período da análise com +7,07%.

Por sua vez, na análise do acumulado dos oito primeiros meses do ano, o IPV registra alta de 0,35% e, nos últimos 12 meses, de 1,20%.

Análise setorial

Conforme revela a Fecomercio-SP, 12 dos 21 grupos analisados, contando Drogarias e Perfumarias como um único segmento, registraram aumento nos preços no oitavo mês do ano, na comparação com julho, segundo mostra a tabela a seguir:

Índice de Preços no Varejo (variação mensal)

Feiras: 7,07%
Brinquedos: 0,87%
Combustíveis e Lubrificantes: 0,43%
Materiais de escritório e Outros: 0,41%
Relojoarias: 0,35%
Autopeças e Acessórios: 0,28%
Jornais e revistas: 0,24%
Óticas: 0,24%
Eletroeletrônicos e Outros: 0,21%
Livrarias: 0,17%
Padarias: 0,13%
Vestuário, Tecidos e Calçados: 0,02%
Móveis e Decoração: -0,02%
Material de Construção: -0,07%
Floricultura: -0,12%
Drogarias e Perfumarias: -0,22%
CDs: -0,28%
Eletrodomésticos: -0,48%
Supermercados: -0,58%
Açougues: -0,91%
Veículos: -1,46%

Fonte: Fecomércio/InfoMoney
Post Anterior
Próximo Post

0 comentários:


Não deixe de participar!
Qual sua opinião sobre o conteúdo acima?