segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Comércio varejista de BH: Expectativa é que o setor feche o ano com crescimento de 6,5%

Lojistas mais otimistas e vendas voltando ao mesmo patamar de antes da crise ou se não melhor.

Além disso, a recomposição da riqueza das famílias e a expansão das classes C e D, aliados à normalização das concessões de crédito, taxa de juros mais baixas e inflação dentro da meta estabelecida pelo Banco Central. Estes são alguns dos fatores que segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Roberto Alfeu, indicam que o comércio varejista de Belo Horizonte pode fechar o ano de 2009 com crescimento de 6,5% na comparação com 2008. “As vendas no acumulado do ano, de janeiro a outubro, são um bom termômetro para este otimismo. Elas cresceram 4,9%”, explicou.

O presidente da CDL/BH lembra que no mês de outubro, continuamos a observar a tendência de melhora do cenário econômico brasileiro, iniciada no meio do ano. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram criadas 230.956 vagas em outubro, o melhor número desde que a série começou em 1992. “Resultado da contratação de 1,43 milhões de pessoas e da demissão de 1,2 milhões, o que permitiu o expressivo saldo positivo”, disse. “Os setores que mais empregaram foram o da indústria de transformação (74.552), seguido pelo de serviços (69.581), incluindo aí o setor comercial”, completou.

Crescimento – Na comparação com setembro, as vendas no mês de outubro cresceram 2,9%, resultado da comemoração do Dia das Crianças. O setor de brinquedos cresceu 113,7%. Nos outros setores que apresentaram crescimento como produtos farmacêuticos (+13,4%); supermercados e produtos alimentícios (+7,8%); máquinas, eletrodomésticos, móveis e louças ((+6,9%); ferragens, material elétrico e construções (+5,8%) e tecidos, vestuário, armarinho e calçados (+4,1%), as vendas são resultado da recuperação do crédito, da injeção de novos recursos e do lançamento de novidades. Na comparação com outubro do ano anterior (Out.09/Out.08), as vendas do comércio varejista da capital mineira cresceram 3,4%.

Expectativas 2010 – “É certo que o Brasil vai se expandir a um bom ritmo em 2010, mas o resultado final do crescimento no próximo ano pode variar numa faixa bastante ampla. 2010 será ano eleitoral e em consequência disso algumas previsões podem não se consolidar”, afirmou Alfeu. Para o presidente da CDL/BH, a taxa básica de juros, Selic, deve-se elevar em meados de 2010, em consequência de uma demanda maior, o que pode inflacionar a inflação.

“O consumo teve papel importante no crescimento econômico em 2009. Apesar dos consumidores se apresentarem mais receosos, a ampliação da renda, manutenção do emprego e medidas de incentivo ao consumo foram suficientes para manter a dinâmica comercial”, explicou Roberto Alfeu. Para ele, com o retorno do crédito aliado a taxa de juros menores, e prazos de financiamentos mais longos, essa tendência deve-se manter em 2010. “Isto ampliará ainda mais o consumo e o comércio varejista de Belo Horizonte deve crescer 7,5% em 2010”, disse.

“Considerando a crise que se formou no passado, 2009 pode ser considerado com um bom ano e 2010 deve ser ainda melhor”, concluiu.
Post Anterior
Próximo Post

0 comentários:


Não deixe de participar!
Qual sua opinião sobre o conteúdo acima?