segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Pare de falar Custo X Benefício

Clique no player acima para ouvir o episódio

Provavelmente você já escutou algum vendedor te mostrar qual é o custo x benefício de um produto.Clique no player acima e entenda o que o especialista em vendas está propondo.

Apresentação do programete: Leandro Branquinho Palestrante de Vendas

 Dia em que foi ao ar 31-10-16

 Veiculado em:

-Rádio Educativa 105,9FM – Três Corações – MG
-ACETC – Portal da Associação Comercial e Empresarial Três Corações - MG
-ACAITP - Portal da Associação Comercial de Três Pontas – MG
-ACELEM – Portal da Associação Comercial de Luis Eduardo Magalhães - BA
-Rádio Cidade – Campos Gerais – MG
-Rádio 98 FM – Ribas do Rio Pardo – MS
-Rádio 95 FM – Currais Novos - RN
-Rádio 730 - Momento Sindilojas - Goiás – GO
-Falando de Varejo

http://radiovendas.com.br
http://leandrobranquinho.com.br

Índice de Confiança do Consumidor recua 0,9% em outubro, aponta FecomercioSP

Entretanto, após 44 meses consecutivos de queda no comparativo anual, avaliação dos consumidores em relação às condições econômicas atuais subiu 5,5% na comparação com outubro de 2015

Após duas altas consecutivas, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do município de São Paulo registrou queda de 0,9% ao passar de 107 pontos em setembro para 106 pontos em outubro. Mesmo com a leve queda, o indicador permanece acima da marca dos 100 pontos, que delimita a fronteira entre pessimismo e otimismo. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, porém, houve elevação de 19,4%.

O ICC é apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Composto pelo Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) e pelo Índice de Expectativas do Consumidor (IEC), o indicador varia de zero a 200 pontos, sendo que abaixo de 100 pontos significa pessimismo e acima de 100, otimismo.

A queda do indicador em outubro foi motivada pela retração de 1,4% do índice que mede as expectativas do consumidor (IEC), que passou de 139,1 em setembro para 137,2 pontos no mês atual. Em relação a outubro de 2015 houve elevação de 24,1%. Houve assimetria na percepção dos consumidores com renda acima e abaixo de dez salários mínimos. O primeiro grupo registrou alta de 4,5% ao passar de 147,8 para 154,5 pontos, já o segundo grupo apresentou recuo de 4,4%, caindo de 135,1 para 129,1 pontos. No comparativo anual, os dois grupos exibiram alta de 33,6% e 19,3%, respectivamente.

Em contrapartida, o Índice das Condições Atuais da Economia (ICEA), outro componente do ICC, apresentou alta de 0,7%, ao passar de 58,7 em setembro para 59,1 pontos em outubro. Após 44 meses consecutivos de quedas no comparativo anual (desde janeiro de 2013), o indicador subiu 5,5% em relação a outubro de 2015. O grupo de consumidores que mais influenciou essa alta do indicador foi o com renda superior a dez salários mínimos com alta de 8,3% na comparação com setembro, passando de 65,1 para 70,5 pontos. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o avanço foi de 16,4%. Por outro lado, o ICEA dos consumidores com renda abaixo de dez salários caiu 3,4% na comparação mensal, passando 55,7 para 53,8 pontos, e ficou praticamente estável (-0,3%) em relação a outubro de 2015.

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, a leve queda do ICC em outubro é proveniente dos resultados apurados pelo IEC, que após ter atingido o maior patamar em três anos em setembro, pode ter sofrido um ajuste pontual nas expectativas em outubro.

O destaque positivo, segundo a Entidade, foi a terceira alta consecutiva na avaliação dos consumidores em relação ao momento atual e o fato de que pela primeira vez, desde janeiro de 2013, o ICEA superou a pontuação registrada no mesmo mês do ano anterior. Na avaliação da Federação, a retomada da confiança vem ocorrendo de forma gradual a partir da capacidade de reação mais consistente da atividade econômica.

Metodologia

O ICC é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde 1994. Os dados são coletados de 2,2 mil consumidores no município de São Paulo. O objetivo é identificar o sentimento dos consumidores levando em conta suas condições econômicas atuais e suas expectativas quanto à situação econômica futura.

Os resultados são segmentados por nível de renda, gênero e idade. O ICC varia de zero (pessimismo total) a 200 (otimismo total). Sua composição, além do índice geral, apresenta-se em: Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) e Índice das Expectativas do Consumidor (IEC). Os dados da pesquisa servem como um balizador para decisões de investimento e para formação de estoques por parte dos varejistas, bem como para outros tipos de investimento das empresas.

A metodologia do ICC foi desenvolvida com base no Consumer Confidence Index, índice norte-americano que surgiu em 1950 na Universidade de Michigan. No início da década de 1990, a equipe econômica da FecomercioSP adaptou a metodologia da pesquisa norte-americana à realidade brasileira. Atualmente, o índice da Federação é usado como referência nas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), responsável pela definição da taxa de juros no País, a exemplo do que ocorre com o aproveitamento do CCI pelo Banco Central dos Estados Unidos.

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 157 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista - e quase 10% do PIB brasileiro - gerando em torno de 10 milhões de empregos.

APAS sinaliza crescimento nas vendas de Natal

Associação acredita em crescimento de 1% nas vendas em relação a 2015


As vendas dos supermercados paulistas para este Natal devem ter um crescimento real de 1% em relação ao ano passado. Em comparação com anos anteriores o desempenho ficará abaixo. Mas, diante da atual conjuntura econômica, com expectativa de queda no PIB de 3,5%, o resultado de aumento de 1% vem em boa hora.

Segundo Rodrigo Mariano, gerente de Economia e Pesquisa da APAS, o setor acredita no aumento das vendas, principalmente, porque as pessoas não devem investir em bens duráveis neste final de ano. “A instabilidade econômica e a falta de otimismo, diante do aumento do desemprego, fará com que as pessoas deixem de investir na troca do carro ou mesmo naquela sonhada viagem, o que nos indica que farão uma ceia mais generosa este ano”, diz.

Cesta de Natal deve ficar 12% mais cara

Segundo Rodrigo, as perspectivas são de queda nos preços para diversas categorias. “Há fatores internos e externos que podem afetar os preços de outras categorias, mas até o fim de 2016 deve haver uma desaceleração no indicador geral de preços, o que tende a contribuir para que o IPS (Índice de Preços nos Supermercados) em 2016 fique em torno de 12%”, comenta.

Os itens mais comprados para as festas de final de ano deverão ficar 12% mais caros. O preço dos panificados, de modo geral, teve variação de 6,40% no acumulado de janeiro a setembro de 2016, e de 12,29% em 12 meses.

Apesar disso, há uma projeção de aumento nas vendas de panetone para este ano de 10% em relação a 2015. Para a APAS, a diversificação de sabores, bem como as ações no ponto de venda, são os fatores que impactarão positivamente. “O panetone tem vendas expressivas nesta época do ano e neste Natal não será diferente”.


  • Peru: O preço do peru teve queda de 11,89% em 12 meses de acordo com os dados de setembro, indicando preços mais moderados para este ano, mas que deve se reverter nos meses de novembro e dezembro diante da sazonalidade de fim de ano. O reajuste deve chegar a 10% em relação a 2015.
  • Chester: Durante 2015 os preços se mantiveram estáveis e, para este ano, a expectativa é de alta entre 7% e 10%.
  • Castanhas e nozes: A alta dos preços será em torno de 7%.
  • Frutas secas: A estimativa é de aumento de 7%.
  • Espumantes: Em 2016, os espumantes registram alta de 13,90% de janeiro a setembro. A expectativa para o fim de ano é de alta nos preços de 12%.
  • Azeite e outros condimentos: O preço do azeite caiu 29,54% de janeiro a setembro. Nos meses de novembro e dezembro deve ocorrer alta, o que refletirá uma elevação de, aproximadamente, 20% em 12 meses em dezembro.


Supermercados contratam para vagas temporárias

Comuns nesta etapa do ano, a oferta de vagas temporárias no comércio em geral acontecerá, porém em menor número do que os anos anteriores. O setor supermercadista espera contratar 5.000 novos profissionais para o reforço de operações e vendas no período que antecede as festas.

Sobre a APAS – A Associação Paulista de Supermercados representa o setor supermercadista no Estado de São Paulo e busca integrar toda a cadeia de abastecimento. A entidade tem 1.328 associados, que somam mais de 2.830 lojas.

Entrevista: Fred Alecrim - A Cura Empresarial



Olá amigos do varejo!

Uma entrevista com Fred Alecrim, um dos mais reconhecidos consultores e palestrantes em gestão e pessoas, que está lançando seu terceiro livro: "A Cura Empresarial" para editora Jovens Escribas.

Ávido leitor de literatura específica e pesquisador incansável de novas tendências, Fred costuma filtrar todo o conhecimento que adquire e criar seus próprios conceitos, visando facilitar a vida das pessoas, ajudando-as a empreender mais e melhor.

Uma entrevista imperdível!

Para saber mais sobre Fred Alecrim
facebook.com/fredalecrim
twitter.com/fredalecrim
instagram.com/fredalecrim

LINK PARA COMPRA DO LIVRO "A CURA EMPRESARIAL"
http://www.jovensescribas.com.br/fredalecrim


sábado, 29 de outubro de 2016

Por que minha equipe não vende itens adicionais?


Mesmo neste momento de desafio para o varejo, muitas empresas conseguem manter e até aumentar seu faturamento. E isso mesmo com uma diminuição no fluxo de clientes. Estas empresas focam em vender itens adicionais.

Líder, gestor... com foco na venda de itens adicionais a sua empresa pode vender mais!


VEJA 3 MOTIVOS QUE PODEM ESTAR IMPEDINDO SUA EMPRESA DE VENDER ITENS ADICIONAIS:


1.    Sua equipe está INSEGURA para vender adicionais. Isso pode estar acontecendo porque os vendedores possuem pouco conhecimento de produto, falta de habilidade (não sabem como vender) ou mesmo não se sentem a vontade com isso (muitos vendedores ainda acham que vender adicionais é “empurrar”).

2.    Sua equipe simplesmente NÃO OFERECE itens adicionais. Muitos vendedores quando vendem o produto que o cliente pediu já “correm” para o caixa. Se o vendedor ficar atento durante o atendimento pode perceber qual produto é mais adequado oferecer ao cliente depois da venda do item principal.

3.    Falta de ESTRATÉGIA para vender itens adicionais. O vendedor até tenta vender adicionais, mas faz isso sem nenhuma habilidade. Já presenciei muitos vendedores simplesmente dizendo “não precisa de mais nada?”.


Treine sua equipe para aproveitar cada cliente e não se limite apenas a venda do item principal. Respeite quando ele disser para parar, mas antes disso mostre outros produtos que possam interessar ao cliente, isso é excelência no atendimento.

Boas vendas!
  
Edson Moura


Edson Moura Tem mais de uma década de experiência no varejo nacional e carreira desenvolvida em grandes empresas do país. Foi vendedor, gerente e supervisor de loja. Hoje atua como palestrante ajudando as empresas a terem mais vendas e lucros. Isso com uma equipe comprometida, motivada e acima de tudo, feliz. Também possui formação Practitioner em PNL e nível Master em Coaching. É Coordenador e coautor do livro LIBERTE SEU PODER e coautor do livro PRÁTICAS DE LIDERANÇA. www.edsonmoura.com

Lei traz nova proteção ao investimento anjo para startups

Sanção presidencial a Lei Complementar do Simples traz novo incentivo ao investimento anjo brasileiro pelo aumento da proteção ao investidor

O ecossistema de empreendedorismo de inovação brasileiro teve uma boa notícia nesta quinta-feira com a sanção presidencial da Lei Complementar que muda regras do regime especial de tributação do Simples Nacional e provê proteção para o Investidor anjo. A lei, em seus artigos 61-A, 61-B, 61-C e 61-D define estrutura de investimento anjo e de segurança jurídica para esta modalidade de aporte de capital. Pessoas físicas e jurídicas poderão fazer aportes de capital, mas não serão consideradas sócias, sem participação na gerência ou voto na administração da empresa. A vantagem é que esses investidores não responderão por qualquer dívida da empresa, inclusive em recuperação judicial. O capital terá que ficar investido na empresa por, no mínimo, dois anos, e no máximo, por sete anos.

Esta é uma resposta positiva a uma das maiores dificuldades encontradas por investidores anjo, que, por investir em empresas nascentes, correm um alto risco de perda do capital investido, mas não podem correr um risco adicional de serem penalizados por eventos de desconsideração de personalidade jurídica. Além disto, a lei possibilita a existência de incentivos fiscais a esta atividade, como ocorre em todo o mundo, já que o Investimento Anjo ajuda a criação e aumenta as chances de sucesso de empresas inovadoras, que são uma das melhores fontes de desenvolvimento para os países.

Spina: Lei promoverá crescimento de investimentos
Outro benefício da Lei para os empreendedores é o não desenquadramento das empresas que recebam este aporte do Simples Nacional, como ocorria anteriormente, nem configura o investimento como receita tributável.

Cassio Spina, fundador e presidente da Anjos do Brasil, afirma “Esta Lei resolve um dos principais entraves para o crescimento do investimento anjo em startups, provendo segurança jurídica para investidores e consequentemente possibilitando o aumento do volume de capital disponível para as startups” e destaca a importância da colaboração das entidades participantes do ecossistema para a aprovação da Lei. Este projeto conta com o apoio fundamental do Sebrae, em especial pelo seu presidente Guilherme Afif Domingos, e do MDIC (Ministério da Industria, Comércio Exterior e Serviços), além da Abvcap (Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital), da ABRAII (Associação Brasileira de Empresas Aceleradoras de Inovação e Investimento), da Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores), do Conaje (Confederação Nacional dos Jovens Empresários) e do Dínamo (Movimento de articulação para Políticas Públicas).

O projeto desta lei teve contribuição fundamental do deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ), membro da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa e autor da emenda que que cria a figura do investidor anjo, que destaca “Isso vai permitir a ampliação da oferta de capital para empreendedores ligados a startups brasileiras. Com essa sanção, vamos dar um passo importante para que as startups tenham acesso a recursos, a financiamento e possam se dedicar a experimentos e inovações que gerem novos produtos. Fortalece o novo mercado, garantindo segurança jurídica para essas parcerias”.

Sobre a Anjos do Brasil

A Anjos do Brasil é uma organização sem fins lucrativos que busca fomentar a cultura do investimento anjo em todo o Brasil. Compartilhando experiência e conhecimentos com investidores e empreendedores, a organização cria uma rede de relacionamento com alto potencial de impacto em aporte financeiro e intelectual.

Pague Menos entre as 50 Melhores Empresas para Trabalhar no Ceará

Primeira rede varejista presente em todos os estados brasileiros conquista prêmio concedido por instituto internacional

Funcionários recebem a premiação no Centro de Eventos do Ceará
As Farmácias Pague Menos acabam de ser reconhecidas como uma das 50 melhores Empresas para Trabalhar no Ceará. O prêmio foi anunciado nesta sexta-feira, dia 28, em almoço no Centro de Eventos do Ceará, pelo instituto Great Place to Work® Brasil, em parceria com o jornal O Povo. O instituto é pioneiro em conduzir essa pesquisa que avalia as práticas de Recursos Humanos e o padrão de excelência das empresas em 53 países, nos seis continentes.

Esta é a sétima vez que o Great Place to Work® prestigia as Farmácias Pague Menos em seus seletos rankings. Nos últimos dois anos a rede foi uma das vencedoras em três categorias: GPTW Ceará, saúde e varejo nacional.

Para gerente da área de Desenvolvimento Humano (DH), Magna Alves, esta premiação só reforça a filosofia da companhia, que é de cuidar de pessoas e priorizar a capacitação dos colaboradores ao construir uma política de constante valorização dos talentos internos.

Primeira varejista presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, com mais de 920 lojas, a Pague Menos conta com um plano audacioso de crescimento. E, para manter o ritmo e um bom desempenho nos serviços prestados, a qualificação dos profissionais é primordial. Para isto, a rede investe, anualmente, cerca de 500 mil horas em treinamentos.

“O bom resultado pode ser medido pelo índice de satisfação e pela alta retenção dos colaboradores. Muitos profissionais estão na empresa desde a sua fundação, em 1981, e 15% do total permanecem na rede há mais de dez anos”, finaliza Magna.

Sobre as Farmácias Pague Menos

As Farmácias Pague Menos são a primeira rede varejista presente nos 26 estados da Federação e no Distrito Federal. Mantêm um crescimento médio anual (CAGR) de 18% nos últimos dez anos, um dos maiores índices de crescimento contínuos do Brasil. Contam hoje com mais de 920 lojas, mais de 400 unidades do Clinic Farma e 21 mil colaboradores que atuam em cerca de 320 municípios.

Crescer sem Medo vira lei

Donos de micro e pequenas empresas poderão renegociar débitos tributários em 120 parcelas


O presidente da República, Michel Temer, sancionou nesta quinta-feira (27), no Palácio do Planalto, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 25/2007 – Crescer sem Medo. Um dos principais pontos é a ampliação do prazo de parcelamento de dívidas tributárias de micro e pequenas empresas de 60 para 120 meses. As novas regras para quitação dos débitos entram em vigor logo após a regulamentação, que será feita em até 90 dias pelo Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN), vinculado à Receita Federal.

Cerca de 600 mil micro e pequenas empresas devem R$ 21,3 bilhões para a Receita Federal. De acordo com o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a ampliação do prazo é essencial para que esses negócios consigam permanecer no Simples Nacional. “É um fôlego a mais para que os pequenos negócios continuem com as portas abertas e gerando empregos. Nós lutamos e conseguimos um prazo excepcional, ou seja, de exceção. Nós podemos refinanciar essas dívidas em até 120 meses”, comemorou.

O presidente do Sebrae também lançou o Mutirão de Renegociação, que vai incentivar os empreendedores a regularizarem dívidas tributária, bancária, locatícia e com fornecedores. “Estamos todos irmanados para abrir a temporada de renegociação”. O presidente da República, Michel Temer, destacou que o Crescer sem Medo é fruto de uma negociação intensa entre os poderes Executivo, e Legislativo e sociedade. “Dialogamos com a classe empresarial e com os trabalhadores. O emprego é o primeiro dos direitos sociais. Esse ato é um gerador de empregos”, declarou.

Além do aumento do prazo de parcelamento dos débitos tributários, o Crescer sem Medo eleva, a partir de 2018, o teto anual de faturamento do Microempreendedor Individual (MEI) de R$ 60 mil para R$ 81 mil e cria uma faixa de transição de até R$ 4,8 milhões de faturamento anual para as empresas que ultrapassarem o teto de R$ 3,6 milhões. A redução de seis para cinco tabelas e de 20 para seis faixas, com a progressão de alíquota já praticada no Imposto de Renda de Pessoa Física, é outra alteração prevista para 2018. Assim, quando uma empresa exceder o limite de faturamento da sua faixa, a nova alíquota será aplicada somente no montante ultrapassado.

A proposta também regulamenta a figura dos investidores-anjo, aquelas pessoas que financiam com recursos próprios empreendimentos ainda em seu estágio inicial, como as startups, e permite que os pequenos negócios do segmento de bebidas (cervejas, vinhos e cachaças) possam optar pelo Simples Nacional. Outro ponto de destaque é que os donos de salão de beleza poderão dividir os custos tributários com os profissionais que trabalham em parceria, além do estimulo à exportação com a simplificação dos procedimentos de logística internacional.

Leroy Merlin promove a Festa da Bricolagem em todas as lojas e incentiva o “Faça Você Mesmo”

A Leroy Merlin oferece as melhores ofertas do ano em sua maior operação comercial, além de cursos gratuitos para quem deseja realizar o sonho de construir e reformar a sua casa

Se você já pintou uma parede ou trocou um chuveiro, você já praticou a bricolagem. O custo elevado da mão de obra levou um número crescente de pessoas a querer realizar, por elas mesmas, pequenos reparos e instalações em suas casas. Para ajudar seus Clientes a Leroy Merlin, fará do dia 28 de outubro a 15 de novembro a Festa da Bricolagem.


A Festa da Bricolagem acontece anualmente e é o maior evento promovido pela rede francesa. São mais de 160 produtos em ofertas especiais e oportunidades incríveis para deixar a casa mais bonita e tirar os projetos do papel: paredes pintadas, cômodos renovados e organizados para receber a família e os amigos. E mais, nas lojas os Consumidores encontram agendas de cursos gratuitos com orientações didáticas e linguagem simples, além de oficinas com atividades para todos que desejarem colocar a mão na massa.

A bricolagem veio do francês, “bricolage”, termo usado para definir a prática de trabalhos sem ajuda de um profissional. Porém, muitas vezes, falta o conhecimento técnico para realizar as tarefas que surgem. A Leroy Merlin ajuda os Clientes a aprenderem de forma simples e fácil, práticas que vão desde como instalar suporte de tv, prateleiras, objetos na parece, molduras, até aplicar pastilhas de vidro, e muito mais. É uma oportunidade imperdível de realizar os projetos de reforma em ambientes como banheiro, cozinha, área de serviço, closet, quarto e varanda. As informações e inscrições para os cursos gratuitos podem ser realizadas através do site da rede Leroy Merlin www.leroymerlin.com.br.

“Na Festa da Bricolagem 2016 o Cliente pode contar com muitas vantagens, com muita variedade e principalmente com muito preço baixo. Com o Compre Mais Pague Menos quanto mais o Cliente comprar, mais descontos ele terá. As lojas estarão em festa e os Clientes além de comprar com o menor preço, irão se divertir”, explica Benjamim Amoruso, Diretor da Leroy Merlin Contagem. Além disso, a Leroy Merlin possui a Loja Virtual e o Televendas e fazem entregas em todos o país, até mesmo onde a Leroy Merlin não está instalada.

As vantagens não param por aí, todos os Clientes da Leroy Merlin poderão pagar os produtos com o Celebre!, cartão exclusivo da rede, que dá vantagens para a realização de todos os projetos, com o parcelamento em até 12 vezes nas compras. Corra agora para a loja mais próxima e aproveite a Festa da Bricolagem Leroy Merlin.

*Condições válidas para produtos anunciados em tabloides e similares, bem como para aquisições feitas no prazo de até 10 dias. Consulte nossas Lojas ou no site www.leroymerlin.com.br para verificar as demais condições.

Sobre a Leroy Merlin

A Leroy Merlin chegou ao Brasil em 1998 trazendo um novo conceito para o mercado de Material de Construção. Com foco na qualidade de produtos, atendimento e serviços, a empresa oferece em suas lojas ambientes espaçosos e agradáveis para receber melhor seus Clientes.

Considerada multiespecialista do lar, por ser especializada em Construção, Acabamento, Bricolagem, Decoração e Jardinagem, a Leroy Merlin apresenta aos seus Clientes a maior variedade de produtos em 80 mil itens divididos em 15 setores: Materiais de Construção, Madeiras, Elétrica, Ferramentas, Tapetes, Cerâmica, Sanitários, Encanamentos, Jardinagem, Ferragens, Organização, Pintura, Decoração, Iluminação e Cozinhas. As lojas oferecem serviços diferenciados, como Fábrica de Cores, Troca de Mercadorias, Espaço Projeto, Corte de Madeira e Vidro, Cursos de Bricolagem, Entrega em domicílio, Estacionamento, Café, Fraldário, Molduraria, Mesa de Bricolagem, Coleta Seletiva, Drive-Thru, entre outros.

Hoje, a rede francesa possui 39 lojas distribuídas em onze estados brasileiros, mais o Distrito Federal e uma Loja Virtual que atende todos os estados do país.. Entre as unidades, a Leroy Merlin Niterói (RJ) foi a primeira loja de Varejo Certificada do Brasil por meio do processo de construção sustentável e Uso e Operação sendo assim a primeira loja 100% AQUA – Alta Qualidade Ambiental, construída e mantida sob os mais rigorosos padrões de economia de recursos naturais. Hoje, a rede possui treze lojas 100% AQUA, Jacarepaguá (RJ), Taguatinga (DF), Campinas Anhanguera (SP), Sorocaba (SP), Serviços Internos (SP), São Bernardo do Campo (SP), Jaguaré (SP), São Leopoldo (RS), Londrina (PR), Curitiba Atuba (PR), São José (SC), Fortaleza (CE) e Maceió (AL), somando um total de 34 certificados, destacando a Leroy Merlin como a empresa com maior número de certificação AQUA/HQE no mundo na categoria varejo.

A Leroy Merlin é líder, pelo sétimo ano consecutivo, no setor de Varejo da Construção Civil, conforme o Ranking Nacional das Lojas de Material de Construção realizado, anualmente, pela equipe de Redação da Grau 10 Editora, que edita a Revista Anamaco. A empresa foi eleita entre as três mais sustentáveis pelo "Prêmio Os Mais Importantes do Varejo", realizado pela Revista Novarejo nos anos de 2012, 2013 e 2014, e sua sede está entre os 10 prédios mais sustentáveis pelo site Exame. Ainda em 2013, 2014, 2015 e 2016, a Leroy Merlin foi premiada entre as 50 melhores empresas para se trabalhar no país, de acordo com a pesquisa anual divulgada pelo Great Place to Work® Brasil em parceria com a Revista Época e 1º lugar do segmento Varejo de Material de Construção, no Ranking da pesquisa “As empresas mais admiradas no Brasil” nos anos de 2010, 2011, 2012, 2013 e 2015, realizado pela Revista Carta Capital.

5 tendências para o e-commerce em 2017

VP de Marketing e Vendas da JET e-business, Guilherme Lunardi lista as principais tendências para o mundo do comércio eletrônico no próximo ano

Se, em negócios, olhar para trás é uma forma de aprender e tirar lições para aplicá-las ao presente, inclinar-se para o futuro é uma maneira de se antecipar às mudanças no mercado e, assim, lançar-se à frente da concorrência.

Seguindo essa recomendação, os profissionais de e-commerce devem ficar de olhos bem abertos para as novas tecnologias que, ao longo de 2016, foram testadas e aprovadas pelos principais canais de venda online e se tornaram referência no mercado digital, bem como as estratégias que se consolidaram na abordagem do público consumidor do varejo moderno.

Que o mercado segue aquecido mesmo diante da crise, disso ninguém mais dúvida. A Ebit, empresa especializada em reunir informações do e-commerce, publicou recentemente dados do mercado referentes ao fechamento do primeiro semestre. De acordo com o 34º WebShoppers, o principal relatório sobre o setor no País, as vendas pela internet atingiram um faturamento de R$ 19,6 bilhões no primeiro semestre de 2016. O valor representa um crescimento nominal (descontada a inflação) de 5,2% em comparação ao mesmo período no ano passado.

Para não perder a oportunidade de surfar nessa onda, os empresários devem se preparar, desde já, para investir nas melhores práticas e ferramentas de que o mercado dispõe, além de apostar naquilo que, nos próximos anos, irá definir quem segue em frente e quem está condenado a perecer por obsolescência.

Para ajudar o varejista a se adiantar à concorrência e ganhar relevância junto ao consumidor, Guilherme Lunardi, VP de Marketing e Vendas da JET e-business, empresa pioneira de tecnologia que oferece soluções para negócios em comércio eletrônico, listou abaixo algumas das possíveis tendências do e-commerce para 2017:

1. Relacionamento é a alma do negócio: Com a maior competitividade no e-commerce, as empresas devem disputar o laço afetivo do consumidor: o foco é na experiência de compra. Mais do que o produto e o serviço adquirido, a tendência é que o consumidor valorize o processo da compra em si, e o relacionamento da marca com o cliente é crucial nesse momento. Para o cliente valorizar, ele preciso se sentir valorizado. Daí os empresários do ramo precisam entender que não se trata mais de vender algo para uma pessoa, mas de valorizar a relação estabelecida com ela. Além disso, com as compras mais personalizadas e feitas na palma da mão, o consumidor deve ficar cada vez mais no comando - e esse detalhe é fundamental no momento de abordagem.

2. Omnichannel ampliado. O consumidor moderno é um consumidor multiplataforma. A mesma pessoa que adquire um produto no Shopping Center pode comprá-lo pela internet. O que muda não é o cliente, mas a opção de compra. Portanto, o varejo deve estar presente em todas esses canais de venda – é o conceito omnichannel, que muito se fala, mas pouco se faz. Em 2017, o mercado deve contar com mais ferramentas que consolidam esse intercâmbio de canais. Um exemplo disso, é o recém-lançado aplicativo iPDV, da JET e-business, que, dentre outras funções, sincroniza os estoques da loja física e virtual e mantém o varejista em contato com o cliente pela internet. A integração de canais de venda, com uso de mais tecnologia embarcada, é um futuro inexorável: o consumidor é um só e transita livremente pelos meios físico e digital.

3. Mobile first - Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgados este ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o celular é hoje o principal meio de acesso à internet, sendo usado por 80,4% das casas dos brasileiros com acesso à rede. Estes, por sua vez, já representam quase 55% da população. Pesquisas independentes mostram que o smartphone já virou uma alternativa na hora de fazer compras e já representa mais de 15% dos pedidos online. Com a adaptação das lojas virtuais para o mobile é de se esperar, portanto, um crescimento na participaçao do mercado varejista online no chamado m-commerce.

4. Novos meios de pagamento – A tecnologia avançada trouxe conveniência até para o ato de compra. O mercado já oferece novos meios de pagamento com tecnologia embarcada que agilizam o processo e colaboram com a experiência de compra acima mencionada. Uma dessas novidades é a carteira virtual no e-commerce, que já foi abraçada por grandes redes de varejo. O dispositivo registra os dados dos cartões e é ativado por meio do mecanismo Touch ID, de leitura biométrica, que facilita o pagamento. Dois cases de sucesso no mercado são o Apple Pay e o Samsung Pay.

5. Personalização - Conteúdo (vídeos, textos, redes sociais e anúncios) e ofertas (recomendação de produtos e descontos) tendem a ser cada vez mais personalizados para o consumidor. O intercâmbio de dados junto às redes sociais permitirá ao varejo definir um perfil mais preciso da demanda, e, por consequência, trabalhar uma divulgação mais assertiva de conteúdo e ofertas, além de definir o próprio nicho de mercado atendido pela loja virtual. Na era da big data, o varejista tem a oportunidade de conhecer em detalhes o perfil de compra de seu cliente e entender suas preferências na hora de colocar o produto no carrinho. Como é sabido, o consumidor deixa rastros por onde quer que passe, facilitando o monitoramento de seus hábitos de consumo. Novas tecnologias vão ajudar a fazer uma "leitura" mais inteligente dessas informações. Com essa riqueza de dados à disposição, o vendedor tem condições de antecipar o comportamento de compra do consumidor e, assim, criar oportunidades de venda.

Sobre a JET e-business

A JET e-business oferece soluções completas de comércio eletrônico para médias e grandes empresas. Com tecnologia no modelo SaaS (software as a service), a empresa cuida de toda infraestrutura do e-commerce, envolvendo os serviços de planejamento, implantação, hospedagem, monitoramento, manutenção, suporte e evolução, além de realizar a gestão completa da operação (full commerce). No total, são mais de 100 colaboradores distribuídos entre a fábrica de software, logística, gestão e atendimento, capazes de compartilhar conhecimento e se comprometer com os resultados alcançados pelos clientes.

Sindilojas Porto Alegre se reúne com representantes de shoppings da Capital


O Sindilojas Porto Alegre, representante legal dos lojistas, reuniu na manhã desta quinta-feira (26) na sede da Entidade com os superintendentes dos shoppings centers da Capital. O objetivo foi consolidar e estabelecer uma ação efetiva com os empreendimentos, visando ações e providências necessárias para a análise das demandas dos lojistas. Considerando que o mercado como um todo, e em especial o varejo, convive com as dificuldades inerentes à desaceleração da economia que resultam na queda das vendas, o Sindilojas Porto Alegre identificou as principais demandas da relação dos lojistas dos shoppings centers e apresentou como um pleito as seguintes necessidades:

- Isenção do Aluguel Adicional (13º aluguel);
- Fixação de 15 % sobre as vendas como CUSTO DE OCUPAÇÃO das lojas.

Considerando que a relação contratual entre os lojistas e os shopping centers é desenvolvida em sintonia com as condições dos contratos de locações específicos e individuais, de cada empreendimento e de cada lojista, o desenvolvimento das avaliações decorrentes destas demandas serão avaliadas pelos empreendimentos, considerando caso a caso. De acordo com o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, é perfeitamente possível desenvolver uma situação de ganha-ganha, onde cada problema pode ser analisado e resolvido a partir destas negociações.

Por isso, ficou estabelecido uma relação pautada por uma agenda positiva, com um fórum permanente de relacionamento e negociação focado na potencialização dos resultados desejados, tanto pelos empreendimentos como pelos lojistas. ¨O Sindilojas Porto Alegre quer fortalecer e consolidar cada vez mais o varejo da Cidade para que todos os envolvidos consigam juntos superar as dificuldades impostas pela retração geral das vendas e consigam proporcionar o melhor atendimento aos seus clientes. O mercado deve se fortalecer, criando novas e consistentes alternativas para a retomada do crescimento¨, sinaliza Paulo Kruse.

Os superintendentes dos shopping centers entendem que é de fundamental importância esta iniciativa do Sindilojas Porto Alegre para a consolidação das ações desejadas, na relação de factibilidade funcional e comercial dos próprios empreendimentos. Por isso, estabeleceu-se uma proposição consensual para a análise de todas as situações decorrentes do relacionamento com os lojistas. ¨É muito importante estarmos juntos e alinhados com os objetivos comuns para o fortalecimento de todos¨, foi uma dedução da reunião.

Atenderam a convocação do Sindilojas Porto Alegre os seguintes empreendimentos: Shopping TOTAL, Lindóia Shopping, Iguatemi Porto Alegre, BarraShoppingSul, Shopping João Pessoa, Praia de Belas Shopping e Boulevard Assis Brasil.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Preparado para a Black Friday? Então veja esse vídeo! Super dicas para a Black Friday 2016!



Olá amigos do varejo!

Muito se fala sobre os impactos da Black Friday no varejo físico, um verdadeiro monstro que foi criado no varejo brasileiro, e que muitos hoje tentam evitá-lo. Como talvez seja o Black Friday em 2016? Caio Camargo, editor do Falando de Varejo traz uma análise sobre o que pode influenciar no resultado nas vendas da Black Friday nesse ano e também traz algumas orientações para quem deseja vender mais nessa data!

Confira!
Imperdível!




Um grande abraço e boas vendas!

Caio Camargo
Editor
Falando de Varejo

33e34 inaugura loja física exclusiva para mulheres de pés pequenos


Depois de receber um novo aporte da Bossa Nova Investimentos, alcançando uma capitalização de quase R$ 1 milhão, a 33e34, boutique on-line dirigida exclusivamente às clientes que calçam esta numeração, inaugurou em São Paulo sua loja 33e34 EXPERIENCE, um espaço exclusivamente dedicado para atender clientes que buscam um atendimento personalizado e querem experimentar vários sapatos antes de decidir quais comprar.

Com um total de 18 marcas e 250 diferentes modelos de grifes como Luiza Barcelos, Vizzano, Piccadilly, Usaflex, Divalesi, Vicenza, Guilhermina, Converse, Perky e Tabita, a nova loja conceito terá estoque e irá permitir que as clientes façam as compras online em tablets e já levem os sapatos ou, caso prefiram, poderão pedir para entregar em casa.

Segundo a empresária Tânia Gomes, fundadora da startup, a 33e34 EXPERIENCE nasceu de uma demanda das próprias clientes e a ideia é oferecer um espaço único onde elas possam passar a tarde, receber dicas de looks, conhecer mais profundamente as marcas e trocar experiências com outras mulheres.

“Somos o primeiro e-commerce de nicho que faz o caminho O2O, do Online para o Offline. Ao atender uma demanda muito específica de mulheres que sofriam para encontrar sapatos que conseguissem calçar com elegância e conforto, acabamos por fazer muitas amizades e recebemos muitas mensagens nos pedindo para ter uma loja onde essas clientes pudessem conhecer e experimentar os modelos com toda tranquilidade”, assinala Tânia.

Fonte: E-Commerce News

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Porque investir em franquias de alimentação nesse momento é o ideal?

Por terem experiência de mercado e ser um modelo de negócio mais seguro, o franchising se tornou uma opção para quem sonha com o próprio negócio. Com mais opções de ponto, redes de alimentação como a Rei do Mate conseguem crescer e se destacar em mercado competitivo

Em um período que só se fala em desemprego e crise, a ideia de ter o próprio negócio parece atrair cada vez mais adeptos. Para evitar riscos, muitos estão investindo no mercado de franquias por ser um modelo de negócio já testado e consequentemente evita que o futuro empreendedor corra riscos. De acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor de franquias cresceu 8,1% no 2º trimestre de 2016. Um dos setores que se mantém em destaque é o da alimentação, que representa 20% do mercado de franchising e 7% de todo o mercado de alimentação no país, alcançando uma receita de quase 28 bilhões em 2015, segundo a ABF.

“Por conta da instabilidade econômica, os brasileiros passaram a procurar locais que oferecem opções mais em conta”, afirma Antônio Nasraui, diretor de marketing e comercial do Rei do Mate. No mercado desde 1978 e com 336 unidades por todo o Brasil, a rede ainda consegue manter o faturamento mesmo com a ascensão dos food-trucks e a invasão de franquias estrangeiras. “Sempre buscamos renovar o nosso cardápio, mas a essência de se manter fiel a cultura brasileira permanece, além disso, os preços que oferecemos são muito mais em conta se comparados a outras marcas que trabalham nesse ramo”, explica Nasraui.

Apesar de ter mais de 30 anos de mercado, a primeira franquia surgiu apenas em 1992, um pouco depois de seu pai, Kalil Nasraui, aceitar que Antônio participasse da marca e estruturasse o negócio para franquias. Quando a primeira franquia foi inaugurada no Shopping Penha, em São Paulo, algumas mudanças foram feitas com o objetivo de expandir o conceito da casa de chás, então o cardápio passou a ter quase 20 opções de mate, além de café e salgados. “No início dos anos 90, o franchising ainda estava engatinhando no Brasil, mas após estudar sobre o assunto, vi que era uma grande oportunidade de crescer no mercado”, diz o diretor. Além de lojas e quiosques, a marca também trabalha com o modelo “store in store”, ou seja, duas marcas dividem o mesmo ponto de venda.

Cautela antes de investir

Antes de investir em uma franquia, é importante que o futuro empreendedor pesquise sobre a marca, investimentos e como está o desempenho do segmento em questão no país. Por ser um tipo de negócio já consolidado e com experiência de mercado, o franqueado não corre riscos que correria caso começasse o negócio do zero. “Nesse período de crise, investir no Franchising é uma ótima opção para evitar surpresas, inclusive muitos estão usando o dinheiro da rescisão para abrir o próprio negócio”, ressalta Nasraui.

Alguns segmentos de franquias costumam não sofrer retração diante de um período conturbado na economia do país, como é o caso da alimentação. Muitos não abrem mão de consumir um determinado produto que já estão acostumados ou que já é um hábito na rotina, e no caso da marca ter preços acessíveis, o risco de passar por dificuldades é ainda menor. “Ninguém abre mão de comer um pão de queijo ou tomar um café, então estabelecimentos que oferecem esse tipo de serviço conseguem sentir menos uma queda no faturamento se comparado a um restaurante”, afirma.

Eventos internacionais favorecem marcas nacionais

Como o Brasil tem sido palco para grandes eventos internacionais como a Copa do Mundo e as Olímpiadas, a Rei do Mate viu uma oportunidade de crescer com o turismo, e inaugurou sua primeira unidade em aeroporto esse ano. “Quando uma pessoa de outro país vem ao Brasil, ele não quer comer aquilo que ele já está habituado, então ele procura opções típicas do país que ele está visitando. Por conta desses grandes eventos, o Brasil recebeu muitos turistas, o que gerou um aumento significativo em redes que oferecem um cardápio mais abrasileirado”, finaliza.

Sobre o Rei do Mate

O Rei do Mate foi fundado em 1978, pelo empresário Kalil Nasraui, próximo a famosa esquina paulista das avenidas Ipiranga e São João. Esta primeira loja tinha cerca de 20 metros quadrados e conquistou os consumidores com sua receita de chá própria, consumida pura ou com leite, limão, caju e maracujá. Foi sucesso na década de 1980, tornando-se ponto tradicional do Centro paulistano.

Por mais de uma década o Rei do Mate manteve lojas próprias, sete no total, todas em São Paulo, que ajudaram a mudar o hábito de consumo de chá dos paulistanos. A entrada da segunda geração da família na empresa, em 1991, estruturou o negócio para que ele fosse multiplicado como franquia. Foram desenvolvidos novos produtos, novas combinações da bebida – que hoje chega a 100 – e café e pão de queijo foram incorporados ao cardápio.

Tip Top inaugura mais uma unidade no litoral paulista

A região terá acesso as novidades da marca que garantem o estilo e conforto das crianças

A Tip Top acaba de anunciar a abertura da primeira unidade na cidade de Praia Grande, município do litoral paulista que está entre as praias mais movimentadas do país, chegando a receber cerca de 1,4 milhão de turistas na alta temporada. A nova loja, com 30 metros² está localizada no Shopping Litoral Plaza, o maior centro de compras da região.

A unidade será comandada pela empreendedora Fernanda Kanno, que já possui mais duas operações da rede em Santos e na Capital de São Paulo. “Com a inauguração da nossa terceira Tip Top fica claro que amamos a marca e vale a pena investir na franquia. Nosso plano é crescer ainda mais”, diz.

Na loja é possível encontrar a linha completa de modelos e acessórios exclusivos que foram desenvolvidos pela marca, e que irão encantar os clientes com muito charme. Aproveitando o clima da região, vale conferir peças que mantenham o frescor e o conforto dos pequenos nesta temporada com sua coleção Primavera/Verão, com tendências que garantem o arraso das crianças nos momentos de diversão.

Destaque para a moda praia que possuiproteção UV 50+ em todas as peças de elastano. Desde o maiô, biquíni, sunga até roupão, chapéu e chinelo; assim as mamães podem preparar seus filhos para se divertir em dias ensolarados reforçando a proteção tradicional e sentindo-se tranquilas para relaxar e curtir.

Há 64 anos atuando no mercado nacional de vestuário infantil, a Tip Top, planeja para os próximos meses reforçar sua presença nos principais shoppings do País. Atualmente com 108 lojas abertas, a Tip Top apresentou um faturamento de R$ 116 milhões em 2015 e prevê um crescimento de 7% neste ano.

Para quem pretende investir no franchising, a marca disponibiliza dois modelos de negócios: o tradicional com investimento de R$ 420 mil, e a mega store de R$ 1,5 milhões. A projeção de retorno do investimento é de 36 a 40 meses.

Serviço:

Unidade Tip Top Praia Grande
Shopping Litoral Plaza

Endereço: Av. Ayrton Senna da Silva, 1511 - Intermares, Praia Grande - SP

Confira pelo site a loja mais próxima de você: www.tiptop.com.br

Sobre a Tip Top

Fundada em 1952, em São Paulo, a Tip Top, referência nacional em vestuário infantil, com foco em roupa para bebês, está no mercado há mais de 60 anos. Após conquistar a excelência na fabricação dos produtos, atingir grande escala de produção e amplo reconhecimento e liderança no mercado infantil, a Tip Top iniciou em 2005 o estudo para implantação de uma rede nacional de lojas franqueadas. A entrada no mercado de franquias ocorreu em 2008, com o objetivo de instalar uma rede de lojas tradicionais com 150 lojas pelo país. O projeto de Mega Store começou a ser desenhado em 2013, com a primeira unidade, com 600m² de área de venda e mais de 3 mil itens à disposição da clientela, inaugurada no bairro do Morumbi, na capital paulista. A rede encerrou o ano de 2015 com 106 lojas espalhadas por todo o país, sendo nove unidades no modelo Mega Store, e um faturamento de R$ 116 milhões.

TopShopping inaugura primeira fase da expansão em 22 de novembro

Iniciativa trará mais opções de lazer e alimentação para a região


A primeira fase da expansão do TopShopping será inaugurada no dia 22 de novembro de 2016. Os clientes serão presenteados com mais opções de alimentação, lazer e novas vagas de estacionamento coberto. Serão abertas seis modernas salas digitais de cinema Kinoplex (3D) em formato Multiplex. Os pisos L3 (lojas e alimentação) e L4 (cinema) serão abertos ao público.

A nova praça de alimentação terá novas redes de fast food e restaurantes; com ela, o shopping funcionará com duas praças de alimentação. Entre as novas opções estão Billy The Grill, Divino Fogão, Camarão & Cia, Griletto, Cia da Empada, Koni/Spoleto e Parmê.

Com a expansão total, prevista para 2017, serão 130 novas lojas, sendo quatro âncoras e mega lojas, entre as quais a Renner. O TopShopping ficará com 32 mil metros quadrados de ABL (área bruta locada) e oferecerá mais de 1.100 vagas de estacionamento no Centro de Nova Iguaçu. Cerca de três mil novos empregos diretos e indiretos foram criados durante a obra, além de 850 empregos temporários.

O empreendimento é administrado pela Marcellino Martins, sócia da BRMALLS, que é a maior empresa de shoppings da América Latina. Há 20 anos, o TopShopping acreditou no potencial de Nova Iguaçu e desde então movimenta a economia local e atrai, inclusive, clientes de municípios vizinhos, como Mesquita, Nilópolis, Belford Roxo, São João de Meriti e Duque de Caxias.

“Essa ampliação vai modernizar o TopShopping, que já é referência na Baixada. Nossos clientes são beneficiados por nossa localização central e com a expansão iremos atrair ainda mais clientes, que irão aproveitar um novo TopShopping. Afinal, aqui no Top, o movimento é de segunda a segunda”, diz Roberto Martins, diretor da Marcellino Martins.

O espaço atual também foi revitalizado para incorporar a nova identidade visual da fachada, pisos, forro, comunicação visual e hall de elevadores. As escadas rolantes foram substituídas por modelos mais largos e modernos. A praça de alimentação recebeu novo mobiliário (mesas, cadeiras e lixeiras) e foi parcialmente unificada, proporcionando um aumento no número de assentos. Novos guarda-corpos também foram instalados ao redor de toda a praça.

“O resultado das obras de revitalização já está sendo muito elogiado por todos os lojistas, público e fãs nas redes sociais”, diz Daisy Gama, superintendente do TopShopping.

A expansão também trouxe outras benfeitorias à cidade de Nova Iguaçu. Destacam-se as melhorias na sinalização e iluminação no entorno do TopShopping, o plantio de árvores nos bairros próximos, a reforma da Casa de Cultura e o novo sistema de drenagem nas vias do entorno, entre outros.

HISTÓRICO DO TOPSHOPPING

Inaugurado em 1996, o TopShopping é berço de importantes marcas que nasceram e fizeram história no empreendimento. Campeão em vendas, o shopping é um ícone na região. Recebe mais de 10 milhões de visitas ao ano, sendo que 58% dos frequentadores visitam o shopping toda semana.

Nova Iguaçu responde por praticamente todo consumo da Baixada Fluminense*. (Fonte IBGE)

Em 2015, o TopShopping ficou em 5º lugar como o shopping mais querido do Estado do Rio de Janeiro, sendo o 17º no ranking nacional. A inédita pesquisa foi realizada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), que elegeu o shopping mais querido do Brasil, através de votação on-line. Ao todo, 350 shoppings de todo o País, associados à Abrasce, participaram da votação.

O TopShopping também investe na área social. Há 14 anos, o projeto Dança Viva, em parceria com a bailarina Tereza Petsold, oferece aulas gratuitas de dança para meninas e meninos de escolas públicas da Baixada Fluminense, com faixa etária entre 8 e 18 anos de idade. As aulas acontecem uma vez por semana na Academia de Dança Tereza Petsold, em Nova Iguaçu. O TopShopping custeia tanto os uniformes dos alunos quanto os salários dos professores. Periodicamente, o shopping promove eventos e festivais de dança.

Além de investimento na área social, o TopShopping também promove campanha de sustentabilidade, através da coleta do óleo de fritura. O shopping possui um coletor localizado no G1, ao lado dos caixas eletrônicos, onde os clientes podem depositar o seu óleo usado acondicionado em garrafas pet de 2 litros. O óleo é coletado por uma empresa de reciclagem, onde é processado e transformado em sabão biodegradável. O material é doado a instituições de comunidades carentes de Nova Iguaçu.

O TopShopping está localizado na Av. Governador Roberto Silveira 540, Centro – Nova Iguaçu. Telefone: (21) 2667-1787.

Mercadão dos Óculos faz da estratégia de venda a ferramenta certa para driblar a crise

Abordagem intensiva e pós-venda garantem crescimento de 35% em tempos de consumo em queda


Quem circula pelas ruas sequer tem tempo de olhar o movimento ao seu lado, fixar os olhos nas vitrines ou, mesmo, ler o panfleto que lhe colocaram nas mãos, sem que pedisse. É justamente nesse público que o Mercadão dos Óculos, rede de franquias de óticas nascida há quatro anos, em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, está de olho. “O setor ótico sempre praticou a venda reativa, isto é, esperava o cliente entrar na loja para começar a trabalhar”, afirma Fábio Nadruz, diretor de operações da rede. “Nós praticamos a venda ativa, ou seja, trazemos o cliente para dentro da loja, a fim de que ele conheça nossos produtos, serviços e preços”.

Adepta do street marketing, a rede treina seus profissionais de forma a trabalharem o corpo a corpo na captação dos clientes. A estratégia, bem-recebida pelo consumidor das classes B e C, não só convida o consumidor a entrar na loja, mas, também, o contempla com um serviço, como limpeza de lentes ou ajuste de armação, por exemplo.

O mesmo tipo de aproximação é realizado no pós-venda, quando o lojista não espera o prazo de vencimento das lentes do cliente para abordá-lo. Pelo contrário, na semana que ele contratou os serviços da rede, é convidado a retornar para promover possíveis ajustes, caso necessário e, a cada seis meses, é chamado para substituir a armação. “Os resultados estão acima do esperado”, afirma Fábio, observando que a rede passou a adotar estratégias de abordagens mais agressivas no final de 2013, quando o consumo começou a dar sinais de queda. O crescimento em 2015 foi de 35% em relação a 2014. O tíquete médio cresceu cerca de 15%, ficando entre R$ 450 e R$ 500, enquanto o índice de conversão de vendas atingiu a média de 12% no mesmo período.

Para completar a receita, a rede Mercadão dos Óculos aposta, ainda, em dois outros pilares: Central de Compras e Treinamento e Capacitação. “A franqueadora consolida todos os pedidos da rede, principalmente de lentes, armações e insumos”, diz Fábio. “Com isso, conseguimos diminuir os custos entre 20% e 30% em toda a cadeia”. Com relação ao treinamento, a franquia criou, no início de 2015, a sua própria Universidade Corporativa, que permitiu uniformizar a capacitação da rede em todo o Brasil via e-learning.

O executivo observa, ainda, que 90% dos modelos tanto de receituário quanto solar comercializados pela rede são de marca própria, outro grande diferencial que vai na contramão das redes tradicionais. “Com isso, conseguimos oferecer produtos de qualidade a preços que cabem no bolso do consumidor”, declara. “Mercado para crescer não falta. Só na linha de receituário estima-se que 95 milhões de brasileiros precisarão de correção óptica”.

Com 107 unidades, distribuídas por todo o Brasil, a rede Mercadão dos Óculos estima chegar até o final do ano com um faturamento de R$ 40 milhões. O valor para os interessados em investir na loja da franquia é a partir de R$ 120 mil, com retorno de investimento em até 24 meses.

Mercadão dos Óculos

Em 2012 foi inaugurada a primeira loja do Mercadão do Óculos, em São José do Rio Preto, São Paulo, e em 2013, a empresa virou franquia, contando atualmente com 107 unidades espalhadas no Brasil. Entre as ofertas de óculos de grau e solares, a rede oferece armações das grifes Kipling, Pierre Cardin, Playboy, Forum, Isabela Fiorentino, Luciana Gimenez, Benetton, Jean Monier, Platini, MLUX, Clote, People, Turma da Mônica para o público infantil, entre outras, além de doze linhas de marca própria, e até 60% mais baratos que a média do mercado. www.mercadaodosoculos.com.br.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Ri Happy Baby inaugura sua primeira unidade em Salvador - BA

Unidade da rede Ri Happy especializada no segmento de bebês começa suas atividades no Salvador Shopping no dia 28/10 (sexta-feira) trazendo os principais lançamentos para o público entre zero a três anos de idade

Uma unidade própria da rede Ri Happy Baby, com 390 m², chega a Salvador para fornecer os melhores produtos em qualidade e segurança para bebês. As mamães e gestantes encontram confecção, enxoval, acessórios, higiene, carrinhos, berços, cadeirinhas para automóveis, diversos itens exclusivos e das melhores marcas do mercado.


A linha Britax, por exemplo, foi a cadeirinha que ganhou diversos certificados como mais segura do mundo e é um produto exclusivo da Ri Happy Baby no país. A rede também traz uma coleção exclusiva da Disney com estampas modernas e modelos confortáveis para todos os pequenos.

A inauguração da loja começa a partir das 18h com diversas atrações para celebrar as boas-vindas em Salvador. Desde 2013 no mercado, a Ri Happy Baby vem crescendo por todo país. Ao todo, já são 10 unidades próprias e 55 unidades no modelo store in store – loja dentro de loja – complementando a tradicional parte de brinquedos. O site da empresa é www.rihappybaby.com.br

Serviço
Inauguração Ri Happy Baby
Data: 28/10/2016
Horário: A partir das 18h
Endereço: Salvador Shopping - Av. Tancredo Neves, 3133 - Caminho das Árvores, Salvador

Sobre o grupo Ri Happy

A Ri Happy, maior rede varejista de brinquedos do país, presente no mercado desde 1988, tem como preocupação ser mais do que uma rede de comércio e sim uma prestadora de serviços na área de lazer e entretenimento infantil. Em 2012, The Carlyle Group, gestor global de investimentos alternativos, adquiriu a Ri Happy Brinquedos e a PBKIDS e desde 2014 detém 100% de participação. O grupo Ri Happy / PBKIDS, líder no mercado de brinquedos, possui mais de 200 unidades espalhadas pelo Brasil empregando mais de 4.000 funcionários . Em 2013, o grupo iniciou as atividades da marca Ri Happy Baby, unidade especializada da rede Ri Happy com produtos voltados para o público entre zero a três anos de idade, buscando ser a maior loja especializada em itens para bebês do Brasil . Os sites da empresa são: www.rihappy.com.br , www.pbkids.com.br e www.rihappybaby.com.br

Lojistas se reúnem para fomentar o ramo da moda em Porto Alegre

Por iniciativa do Sindilojas Porto Alegre, empresários do varejo de moda vão atuar em conjunto para fortalecer o cenário do setor na Capital. O novo comitê, denominado Câmera Setorial, é formado por proprietários de lojas e tem como objetivo promover ações efetivas para melhorar as vendas e a realidade dos segmentos: vestuário, calçados e acessórios.

Paulo Kruse: União
O presidente do Sindicato, Paulo Kruse, coordenou a reunião e lembrou a importância do empenho lojistas para o fomento do varejo. "Temos que buscar a união para o setor de confecção de Porto Alegre. Nesse momento não pode haver concorrência, todos precisamos trabalhar juntos. É possível fazer essa área crescer e ser referência entre as capitais do Brasil".

Nesse primeiro encontro, os participantes já estabeleceram alguns pontos iniciais que precisam ser trabalhados. Em novembro haverá uma segunda reunião para pensar e planejar recursos em relação à impostos, comércio informal e ações comunitárias. Com o apoio do Sindilojas Porto Alegre, o grupo deve realizar conferências quinzenais.
Sobre o Sindilojas Porto Alegre

Fundado em 1937, o Sindilojas Porto Alegre é o representante legal dos comerciantes de Porto Alegre e Alvorada e reúne aproximadamente 18 mil estabelecimentos nas duas cidades. Além de atuar na representação e defesa da categoria, desenvolve ações que promovem o fortalecimento das empresas. O Sindicato realiza pesquisas no setor, qualificação profissional e oferece uma série de serviços voltados aos lojistas.

4 passos para digitalizar um pequeno varejo

Por Eros Jantsch*

Muito se fala sobre como a tecnologia está evoluindo e ajudando os grandes varejistas, mas pouco ouvimos sobre o impacto dessa transformação nos pequenos estabelecimentos comerciais. Diante da expansão das redes varejistas de grande porte e as perspectivas de retomada econômica do país, o microempreendedor deve buscar seu espaço no mercado. No entanto, só conseguirá alcançá-lo se entender os benefícios de digitalizar o seu negócio e investir na tecnologia certa.

Na busca por fazer o negócio crescer rapidamente, mas sem os devidos controles, muitos se perdem pelo caminho. O pequeno varejista tem como costume controlar a empresa pela simples entrada e saída de dinheiro do caixa e isso é bastante perigoso. O ideal é acompanhar as vendas, os custos da empresa, as contas a pagar e a movimentação do capital por meio de uma ferramenta que auxilie a visualização do fluxo de caixa de forma precisa.

Outro ponto fundamental para o varejo - e cada vez mais determinante para a sobrevivência dos estabelecimentos - é a busca pela fidelização dos consumidores. Para isso, é importante ter o perfil de consumo de cada um dos clientes para, com base nele, oferecer um atendimento personalizado, prever comportamentos e demandas, oferecer promoções certeiras e aumentar as vendas. Não usar a tecnologia a favor desse movimento é como se atirar em um buraco sem fundo quando, na verdade, há aí uma oportunidade para dar um salto e sair na frente. E isso pode ser feito em apenas quatro passos simples. Coloque-os em prática e digitalize sua empresa de forma segura e eficaz.

1 – Converse com seu contador, com outros varejistas e busque referências

Todo estabelecimento de micro e pequeno porte tem um contador para apoiá-lo. É importante conversar com o seu para entender qual a melhor forma de gerenciar o seu negócio e saber quais obrigações fiscais sua empresa deve entregar para, então, identificar as tecnologias que atendam às suas necessidades. Além disso, é importante conversar com pessoas que tenham o mesmo tipo de comércio que você para compreender o dia a dia da operação e todas as questões que o software de gestão deve atender.

2 – Busque uma empresa de tecnologia para te ofertar a solução ideal

No Brasil, assim como em muitos outros países, as empresas precisam automatizar os seus processos para terem operações mais eficientes, bom controle do negócio e atender a diversas obrigações fiscais. Quando falamos de micro e pequenos empreendimentos, essa preocupação também existe. A falta de organização na gestão, de ter uma visão clara dos custos versus ganhos e de indicadores de performance pode determinar o sucesso ou fracasso de uma empresa. Isso sem mencionar as multas aplicadas à falta de pagamento de tributos, ou mesmo o cálculo errado, que podem acontecer facilmente em uma operação manual e acarretar em despesas bem pesadas nas contas de um pequeno negócio. Por isso, ao decidir investir em um sistema que o ajude nesta missão, busque um fornecedor que entenda o seu negócio, as legislações brasileiras e consiga atender a todas as suas demandas e necessidades.

3 – Fuja de problemas que possam ser evitados

Ao buscar um fornecedor de TI, certifique-se de que está contratando uma empresa que resolverá o seu problema ao invés de criar mais um. Por isso, procure uma organização que esteja presente no mercado há anos e ofereça uma solução que atenda a todas as suas necessidades e que caiba no seu bolso. Hoje, ao comprar uma solução completa – hardware e software – não é mais necessário fazer um alto investimento inicial. Por meio de pequenas parcelas mensais, os pequenos empresários conseguem contratar todos os equipamentos necessários para modernizar a gestão da sua empresa.

4 – Adquira soluções modernas e funcionais

Outro fator importante para os empreendedores que desejam digitalizar a sua operação é a mobilidade. Ela permite, entre tantos outros benefícios, atender melhor os clientes e transformar o dia a dia dos gestores ao permitir a visualização da operação – vendas, pagamentos e recebimentos futuros – a qualquer hora e lugar por meio de seu smartphone ou tablet. Portanto, mantenha-se atualizado, mas não compre uma solução apenas porque ela é moderna. Estude o produto, veja os relatórios oferecidos e avalie como a ferramenta irá ajudá-lo a ter uma operação mais lucrativa antes de adquiri-lo. Ainda mais em um cenário em que, independentemente do seu porte, já existem soluções completas e móveis com um custo compatível à sua realidade e desenvolvidas especialmente para cada especialidade do setor – de um food truck a uma loja de roupas ou bijuterias.

Ou seja, está muito mais fácil investir na digitalização do seu varejo e conquistar mais economia, eficiência e produtividade para oferecer um atendimento de qualidade aos seus clientes.​

Eros Jantsch é vice-presidente de Micro e Pequenos Negócios da TOTVS

Drogaria Venancio expande em Niterói

Tradicionalmente carioca, a Drogaria Venancio completou 37 anos com expansão a todo vapor. Até dezembro de 2015, a rede estava presente apenas no município do Rio de Janeiro. De lá para cá, a marca já inaugurou três pontos em Niterói e ainda tem uma quarta loja a ser inaugurada na cidade nos próximos meses.

Das três lojas niteroienses, uma está localizada em Icaraí e as outras duas no Centro. A mais recente foi inaugurada no fim de setembro na Rua da Conceição e tem quase 1.000m², sendo umas das maiores unidades da rede. A data não foi por acaso – já é tradição na Venancio fazer uma grande inauguração para completar as comemorações que são realizadas durante todo o mês de aniversário da marca.

O Presidente da Drogaria Venancio, Armando Ahmed, comemora mais esse passo e lembra que as unidades de Niterói chegam com os mesmos diferenciais que fazem da Venancio uma das marcas preferidas dos cariocas. "Somos sempre lembrados como uma empresa que oferece uma experiência de compra diferenciada no segmento de farmácias. Além disso, nosso mix chama atenção, pois vendemos muito mais do que medicamentos, oferecendo para nossos clientes grandes marcas nacionais e importadas de beleza e perfumaria", ressalta Ahmed.

No início do próximo ano, a Venancio vai inaugurar mais uma loja em Niterói, em Icaraí. Mas, ainda em 2016, há previsão de abertura de mais quatro lojas. Uma em Bonsucesso, que passa a entrar na lista de bairros onde a drogaria está. As outras três estarão na Zona Sul da cidade, nos bairros de Botafogo e Leblon, além de Copacabana, que vai abrigar a Mega Store da marca. Contando com uma unidade inaugurada em Madureira, a Venancio deve consagrar 2016 como o ano com maior número de inaugurações da história da rede.

Drogaria Venancio

A história da Drogaria Venancio começou em 1979, ano em que foi inaugurada a primeira loja da rede na Praça Saens Peña, na Tijuca. Hoje, a Venancio é uma das maiores redes de farmácia do país - conta com mais de 40 filiais distribuídas entre Rio de Janeiro e Niterói. Referência quando se fala da “nova farmácia”, a Venancio possui mix diferenciado com área específica destinada aos dermocosméticos e grandes marcas nacionais e importadas de beleza e perfumaria. A rede é a única do Rio de Janeiro a possuir lojas-conceito. São duas, uma na Barra da Tijuca e outra em Ipanema.

Inovação sempre fez parte do crescimento da Venancio, que foi pioneira no conceito de autoserviço em drogaria e conta com projetos sociais amplamente reconhecidos na cidade. É o caso do Saúde na Praça, que já rendeu, inclusive, a Medalha Pedro Ernesto para o Presidente da Venancio, Armando Ahmed, em 2016. O projeto oferece exercícios físicos gratuitos para mais de mil idosos, em seis praças da cidade – Afonso Pena e Saens Peña, na Tijuca, Parque das Rosas e Praça do Pomar, na Barra da Tijuca, Largo do Machado, no Catete, e Serzedelo Correa, em Copacabana. Outro destaque é a Blitz da Saúde, que disponibiliza serviços de saúde gratuitos, como aferição de pressão e medição de glicose periodicamente nas lojas da rede.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Gente que bota pra quebrar!

Clique no player acima para ouvir este episódio (ou se preferir, clique no ícone de download)

Este programa é apresentado por Leandro Branquinho Palestrante de Vendas
Data de veiculação 24-10-16
Emissoras parceiras:
-Rádio Educativa 105,9FM – Três Corações – MG
-ACETC – Portal da Associação Comercial e Empresarial Três Corações - MG
-ACAITP - Portal da Associação Comercial de Três Pontas – MG
-ACELEM – Portal da Associação Comercial de Luis Eduardo Magalhães - BA
-Rádio Cidade – Campos Gerais – MG
-Rádio 98 FM – Ribas do Rio Pardo – MS
-Rádio 95 FM – Currais Novos - RN
-Rádio 730 - Momento Sindilojas - Goiás – GO
-Falando de Varejo
Vejas mais áudios no blog do palestrante

Praia de Belas realiza campanha ‘Estacionou, Doou’ no dia 26 de outubro

Receita líquida arrecadada em um dia nos estacionamentos será integralmente doada para entidade de apoio social em Porto Alegre

A iniciativa de responsabilidade social ‘Estacionou, Doou’, ação anual da Iguatemi Empresa de Shopping Centers será desenvolvida no Praia de Belas na quarta-feira, dia 26 de outubro. Em sua 17ª edição, a campanha promove a doação de toda a receita líquida de um dia de arrecadação dos estacionamentos do shopping para uma entidade beneficente de Porto Alegre. A ação em prol de entidades assistenciais é desenvolvida pelo Praia de Belas desde 1999.

Neste ano, a ação do Praia de Belas vai atender crianças e adolescentes assistidos pelo Educandário Centro de Reabilitação São João Batista localizado no bairro Ipanema. A instituição atende gratuitamente portadores de deficiências múltiplas, proporcionando-lhes tratamento adequado e educação, objetivando uma melhor qualidade de vida e capacitação como cidadãos.

Além da renda obtida no estacionamento do subsolo do shopping, a instituição também será beneficiada com os valores gerados pelo fluxo de automóveis que ocupam as vagas do edifício-garagem, com acesso pela rua Marcílio Dias. Durante o dia 26, não haverá Service Time, período de 15 minutos de isenção de pagamento para quem utiliza os estacionamentos.

Praia de Belas

Fundado há 25 anos, o Praia de Belas apresenta um grande processo de reinvenção. Em três pisos, possui 235 lojas dos mais variados segmentos, seis restaurantes e seis salas do GNC Cinemas operadas com tecnologia de última geração. O shopping tem localização privilegiada, com fácil acesso, recebe uma média de 40 mil pessoas ao mês e oferece 2 mil e 500 vagas de estacionamento. O Praia de Belas Shopping é um empreendimento da Iguatemi Empresa de Shopping Centers.

4 dicas para o e-commerce – quando menos é mais

Por Hugo Costa*

A conectividade é, sem sombra de dúvidas, uma grande oportunidade de negócios para as empresas. Nos últimos anos acompanhamos o desenvolvimento e crescimento acelerado do e-commerce, modelo antes impensável na década de 90 quando o uso da internet ainda não era massificado. Mas essa realidade mudou e as lojas precisaram se reinventar para conseguir atender um novo tipo de consumidor – aquele que pesquisa online antes de entrar na loja física ou, então, entra no estabelecimento e lá mesmo faz suas buscas no smartphone.

Hugo Costa
A internet colocou o cliente no centro dos negócios e mexeu com todo o mercado. Se antes o desafio era como conectar todas as pessoas, hoje e nos próximos anos, precisamos descobrir o que fazer já que todos estamos conectados. E se estamos todos conectados como, então, conseguir personalizar a experiência de compra? Como dizem, quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas.

Pense há 30 anos, quando alguém ia comprar algo no mercado local. O vendedor provavelmente sabia o nome dessa pessoa, o que ela fazia, quem sabe até quem eram seus parentes mais próximos. Hoje, não é diferente. Queremos esse mesmo atendimento personalizado. Com a diferença – e grande diferença – de que o vendedor não lida apenas com aquele núcleo da sua região, com 50, 60 pessoas. Hoje são centenas, milhares de consumidores acessando seu website. E cada um deles quer ser tratado como único.

Onde as empresas e as marcas se encaixam nesse novo mundo? A resposta ainda não temos, mas o inegável é: precisamos simplificar todos os processos. E como começar a fazer isso?

Todos os canais o tempo todo

Você já deve ter ouvido que o novo consumidor é multicanal. O famoso omnichannel quer dizer que o cliente caminha entre os ambientes físicos e digitais normalmente, como comentamos há pouco. Você precisa oferecer a mesma experiência em todos os pontos de contato. Não adianta, por exemplo, ter um excelente atendimento na loja física se o seu e-commerce não é funcional.

É preciso estar preparado para atender o consumidor com o mesmo nível de qualidade o tempo todo. E, mais que isso, sua empresa tem que ter a mesma personalidade sempre. Não tente ser o e-commerce “engraçado” no Facebook se o seu site ou o seu atendimento em loja é todo quadrado. Seja sempre coerente e busque a excelência todo o momento.

Pense mobile, isso não tem volta

O consumidor não quer mais perder tempo, todo segundo é precioso. Nos tornamos “impacientes digitais” – se uma página não carrega em alguns segundos, saímos e não voltamos mais. Isso vale, especialmente, para o e-commerce. É preciso buscar a facilidade a todo momento.

Ter um site responsivo é fundamental. Se seu e-commerce não funciona perfeitamente no mobile, você pode perder consumidores preciosos. O cliente não quer ficar adequando a tela do smartphone ao seu site para conseguir ver as ofertas e, por mais que seus produtos sejam ótimos, isso faz com que ele vá embora. Procedimentos difíceis afastam o cliente e temos que levar essa ideia central também para o momento do pagamento.

O pagamento agora é estratégico

Antes, o pagamento era apenas mais uma etapa menor dentro do processo. Hoje, é parte fundamental. No e-commerce essa importância é ainda mais evidente. Se um consumidor escolher seu produto, o tamanho, a cor e, na hora de fechar a compra, tiver que preencher dezenas de dados cadastrais, talvez ele não finalize. E o pior pesadelo para o comércio eletrônico é um carrinho cheio com uma compra não concluída.

As empresas de comércio eletrônico precisam acelerar o momento do checkout. A taxa de conversão aumenta se não forem exigidos muitos dados. Mas vale lembrar que a agilidade não deve ser um impedimento para segurança da compra. No e-commerce essa questão também é essencial. É preciso garantir o sigilo das informações do seu cliente.

Programas de fidelidade realmente funcionam

Indo além, uma boa dica para conseguir conquistar o usuário é criar programas de fidelidade de fácil adesão. Mecanismos simples como acúmulo de pontos para futuras compras ou parcerias de descontos em outros sites podem atrair e reter o consumidor. O mais importante disso é, na verdade, o fato de que você poderá mapear todo o comportamento de compra do seu cliente.

Ao saber as preferências dele, você consegue ser muito mais assertivo em suas ações de marketing. Vai saber qual promoção é mais interessante para aquele consumidor. É a tal da personalização que falamos logo no início. Ela é fundamental para cativar sua audiência.

Simplicidade, segurança e flexibilidade são as palavras de ordem para quem já tem um e-commerce ou pretende abrir um. Com essas três características você já terá meio caminho andado.

(*) Hugo Costa é diretor geral da ACI no Brasil

Rede iPlace abre unidade no Shopping Nova América

Com essa loja, a Apple Premium Reseller/APR iPlace totaliza 102 unidades. A inauguração será no dia 27, quinta-feira.


A rede iPlace abre mais uma loja, no dia 27 de outubro, no Shopping Nova América [RJ]. A rede passa a ter 102 unidades em 20 estados, fortalecendo-se na posição de maior APR da América Latina.

A iPlace busca proporcionar aos seus clientes a melhor experiência Apple através de uma equipe de profissionais treinados que incentiva os consumidores a experimentarem os produtos e as soluções inovadoras, como as linhas de iPhone, iPad, MacBook e de iMac, entre outros. Além dos produtos de alta tecnologia da marca, há uma linha completa de acessórios, treinamento e workshops gratuitos para ajudar os consumidores a terem uma experiência completa.

Para marcar o dia da inauguração, o iPhone 6S 16GB terá um preço especial. De R$2.999,00 passa para R$2.399,00 à vista ou em 10 parcelas de R$266,90.

Grupo Herval

A iPlace pertence ao Grupo Herval. As primeiras unidades foram inauguradas em 2010, com uma média de 20 lojas abertas por ano (em 2014 foram mais de 50 lojas). Hoje, a maior rede da América Latina, é responsável por mais de 1300 empregos diretos.

O Grupo Herval, com 57 anos de mercado, atua nos segmentos da indústria, comércio e serviços, com 18 marcas e mais de seis mil empregos diretos em todo o País.

As marcas mais conhecidas são taQi, iPlace, HT Solutions, HS Consórcios, Mistertech, entre outras.