terça-feira, 30 de junho de 2009

Via Catarina está entre os shoppings do Brasil com foco no interior

Via Catarina está entre os shoppings do Brasil com foco no interior
Cidade do empreendimento, Palhoça (SC), é a melhor para se investir no País

Os grandes centros deixaram de ser o único destino para grandes empreendimentos no País. Um levantamento conduzido pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) e pela firma de consultoria Deloitte aponta que, dos 37 centros comerciais com inauguração prevista até ano que vem, 20 serão instalados em regiões do interior. Estas cidades com média de 200 mil habitantes tem sido alvo, pois têm mais espaço para as grandes construções, menor custo por terrenos e a baixa migração de pessoas.

Foi nesta perspectiva que o shopping Via Catarina que está em fase de construção escolheu a cidade de Palhoça (SC) a 15 km de Florianópolis, para oferecer opções de lazer, oportunidades de emprego e investimentos. Segundo o superintendente, Sergio Monlevad, “a população de Palhoça e entorno terá um centro de compras e lazer compatível com as expectativas de consumo de uma região em grande desenvolvimento no Estado de Santa Catarina”. Segundo a última estimativa realizada em 1º de julho de 2008 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Palhoça tem 128.360 habitantes. Contando com a região metropolitana, a influência do futuro empreendimento aumenta seus impactos positivos.

Especialistas da Alshop ponderam que ao avançar para cidades menores, as empresas fazem investimentos menos volumosos, porém, com maior assertividade, pois fogem da canibalização do setor. Na capital florianopolitana, por exemplo, a existência de três shoppings já supre a demanda da cidade, com a característica do turismo sazonal. E em São José, outros dois shoppings, um deles em fase de construção, também estão preenchendo as opções de moradores. “Estamos inovando em construir em Palhoça e até ano que vem, a população irá poder se baneficiar com este projeto”, destaca Monlevad.

A escolha de Palhoça

A notícia recente de que Palhoça foi considerada em 2008 a melhor cidade para destinar investimentos é outro fator que põe o shopping Via Catarina no rol do comércio e lazer. De acordo a pesquisa realizada pela consultoria paulista Florenzano Marketing desde 1999, a cidade catarinense é a mais dinâmica do país para atrair novos empreendimentos. Atualmente, o município tem mais de 2 mil empresas ativas.

O estudo levantou informações detalhadas de 300 municípios brasileiros, com o objetivo de apontar quais as localidades em que há condições para se investir e receber o retorno esperado - ou acima das expectativas. Outras três cidades catarinenses foram catalogadas entre as que estão acima da média em dinamismo: Balneário Camboriú, Joinville e São José.

Com essas indicações, o primeiro shopping da Palhoça, já tem fechado entre outras parcerias, com a rede Giassi Hipermercado. A cada dia novos contratos vão sendo fechados. O potencial econômico tem atraído investidores.

Sobre o Via Catarina

O Via Catarina é um empreendimento do Grupo Sibara, de Balneário Camboriú, que há 40 anos desenvolve atividades nas áreas de incorporações imobiliárias, construção civil, loteamentos, setor portuário e indústria moveleira também na Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Norte do Estado. O shopping está sendo construído em terreno de 13.830 m2, com térreo mais dois pavimentos e estacionamento para 470 vagas na área comercial da Palhoça, no loteamento Pagani. Além do comércio, terá hotel de 11 pavimentos com heliporto - serão 198 quartos e salas para conferências.

Vendas dos supermercados crescem 4,01%

Vendas dos supermercados crescem 4,01%
Alta ocorreu em maio, em comparação com o mesmo mês do ano passado

As vendas reais do setor supermercadista em maio de 2009 subiram 4,01%, em relação ao mesmo mês de 2008, de acordo com o Índice Nacional de Vendas, divulgado mensalmente pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em comparação a abril de 2009, houve queda de 4,12%. No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, em comparação ao mesmo período do ano passado, a alta chega a 5,36%. Esses índices já foram deflacionados pelo IPCA do IBGE.

Em valores nominais, o Índice de Vendas da Abras apresentou crescimento de 9,42% em relação ao mesmo mês do ano anterior e queda de 3,67% sobre o mês anterior. Já o acumulado do período ficou em 11,27%.

“A queda nas vendas de maio, em comparação a abril, já era esperada, por conta do efeito do calendário. Afinal, a Páscoa desse ano – a segunda melhor data para os supermercadistas – caiu em abril. Já em comparação ao mesmo período de 2008, é possível observar que ainda mantemos um bom nível de crescimento de vendas. O acumulado de janeiro a maio desse ano continua acima de 5%, o que sinaliza que os consumidores brasileiros não diminuíram suas compras nos supermercados”, explica o presidente da Abras, Sussumu Honda.
AbrasMercado

Em maio, o AbrasMercado, cesta de 35 produtos de largo consumo, analisada pela GfK, apresentou alta de 2,24%, em relação ao mês anterior. Já na comparação com maio de 2008, o AbrasMercado apresentou alta de 7,26%, passando de R$ 246,67 para R$ 264,59.
Os produtos com as maiores altas foram: batata, com 21,04%; leite longa vida, com 14,31%; e queijo mussarela, com 9,04%. Já os produtos com as maiores quedas foram: feijão, com -6,12%; pernil, com -3,57%; e farinha de trigo, com -3,28%.

“Nos últimos três meses, o AbrasMercado vinha crescendo menos do que o IPCA, em um processo natural de redução dos preços após a alta registrada no preço dos alimentos no início de 2008. Em maio, o AbrasMercado mostrou um aumento de 2,24%, bem acima do IPCA, que ficou em 0,47%. É importante ficar de olho. Nossas últimas pesquisas mostraram claramente que caem as vendas de produtos cujos preços sobem demais”, alerta Sussumu Honda.

Bohemia desenvolve ações de harmonização com consumidores

Público terá oportunidade de apreciar variantes da marca e conhecer mais sobre harmonização. Ações acontecem em São Paulo, Brasília, Curitiba e Porto Alegre

A Bohemia, cerveja referência e líder no segmento Premium, está promovendo uma série de ações com consumidores. O objetivo é difundir o conhecimento cervejeiro da marca e o ritual de harmonização de cada uma das variantes da Família Bohemia (Pilsen, Weiss, Confraria e Escura). As ações vão até o dia 19 de julho em bares, pontos-de-venda e supermercados de São Paulo, Brasília, Curitiba e Porto Alegre.

A blitz "Excelência da Mesa Bohemia", realizada em bares, permite ao público conhecer um pouco mais do universo gastronômico. Promotoras identificadas como uma das variantes de Bohemia (Pilsen, Weiss, Confraria e Escura) convidam os consumidores para uma degustação. Durante este momento, elas explicam sobre os ingredientes utilizados na composição das cervejas e dão dicas de harmonização com pratos. Os bares que participam da ação também receberão ambientação com a identidade visual da marca.

A marca promove ainda um happy hour em alusão ao ano de criação de Bohemia (1853). O público, a partir das 18h53, pode apreciar as variantes da marca a preços especiais. Os bares ainda desenvolveram um menu degustação, com quatro combinações, harmonizando as cervejas da marca com pratos.

Nos supermercados, a marca escalou beer sommeliers para atender ao público, que deseja conhecer um pouco mais do universo cervejeiro. O profissional convida o público, maior de 18 anos, a conhecer as variantes da Família Bohemia e dá dicas de como combinar pratos com cada tipo de cerveja.

Além dessas iniciativas, a Bohemia desenvolveu uma ação para quatro shoppings da capital paulista (Morumbi, Iguatemi, Anália Franco e Cidade Jardim). Nesses locais, há um espaço que permite aos visitantes conhecer as características e harmonização de cada uma das variantes da Família Bohemia.

"Bohemia é a precursora do segmento Premium nacional. Com esta ação, queremos dividir nossa expertise e tradição em cerveja com nossos consumidores", explica Maria Fernanda Albuquerque, gerente de Bohemia.

As ações de Bohemia são assinadas pela NewStyle, que desenvolveu a campanha 360º, sendo responsável por toda a estratégia BTL para posicionamento da marca e integração da família Bohemia ao universo do consumidor, levando para os principais pontos-de-venda muitos materiais diferenciados, blitz, degustações e promoções.

Saara, pólo de consumo popular no Rio, lança portal de vendas na Internet

Saara, pólo de consumo popular no Rio, lança portal de vendas na Internet
Consumidores acostumados com o burburinho que diariamente toma conta das 11 ruas da Sociedade dos Amigos e das Adjacências da Rua da Alfândega (Saara) poderão agora comprar os produtos à venda nas lojas da região também pela internet. A partir desta terça-feira, a Saara entra na era digital, com o portal de vendas comprenasaara.com.br. Em um primeiro momento, dez lojistas participam do portal e a meta é chegar ao final do ano com 50 comerciantes. A iniciativa teve o apoio do Sebrae-RJ, que investiu R$ 210 mil na criação do portal e na capacitação dos lojistas para lidar com o controle de estoques para atendimento às vendas pela internet. O portal atenderá a pedidos de todo o país.

Segundo o presidente do Sebrae-Rj, Sérgio Malta, a previsão é de que os comerciantes participantes do portal aumentem em 20% as vendas em relação ao mesmo período de 2008. Os Correios serão responsáveis pela entrega das encomendas e a Caixa Econômica Federal vai administrar os pagamentos feitos eletronicamente, por boleto bancário ou por cartão de crédito. O presidente da Saara, Ênio Bittencourt, comemora o lançamento do portal:
- Esperamos que no final do ano as vendas pelo portal sejam tão movimentadas quanto normalmente são nas ruas da Saara - diz.

Fonte: O Globo

Makro abre loja em Volta Redonda

Makro abre loja em Volta Redonda
Com a nova unidade, que movimentou investimentos de R$ 21 milhões, Makro chega a 67 lojas no Brasil.

O Makro, maior atacadista brasileiro de auto-serviço, abre amanhã (30/06), em Volta Redonda (RJ), sua 67ª loja no país e a 8ª no Estado do Rio de Janeiro.

A abertura da nova loja movimentou cerca de R$ 15 milhões em investimentos para a construção e instalação e mais R$ 6 milhões em estoque de mercadorias. A operação começa com cerca de 20 mil clientes cadastrados. “Acreditamos no potencial econômico de Volta Redonda e confiamos na nossa proposta de valor, de ser o melhor canal de abastecimento para os clientes profissionais, revendedores e transformadores de alimentos, em um só lugar e com a melhor oferta”, explica o Diretor Nacional de Expansão do Makro, José Leon Rodriguez.

A nova loja, que pretende atingir mais de 1 milhão de habitantes, em um raio de 100 km, abrangendo municípios como Barra Mansa, Pinheiral, Barra do Piraí, Rio Claro e Piraí, além de Volta Redonda, possui área construída de 7 mil m2, com 4,5 mil m2 de área de venda, e funcionará na Avenida Dois, nº 10, Jardim Vila Rica, onde serão comercializados 12,7 mil itens de alimentos e não-alimentos, com produtos de marca própria, institucionais, regionais e importados. A população da cidade contará, ainda, com um Restaurante Makro aberto ao público em geral e um estacionamento coberto para clientes, com mais de 230 vagas.

Com uma população flutuante de, aproximadamente, 330 mil habitantes, Volta Redonda chamou a atenção do Makro por ser o maior centro econômico do Sul Fluminense, região considerada estratégica para os planos de crescimento da companhia. A região também se destaca como a mais industrializada do interior do Estado, contando com mão de obra local qualificada para o tipo de operação de uma loja atacadista como Makro e com fornecedores regionais altamente capacitados para abastecer a rede com os seus produtos.

A instalação do Makro no interior do Rio de Janeiro é um avanço importante da presença da companhia no Estado, que, além de Volta Redonda, já conta com outras 7 lojas, 3 na capital, uma em Campo Grande, uma em Campos dos Goytacazes, uma em Nova Iguaçu e uma em São Gonçalo. A rede continua expandindo sua operação no Estado do Rio de Janeiro, onde pretende abrir novas lojas.

Ao longo de sua trajetória, o Makro sempre teve como missão ser um canal eficiente para seus fornecedores na distribuição de produtos aos clientes profissionais: revendedores e transformadores de alimentos. “Com o lema Paixão por Servir, trabalhamos com dedicação na preservação da competitividade do pequeno e médio comerciante e do comércio local, pois acreditamos que isso é importante para a indústria e para a economia do país”, afirma Rubens Batista Junior, presidente do Makro no Brasil.

Braço de comércio de atacado do grupo holandês SHV Holdings N.V., o Makro foi fundado em 1968 e a primeira loja na América do Sul foi aberta no Brasil, em São Paulo, em 1972.
Plano de Expansão - Em 2009, serão aplicados cerca de R$ 240 milhões para a abertura de 10 unidades. A rede busca fortalecer sua atuação em São Paulo e em outros Estados das Regiões Norte, Nordeste e Sudeste. “Acreditamos no Brasil e vamos manter nossa aposta de longo prazo, com investimentos em novas lojas, serviços e capacitação. Neste ano também vamos entrar em dois Estados que ainda não temos operação”, completa Rubens Batista Junior, presidente do Makro.

Perfil da Makro

Presente no Brasil há 37 anos, o Makro é líder no mercado de atacadista no sistema de auto-serviço e tem como objetivo ser o mais eficiente canal de abastecimento dos clientes profissionais, principalmente os revendedores e transformadores de alimentos, com a melhor oferta e o grande canal de distribuição para os fornecedores América Latina.
Parte do grupo holandês SHV, o superatacado possui hoje a maior cobertura do setor no território brasileiro, com 67 lojas (com a de Volta Redonda), espalhadas em 22 estados, além do Distrito Federal, e trabalha com uma oferta de produtos desenvolvida especificamente para as necessidades de seus clientes, por meio de marcas líderes e de suas marcas próprias Aro, M&K, Baldaracci, Clean Line, Q-Biz e MK-Tech. Além disso, a companhia possui 64 restaurantes e 26 postos de combustíveis, espalhados pelo país. Para outras informações, acesse o site: www.makro.com.br .

Fonte: Revista Fator Brasil

Entidade de varejistas comemora prorrogação do IPI para linha branca

Entidade de varejistas comemora prorrogação do IPI para linha branca
Medida deve garantir menores preços e maiores vendas

O Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), comandado pela presidente do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, afirmou que a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os produtos de linha branca impulsionará a economia do país ante ao momento instável de crise mundial.

Além disso, a medida oferece segurança ao setor que mais emprega no Brasil, o varejo, responsável por 15,2% de todas as contratações formais no mercado. Percebemos que o governo estava bastante sensível para as necessidades do varejo, que tem um compromisso direto com o desenvolvimento econômico do país. Estamos contentes e bastante empolgados com a resolução que assegura a prorrogação da redução do IPI – disse Trajano, em nota à imprensa. Na semana passada, os representantes do IDV se reuniram com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para apresentar os resultados de vendas obtidos depois da redução do IPI, que viabilizou a diminuição do preço para os consumidores.

Fonte: Agência Leia

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Mundo Verde negocia novas franquias na Expo ABF 2009

São Paulo deverá ganhar 5 lojas e outras 4 serão abertas em RJ, AM, PI e MS.
Conceito de ‘lojas verdes’ e uso de mídias sociais chama atenção dos candidatos


Cerca de 280 candidatos a franqueados visitaram o estande do MUNDO VERDE durante a feira ABF Franchising Expo 2009, realizada dias 17 a 20 de junho, em São Paulo. Como resultado preliminar das negociações iniciadas durante o evento, pelo menos nove lojas da rede deverão ser abertas já nos próximos meses em cinco estados. Das novas franquias negociadas, cinco ficam em São Paulo (Campo Belo, Vila Olímpia, Guarulhos, Vila Madalena e Taubaté), uma no Rio de Janeiro (Angra dos Reis) e as demais em importantes capitais das regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste, onde a marca ainda não havia chegado: Manaus (AM), Teresina (PI) e Campo Grande (MS).

Esta foi a sétima vez que a rede participou do evento, promovido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Os resultados superaram as expectativas, na avaliação do diretor comercial da franquia, Jorge Antunes. “Recebemos em nosso estande dezenas de interessados em conhecer a marca e levá-la para suas cidades e iniciamos as negociações para fechar contratos com nove futuros franqueados. Foi um resultado realmente excelente e superamos nosso principal objetivo, de expandir a marca em São Paulo e outros estados onde ainda não havíamos chegado”, afirma o empresário.

Antunes, que também é sócio-fundador da marca, anunciou ainda durante o evento que a rede deverá crescer este ano na Região Sul: em agosto abrirá sua primeira loja em Caxias do Sul (RS) e já prospecta interessados nas cidades de Canoas, São Leopoldo e Novo Hamburgo. Atualmente, a rede mantém três lojas no Rio Grande do Sul: Porto Alegre, Bento Gonçalves e Pelotas. Considerada pela ABF a maior franquia especializada em alimentação saudável e produtos para bem-estar da América Latina, o Mundo Verde está presente atualmente em 15 estados e no Distrito Federal, com 137 lojas, além de uma franquia em Portugal.

Lojas verdes

Uma novidade que despertou atenção de futuros investidores durante a ABF 2009 foi a proposta do Mundo Verde de adotar o conceito de lojas verdes, utilizando critérios de arquitetura sustentável nos projetos de montagem e decoração das novas lojas. “Acreditamos que a primeira loja completamente verde, com arquitetura, design e produtos identificados totalmente com o conceito de sustentabilidade, será unaugurara ainda este ano em São Paulo”, antecipou o diretor.

Desde 2008, a franquia também passou a adotar alguns critérios de arquitetura sustentável na elaboração dos projetos das novas lojas, bem como de reforma das unidades já existentes. As lojas de Vila Mariana, Ribeirão Preto, São Bernardo do Campo, Shopping Eldorado e Vila Pompéia (SP); Floripa Shopping e Florianópolis-Centro (SC), Curitiba (PR), João Pessoa (PB) e Botafogo-Voluntários (RJ) já usam mobiliário com MDF certificado com o selo FSC (da sigla em inglês Forest Stewardship Council, o sistema de certificação florestal mais reconhecido em todo o mundo).

Já a nova loja de Pamplona, antiga Frei Caneca, em São Paulo, utiliza piso eucaflor também certificado. As lojas novas têm utilizado ainda lâmpadas econômicas com o selo FSC, entre outras iniciativas. Na rede, há ainda outros exemplos do uso de fontes alternativas de energia como solução barata e sustentável para a manutenção das lojas: em Cabo Frio (RJ), o franqueado decidiu utilizar exaustores eólicos no lugar do ar condicionado, o que representa redução de energia elétrica e impactos ao meio ambiente.

Novidades


Outra novidade apresentada durante a feira foi a abertura de novos canais de relacionamento com os clientes, com a recente criação do Blog Mundo Verde e a utilização de redes sociais como Orkut, Facebook, Twitter e You Tube. O novo sistema de vendas a granel, bem-sucedido em recentes experiências nas lojas de Florianópolis e Recife, especialmente para vendas de produtos dos segmentos de cereais, chás e ervas para tempero, também gerou interesse de possíveis parceiros da marca.

Uma tendência no crescimento do Mundo Verde em grandes cidades é o modelo de loja em shoping center: até o fim deste ano, serão 50 unidades neste formato. Outros modelos comercializados pela rede são lojas de rua e store in store, especialmente em academias, supermercados e postos de gasolina. As lojas Mundo Verde têm ainda a opção de agregar espaços para pequenas lanchonetes, onde são servidos na hora lanches, salgados e tortas light, diet e integrais, além de bebidas saudáveis.

Crescimento em 2008


Independemente dos resultados da feira da ABF, a rede Mundo Verde já projetava encerrar o ano com crescimento superior a 12% em relação a 2008, com 16 novas lojas (7 em operação e 9 programadas) e mais 8 em negociação para abertura ainda este ano ou em 2010. No ano passado, foram abertas 20 novas lojas, um crescimento de 16,6% sobre 2007.

A maior concentração permanece no Rio, onde a rede acaba de abrir sua 81ª loja, na cidade de Barra Mansa, e planeja mais quatro ainda este ano, seguida de São Paulo, onde já possui 20 lojas e abrirá mais duas, entre outras em negociação. Em terceiro lugar, empatam os estados do Ceará, Pernambuco e Bahia, cada qual com seis lojas em operação.

Em janeiro deste ano, a rede se tornou a primeira franquia a abrir as portas em Fernando de Noronha (PE). Também comemora o sucesso de sua primeira loja na Europa: no final de 2008, abriu as portas em Portugal (Vila Nova de Gaia, Porto), dando prosseguimento ao processo de internacionalização da marca, iniciado em 2007 por Angola (Luanda).

Mundo Verde em números:
- 137 lojas em operação no Brasil (15 estados + Distrito Federal);
- 1 master franquia internacional em Portugal;
- 16 novas lojas assinadas para 2009 (7 já abertas e 9 programadas) e outras 8 em negociação – crescimento de 12% em relação a 2008;
- 20 novas lojas abertas em 2008 no Brasil – 16,6% de crescimento;
- 1 mil funcionários diretos (média de sete em cada loja) e 3 mil indiretos;
- 65 mil clientes/dia;
- 27 mil produtos cadastrados;
- 5 mil itens oferecidos em média em 19 segmentos em cada loja;
- 800 fornecedores cadastrados (90% micro e pequenas empresas).

Ficha técnica da franquia:
Investimento médio em loja – R$ 150 mil
Faturamento médio mensal – R$ 85 mil
Taxa de franquia – R$ 40 mil
Taxa de publicidade – 1% do faturamento bruto
Taxa de royalties – 4,5% do faturamento bruto
Capital de giro – R$ 30 mil
Margem de lucro médio – 13% do faturamento bruto
Prazo médio de retorno do investimento – 36 meses
Área mínima para o funcionamento de uma loja – 60 m2
Número mínimo de funcionários por loja – 5
Prazo do contrato – 60 meses
Contatos - (24) 2237-2528 / expansao@mundoverde.com.br

Orkut ainda lidera como canal de “desabafo” dos consumidores

O Orkut ainda é o principal canal dos consumidores para publicar depoimentos sobre a experiência com produtos e serviços, segundo pesquisa realizada pela empresa de monitoração online E.Life. Seguindo o líder, está o Twitter, que ocupava apenas a 6ª posição em 2008, mas hoje é usado em 23% dos “desabafos”.
Também foi levantada a faixa etária do usuário das redes sociais no Brasil. Segundo a E.Life, a maioria é formada por jovens entre 19 e 25 anos, seguidos pela faixa etária entre 26 e 30 anos.
Quanto às regiões de concentração, a Sudeste segue como a campeã de usuários, com 64% do total (em 2008, eram 63,6%). A Sul fica em segundo lugar com 15,6% do usuários e o Norte em último, com 2%.
A empresa de monitoração comparou o comportamento da blogosfera no Brasil entre janeiro e abril de 2008, com o mesmo período deste ano.

Fonte: WNews/Uol

C&A anuncia fechamento de suas 20 lojas na Argentina

C&A anuncia fechamento de suas 20 lojas na Argentina
A rede holandesa de varejo C&A anunciou hoje que vai fechar as 20 lojas que tem na Argentina porque não alcançou os resultados financeiros esperados. "A C&A Argentina comunica a conclusão de suas operações na Argentina, o que implica no fechamento de suas 20 lojas no país", afirmou a companhia em uma nota publicada em seu site na internet. "O resultado esperado não foi atingido e a companhia chegou à conclusão de que não é factível continuar ampliando sua atuação para avançar níveis mínimos de rendimento no futuro", esclarece a nota. A C&A possui 1.100 empregados na Argentina.
O anúncio ocorre em um dia complicado para a presidente Cristina Kirchner, que amarga uma derrota eleitoral no pleito legislativo realizado ontem, considerado como um plebiscito sobre sua gestão. Durante a campanha eleitoral, o governo concedeu uma série de subsídios para várias empresas em uma desesperada tentativa de evitar o aumento do desemprego no país.
"A companhia quer agradecer especialmente aos seus colaboradores, clientes e fornecedores e todas aquelas pessoas que direta ou indiretamente estiveram envolvidas em seus 12 anos de operações na Argentina", diz a nota. "O fechamento da operação da C&A na Argentina não vai provocar impacto sobre as operações da Companhia na América Latina, que tem presença no Brasil e México, e conta com 25 mil empregados e 220 lojas", esclarece a nota. No mundo, a C&A opera em mais de 25 países e tem 1.500 lojas.
Fonte: Marina Guimarães/ AE

Dúvida de leitores: Loja de lingerie x locação de filmes

Pergunta enviada por Tadeu Manzotti, de Monte Alto (SP)

Olá Caio, primeiramente parabens pelo seu blog.
Estou todo dia acompanhando suas publicações e aprendendo muito. Obrigado.

Tenho video-locadoras em Monte Alto, no interior de São Paulo. Cansado de enfrentar a pirataria estou abrindo uma loja de lingerie...
Estou lhe enviando algumas fotos da fachada. Qualquer dica a respeito será de grande importancia,

Obrigado
Tadeu Manzotti


Olá Tadeu.

Fico feliz em saber que o blog esta contribuindo para com você e sua loja.
Analisando sua loja:

Uma coisa eu nao entendi direito: Não sei como funcionaria a entrada de sua loja. Não sei se por enquanto a mesma está fechada e você está expondo as mercadorias como em uma vitrine, ou se seus consumidores têm de entrar pela locadora para acessar a loja de lingerie...
Caso os vidros na frente sejam apenas vitrine, lhe aconselho a rever essa posição. Acredito que o interessante seria pensar em uma loja independente da outra. Em alguns casos, o varejista pode estar preocupado em mais custos, outra entrada, mais funcionários, etc. Mas acredito que como são negócios distintos, devem ser analisados e encarados da mesma forma.

No caso de estarmos falando de lojas independentes, vejo algumas questões:

O rosa é interessante, pois se trata de uma loja de artigos de público 100% feminino. Entretanto a fachada por inteira rosa, acredito que passe uma imagem muito popular ao seu estabelecimento. Se está é sua intenção, vá em frente, do contrário acredito que vale a pena estudar cores mais neutras e que busquem valorizar o produto que está vendendo.

O logotipo está bem trabalhado. Se o foco é popular, vou lhe sugerir até mesmo uma idéia: por que não pensar em uma marca própria, com valor de mercado melhor aos consumidores?

Considerando sua vitrine, eu acredito que está faltando um pouco de vida nela. Você usa sabiamente de manequins, que humanizam o produto, e até busca alguma brincadeira sazonal com confetes e serpentinas (imagino que a foto foi tirada na época do Carnaval).

Entretanto, nao vi qualquer tipo de referencia promocional que chamasse a atenção do consumidor. Cadê os preços, os splashes, os cartazes? Se sua loja estiver em uma rua movimentada em termos de pedestres, aposte em uma linguagem com splashes ou etiquetas que chamem a atenção. Se sua loja estiver em um local onde o fluxo maior é de veículos, considere pensar em sua informação promocional de maneira maior, com grandes banners ou cartazes, até mesmo da mesma maneira que você faz na locadora...

Pensando em locadora, tive uma idéia que talvez soe interessante:

Se os consumidores sabem que tanto a locadora quanto a loja de lingeries são suas, e se você tiver em estoque cartazes de filmes de certa maneira sensuais como “9 ½ semanas de amor” ou “Instinto Selvagem” ou que sigam nessa linha (nada muito erótico, para não vulgarizar, apenas sensual), você pode utilizar até mesmo esses cartazes para dar “fundo” aos produtos e criar uma brincadeira com o tema locadora e lingerie. Muitas vezes a compra de uma lingerie nova está ligada ao fato de querer “apimentar” a relação...quem sabe sua consumidora não se empolga e decida levar também um filme ? Aproveite e faça também uma sugestão de filmes na locadora ou na locadora crie uma seleção de filmes que dão descontos dentro da loja....o que acha?

Espero ter lhe ajudado.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
http://www.falandodevarejo.blogspot.com/

Dúvida de leitores: Filial ou novo mercado?

Dúvida de leitores: Filial ou novo mercado?
Pergunta enviada por Thiago Telles

Boa tarde Caio

Visito seu blog diariamente e acho que ele agrega muito para nós varejistas. Parabéns por sua idéia.

Somos uma rede de lojas de calçados com um histórico de 23 anos no mercado, hoje a concorrência em nossa cidade aumentou demais, mas mesmo assim conseguimos continuar crescendo, mas é claro que em menor escala. Nosso foco é a classe B e C, sendo que em 80% dos casos são mulheres.

Hoje estamos com idéia de ampliar a nossa rede, que conta com 4 lojas. Mas dentro do panorama acima citado seguem nossas dúvidas:

1º Temos uma idéia de abrir uma loja em uma cidade maior o que daria uma maior referência para nossa marca, mas os custos são muito mais altos e concorrência é tão grande ou maior que em nossa cidade.

2º Temos a opção de abrir uma filial em uma cidade vizinha a nossa, só que esta cidade é bem menor em questão de habitantes, mas os pontos positivos seriam o custo e que praticamente não existe concorrência

3º Temos a opção de abrir um loja de esportes, que sairia de nosso foco mas em compensação é um ramo de negócio que está crescendo rapidamente

Dentro destas 3 opções qual delas você acha mais interessante?

Desde já agradeço
Thiago Telles

Olá Thiago.

Thiago, gostaria primeiramente de lhe dar os parabéns. Você soube definir muito bem quem você é, quem você deseja ser e o que os prós e contras de suas possibilidades.
Sempre falo que esse é o primeiro passo para um projeto de sucesso.

Primeiramente falando, vamos falar sobre a loja de esportes. Se vocês vem uma nova oportunidade com esta loja, sigam em frente. Mas todo novo negócio deve ser encarado de maneira independente. Se o caixa da empresa nesse momento so permite abrir uma nova unidade ou abrir uma nova loja, de uma nova marca, nesse caso cabe a você decidir o que você acredita que nesse momento gere uma maior rentabilidade.

Cuidado apenas para não desfocar o negócio principal, ou ainda em apostar no que você acha ser a “bola da vez”. Estude o mercado, suas particularidades, se informe, para aí sim partir para um novo tipo de negócio. Varejo parece ser tudo a mesma coisa, mas não é.

Quanto a abrir uma loja em uma cidade pequena ou em uma cidade grande, você já apontou todos os prós e contras. Analisando algumas questões de mercado e espelhando em alguns cases do varejo, posso lhe aconselhar a:

Se na cidade maior nunca antes ouviram falar de sua marca, você nesse momento não estará reforçando sua marca, e sim, tendo que criar toda a imagem dela. Em alguns casos, quando não bem administradas questões como administração, logística, etc, ao invés de contribuir, podem sobrecarregar e passar uma imagem negativa à marca. Agora, se na cidade maior sua loja também já é conhecida, eu acredito que possa ser um passo interessante.

Eu vejo com bons olhos abrir uma franquia em uma cidade menor. Pulverizar a marca em cidades estratégicas e ao redor de cidades maiores pode ser uma excelente estratégia para a marca. Dá tempo de se montar com calma todos os processos e entrar numa proxima etapa na cidade maior sem grandes sustos, e o melhor, com nome já mais consolidado. Deixe a maior por último.

Alguns varejistas têm se utilizado desse tipo de estratégia antes de se aventurar pelos grandes centros. Cercam as cidades menores do estado, em regiões próximas, conhecendo a cultura e costumes locais de compra, ou seja, criando expertise de mercado, para aí sim inaugurarem uma filial na cidade principal.

Independente da estratégia que irá adotar, o simples fato de uma excelente análise feita antes por você, já denota que o caminho tomado está em boas mãos. Boa sorte !

Espero ter lhe ajudado

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.blogspot.com

Dúvida de leitores: Marketing. Por onde começar?

Dúvida de leitores: Marketing. Por onde começar?
Pergunta enviada por Kelly Pizsolitto

Caio

Gostaria de saber se você poderia me ajudar? Eu estou iniciando em uma empresa de comércio de pneus, porém ainda não temos um departamento de marketing, e fui contratada para ser assistente de trade marketing. Não tenho experiência e gostaria de saber se você poderia me dar umas dicas de como poderei dar umas idéias para que o nosso departamento comece a trabalhar.

Qual o primeiro passo a ser tomado? Estou a três dias na empresa e até agora não fiz nada. Estou percebendo que o pessoal também não sabe por onde devo começar...
Com suas dicas de como proceder ou qual serviço posso começar a realizar talvez eu consiga dar um pontapé inicial no meu trabalho, que será um grande desafio já que sou nova neste cargo.

Muito obrigada,
Kelly Pizsolitto


Olá Kelly.

Vamos analisar primeiro a empresa, segundo seu relato:
Uma empresa decide contratar uma profissional de marketing, pretendendo alguma melhora de vendas, ou pretendendo iniciar esse departamento dentro da empresa.
Talvez optando por um custo reduzido, opta por contratar uma profissional do nível de assitência, com atribuições ao cargo de um gerente, tomando decisões e criando estratégias.

Kelly, eu acredito que a empresa esta cometendo um grave erro ao buscar iniciar seu departamento de marketing dessa maneira. De acordo com seu relato, cabe à você, no cargo de assistente, definir o que será feito, quando nem a própria empresa sabe ainda o que quer, uma vez que ninguem sabe ao certo como lhe orientar.

Analisando seu papel profissional, não há nada de errado com sua postura, ao contrário, é louvável seu empenho em tentar buscar a solução, mas seria de responsabilidade da empresa que nesse primeiro momento lhe auxiliasse de alguma maneira, uma vez que você não possui a experiência necessária. Sem experiência, como criar estratégias que possam gerar resultado? Arriscando? Copiando a concorrência?

Dessa maneira, acredito que um bom caminho seja esse:

Acredito que primeiro passo é definir quem a empresa é hoje: Público consumidor, mix de produtos, posição no mercado, preços mediante a concorrência, etc. Ou seja, definir o perfil da empresa perante o mercado.

Um segundo passo seria definir quem a empresa deseja ser, definindo seu real objetivo. Ex: Ser a melhor loja de pneus do mercado/ Ser a loja mais barata/ Ter a melhor qualidade de serviços, etc..

Feita essa lição de casa, você terá dois pontos distantes: “Quem você é” e “quem deseja ser”. Baseado nesses dois pontos, você tem um caminho todo de estratégia a ser definida, o qual nesse caso, vai caber a voce definir quais estratégias sao melhores e mais adequadas à sua região e à sua disponibilidade de verbas para executá-las.

Vou lhe dar um exemplo:
Você percebe que a loja vende produtos sem nenhum tipo de critério, sem nenhum tipo de foco, mas você percebe que na região na qual você está situada existem consumidores de alto poder aquisitivo, que buscam produtos diferenciados, principalmente para seus veículos, grande parte importados.

Como atingir esse público: Busque vender produtos referenciais de mercado, e que se adequam à necessidade de seu cliente. Esse tipo de cliente busca uma qualidade maior de serviços, os quais devem estar refletidos desde a fachada até mesmo nos uniformes dos funcionários (tudo agrega valia – confiança e segurança - aos serviços).

Crie promoções de fidelidade, ofereça brindes como lavagens ou troca de óleo. Crie um ambiente também receptivo à mulheres (essa é uma tática que vem sendo bem utilizada por todos os tipos de loja desse ramo, nao importa a região), e por aí vai.

Agora o mais importante de tudo: Estude, estude muito e leia muito sobre o mercado, sobre o que está acontecendo, sobre o que pode ser tendência no mercado e por aí vai. Garanto que encontrará excelentes pistas sobre o que atitudes tomar.

Espero ter lhe ajudado.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.blogspot.com

Por dentro ou por fora: Como reformar minha loja?

Por dentro ou por fora: Como reformar minha loja?
Ola a todos.

Este é um problema recorrente na cabeça dos varejistas na hora de iniciar qualquer processo de reforma de uma loja: por onde começar? O que vale mais a pena? Investir na fachada, ou investir no layout da loja?

Vamos imaginar a seguinte situação: Um varejista observa que suas vendas estão ultimamente abaixo do esperado. Decide então iniciar um processo de reformulação de sua loja, reformando a mesma, introduzindo novos produtos e serviços. Ao mesmo tempo, decide revigorar sua logomarca no mercado, contratando um escritorio especializado.

Na maioria dos casos de reforma, com um orçamento apertado, muitos varejistas se veem obrigados a optar por mudar primeiro a fachada ou primeiro o layout da loja. Então, como agir nestes casos?

Se optasse por alterar apenas o layout da loja, iria apenas fazer com que os clientes habituais talvez comprassem mais (aumento do ticket médio). Mesmo considerando apenas seus cliente habituais, apenas notariam alguma mudança na loja aqueles que realmente entrassem na loja, caso o varejista nao recorresse à nenhuma outra estratégia de divulgação.

Se o mesmo varejista tivesse optado em alterar primeiro toda a fachada, iria provavelmente atrair algum novo cliente, e poderia aumentar de modo geral suas vendas, entretanto, para os clientes habituais, não haveria nenhuma mudança visível na loja, e por consequência, não haveria estímulo para que houvesse novas ou maiores compras.

Somente a dosagem correta entre fachada (ou imagem da loja) e layout podem gerar o resultado que todo varejista procura: atrair novos clientes e vender mais e melhor aos que compram. Com uma loja que possua nova identidade e layout, você tanto atrai novos clientes, fortalecendo sua marca no mercado, quanto vendendo mais e melhor a quem você deseja.

Acredito que iniciar todos os processos por etapas, pode ser uma boa saída. Mudanças não tão radicais, ou seja, feitas de uma hora para outra, auxiliam seu cliente a compreender sua nova estratégia, e por consequencia, impactam melhor no resultado de vendas. Quando você não educa seu consumidor, não o ensina a comprar com você, o resultado é que ele acaba deixando de comprar com você.

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
http://www.falandodevarejo.blogspot.com/

Boa vontade ou vontade: O que move você?

Boa vontade ou vontade: O que move você?
Ola a todos.

Conversando com alguns amigos sobre motivação estávamos discutindo o que move uma pessoa: a vontade ou a boa vontade?
Conversando com varejistas, sempre observo que a maioria deles tem vontade de alterar alguma coisa na loja, tem vontade de melhorar as vendas, tem vontade de melhorar sua qualidade de serviços...
Veja o termo que utilizei: vontade.
Vontade tem tudo a ver com motivação, que significa a união das palavras “motivo” e “ação”.

Vontade tem tudo a ver com ação.
Quando a vontade é apenas intenção, então estamos falando de boa vontade.

Sempre discuto com amigos que de nada adianta iniciar um projeto se o proprietário não está completamente convencido de que deseja mudar. Mesmo com toda boa vontade do mundo, sem vontade, sem comprometimento com a mudança, não há projeto que dê certo.

Como diz um velho ditado: “A mudança é uma porta que se abre pelo lado de dentro”.

A melhor maneira de transformar boa vontade em vontade é a certeza. Quando nos sentimos mais seguros sobre as ações que serão tomadas, fica mais fácil aceitar e entender as mudanças.

E como fazemos para ter certeza de que um projeto dará certo: Entendendo os pontos que enfraquecem e possam ser trabalhados na loja, determinando objetivos tangíveis, etc.

Acredito que as perguntas essenciais antes de qualquer projeto são:

1.) Quem você pensa que é (sua visão)?
2.) Quem você realmente é (a visão que seus consumidores tem de você)?
3.) Quem você deseja ser daqui pra frente?

Em alguns casos, as respostas para estas perguntas, muitas vezes nem um pouco simples são as grandes deteminantes para um projeto. Muitos varejistas pensam que para vender mais, precisam de grandes mudanças, grandes atitudes, ou coisas do tipo, quando na verdade, precisam apenas de um pequeno acerto, ou uma pequena correção na rota.

E você, o que te move?

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
http://www.falandodevarejo.blogspot.com/

Via Parque Shopping se une a grandes players para alavancar a circulação no mall

Toda a curtição dos desenhos animados sairá direto da telinha do Cartoon Network para animar as férias da garotada, no Rio de Janeiro. A edição do Movimento Cartoon deste ano acontecerá no Via Parque Shopping, nos dias 4 e 5 de julho, das 10h às 17h. Haverá várias atrações para estimular a imaginação e incentivar a atividade física ao ar livre entre meninos e meninas com idades entre 4 e 11 anos. “A expectativa é que 6.000 crianças passem pelo mall neste fim de semana”, afirma o superintendente do Via Parque Shopping, Amaury Veras.

O evento, gratuito, contará com brincadeiras inspiradas em desenhos como “As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy”, “As Meninas Superpoderosas” e “Ben 10”. Além disso, no palco haverá mais diversão, com rápidas encenações dos personagens dos desenhos do Cartoon Network. Nos intervalos, uma equipe de recreadores promoverá brincadeiras e gincanas, com disputas entre equipes, percursos formado por cones e plantas, corrida de argolas, entre outras. Haverá, ainda, um escorregador gigante para descer com tapetes e uma pista de dança para os pequenos exibirem o seu talento.

Crianças entram no mundo dos desenhos

O Movimento Cartoon permite que as crianças participem do mundo dos desenhos através de vários jogos inspirados nos personagens do Cartoon Network. No escorregador gigante as crianças poderão descer em tapetes e se sentir dentro de um episódio das “Terríveis Aventuras de Billy e Mandy”.

No desafio Ben 10, todos poderão brincar junto com a força alienígena. As crianças maiores participarão, em dupla, de uma competição de patinete com três rodas, que se locomove apenas com os movimentos dos braços e pernas. O objetivo é completar o percurso em menos tempo. Já para as crianças menores, o desafio será a corrida de argolas, onde os participantes deverão passar por obstáculos portando um cabo de madeira com argolas nas pontas, sem deixar cair nenhuma delas.

Já no jogo Bakugan, a disputa será entre quatro equipes que, munidas de bastões, terão de conduzir suas respectivas bolas através dos obstáculos existentes num grande tabuleiro até o centro. Vence o time que chegar primeiro com o menor número de tacadas. E para quem curte as Meninas Superpoderosas, os recreadores animarão a pista de dança com várias coreografias temáticas.

Sobre o Cartoon Network

O Cartoon Network, rede de TV por assinatura, abriga o maior acervo de desenhos animados, com produções premiadas como As Meninas Superpoderosas, Ben 10, As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy, KND, A Mansão Foster para Amigos Imaginários, Chowder, As Trapalhadas de Flapjack e Sábados Secretos. O canal foi lançado em 30 de abril de 1993 e é transmitido na América Latina em mais de 26,9 milhões de domicílios em português, espanhol e inglês.

Korai Cosmética lança franquia de sua marca

Com know how de 9 anos de experiência no ramo cosmético, a Korai aproveitou a 18ª edição da ABF Franchising Expo, que aconteceu no mês de junho no Expo Center Norte, para dar início ao processo de franquia de sua marca. Com duas lojas próprias e outras em fase de inicio de operação, agora a Korai busca expansão em todo o território nacional.

Há 9 anos surge no mercado a Korai Cosmética, fundada pela Engenheira Química, Vanessa Mayo, que sentiu a necessidade de suprir a carência de uma linha cosmética completa para os momentos especiais de cuidado com o corpo.

Contando sempre com a parceria dos melhores fornecedores do mercado e desenvolvendo fórmulas exclusivas, os produtos da Korai aliam hidratação com as mais famosas fragrâncias internacionais. Uma das preocupações da empresa é utilizar diversos agentes hidratantes em toda a sua linha de cuidados com a pele e os cabelos. Seus produtos possuem matérias primas naturais como a manteiga de karité e de cupuaçu, entre outros itens criteriosamente selecionados que compõem cada um dos 90 produtos em linha.

Com o crescimento de consumidores à procura de produtos de qualidade internacional e com preço acessível ao mercado brasileiro, a Korai foi ganhando força, e atingiu, logo no primeiro ano, um faturamento aproximado de R$ 1 milhão. Este sucesso possibilitou à empresa a expansão de seus negócios e o investimento na abertura de lojas exclusivas em pontos comerciais estratégicos em ruas e Shopping Centers de grande movimento.

Em 2009, a Korai revitaliza sua marca e reformula todas as embalagens dos seus produtos, com o objetivo de atribuir mais força à sua linha de cosméticos e estabelecer uma relação mais íntima com o cliente. Conceitos de beleza, saúde e cuidados estão presentes em todos os produtos da marca, criando vínculo e identidade nos cosméticos da empresa.

"Após estes 9 anos atuando no mercado varejo, decidimos profissionalizar ainda mais nosso conceito. Criamos uma marca mais elegante e com movimento para se adequar aos diversos produtos que temos em linha e os novos que estão sendo desenvolvidos. Esta mudança mostra o amadurecimento da Korai para iniciar o processo de franquia da marca", conta Vanessa Mayo.

Segundo Vanessa, a empresa fará um trabalho de expansão da marca a princípio focado em regiões especificas. “Formatamos uma franquia de baixo investimento inicial, agregando nossa ‘expertise’ no mercado cosmético com os produtos diferenciados que temos em linha. Nosso objetivo é expandir nossas lojas pelo país e tornar nossos produtos acessíveis aos consumidores. Esperamos em três anos atingir a marca de 50 franquias. Nosso foco neste início de trabalho será voltado para o interior de São Paulo, Sudeste e Nordeste, em cidades com mais de 100 mil habitantes”.

Raio X da Franquia Korai Cosmética
Korai Cosmética
Ramo - Beleza
Fundação - 2000
Inicio do Franchising - 2009
Unidades próprias - 02
Investimento inicial - a partir de R$ 46.000,00 (Equipamentos, mobiliário, sistema de gestão, estoque inicial para um quiosque 6m². Não incluso o ponto comercial).
Valor da taxa de franquia - R$ 25.000,00
Capital de giro - R$ 9.000,00
Royalties - 10 % incluso no custo do produto
Taxa de publicidade - 2 % sobre o faturamento
Área mínima - 6 m²
Nº de funcionários - a partir de 3
Faturamento bruto - R$ 25.000,00 a R$ 35.000,00
Prazo de retorno - 24 a 30 meses
Prazo de contrato - 48 a 60 meses
Telefone - (11) 5051-0456
Site - http://www.korai.com.br/
E-mail - franquia@korai.com.br

Mahogany é eleita 2ª melhor franquia de cosméticos do país

Com 59 lojas localizadas nos principais shoppings dos maiores estados brasileiros, a Mahogany foi eleita a segunda melhor franquia de cosméticos e perfumes no ano de 2008, em ranking elaborado pela empresa Serasa Experian e divulgado pelo Guia de Franquias PEGN, uma das mais conceituadas publicações do setor, que elege anualmente as melhores franquias do Brasil. Dentre as 26 concorrentes, a empresa se destacou nas categorias de crescimento de faturamento, 125,3% em relação ao ano anterior, e número de franquias com a inauguração de 22 lojas somente em 2008.

Fundada em 1991, o Laboratório Sklean do Brasil, responsável pelos produtos das marcas Mahogany, Kevin Nichols e Sklean Ethics, iniciou suas atividades criando e comercializando produtos para as principais lojas de departamentos do país. Depois, a marca Mahogany foi distribuída no canal de varejo tradicional, enquanto se estruturava para ingressar num processo de comercialização segmentada, chegando a ser vendida em cerca de 1400 pontos em 2002. Em 2004, já possuía 3 lojas licenciadas e a idéia de expandir Brasil afora.

Inaugurou a sua primeira franquia oficialmente em 2005 e desde então cresceu de forma concreta e acelerada. Em maio deste ano foram inauguradas 04 lojas e para junho são esperadas mais 05 unidades. Com um dos melhores níveis de satisfação do franqueado, a empresa tem como diferencial um dos maiores leques de produtos disponíveis em loja e lançamentos constantes. Hoje, são mais de 300 itens divididos entre perfumaria e cosméticos para homens, mulheres e crianças, o que aumenta a flexibilidade do negócio.

O sistema de franquias da rede foi estruturado de acordo com os conceitos do "Business Format Franchising", consistindo no desenvolvimento de uma rede nacional de lojas com toda a gama de serviços que garante assistência permanente ao franqueado em todas as fases da operação. Desde o momento de selecionar o ponto de venda, passando pelo processo de organização, treinamento e inauguração, há uma linha direta sempre disponível entre a empresa e o franqueado, num contato que é fortalecido no dia-a-dia após a abertura da loja.

Prova deste cuidado é a elaboração de um informe semanal que é enviado para todos os franqueados, com dados sobre lançamentos, novidades, notícias do setor e desempenho da Mahogany na mídia nacional. Nele há, inclusive, fotos de organização das vitrines, status de produtos, promoções sugeridas, diferenciais de produtos e técnica de vendas para aprimorar ainda mais o desempenho dos funcionários.

A taxa de franquia para abrir uma loja da rede é uma das mais atrativas do mercado, R$ 15mil, e a empresa não cobra taxa de publicidade. Com um investimento inicial de R$ 150ml a R$ 200mil, fora o ponto comercial, o empresário pode dar início a um negócio de retorno garantido, visto que o setor de perfumaria e cosméticos foi um dos únicos que não apresentou prejuízo diante da atual crise mundial e continua crescendo ano após ano. Em 2008, o setor apresentou um crescimento de 7,1% contra 4,3% das indústrias em geral, de acordo com dados da Abihpec - Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos.

Sentimento dos especialistas em relação à economia sobe pela terceira vez consecutiva, aponta Fecomercio

Sentimento dos especialistas em relação à economia sobe pela terceira vez consecutiva, aponta Fecomercio
Melhora na expectativa de crescimento da atividade interna, da oferta de crédito e a redução da Inflação foram as razões para a elevação do índice em junho

Pela terceira vez consecutiva, os economistas estão mais confiantes em relação à economia devido a um cenário mais seguro, aponta o Índice de Sentimento dos Especialistas em Economia (ISE), de junho, realizado pela Fecomercio em parceria com a Ordem dos Economistas do Brasil (OEB). No mês, o índice teve aumento de 3,7% em relação a maio, passando de 92,4 pontos para 95,8 pontos. Em relação a junho do ano anterior, a elevação foi de quase 1%.

“A expectativa de crescimento do nível de atividade interna, da oferta de crédito ao consumidor e uma queda da inflação foram as razões para a elevação do indicador em junho”, afirma Guilherme Dietze, economista da Fecomercio. Mesmo com esse resultado, o ISE permanece no campo do pessimismo, ou seja, abaixo de 100 pontos.

Segundo Dietze, a melhora da avaliação dos economistas em relação a esses fatores deve-se aos dados divulgados recentemente do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, referentes ao primeiro trimestre de 2009, que apresentou resultado melhor do que o esperado, da redução da taxa básica de juros (Selic), que influencia positivamente o aumento da concessão de crédito, e dos dados inflacionários ficando abaixo das expectativas de mercado.

De acordo com os dados deste mês, subiram de três para cinco os itens que ficaram no patamar de otimismo. Os dois que voltaram ao nível acima dos 100 pontos foram Taxa de Inflação (109,7) e Oferta de Crédito ao Consumidor (107,3) e se juntaram com Cenário Internacional (133,8), Nível de Atividade Interna - PIB (128,2), Taxa de Câmbio (117,2).

Os que permanecem no patamar de pessimismo de acordo com os economistas são: Nível de Emprego (87,9), Salários Reais (77,2), Taxa de Juro (68,1) e Gastos Públicos (34,1). Este último continua, desde o início da série, como a pior avaliação e ainda apresentou na margem uma queda próxima a 11%.

Em relação à Taxa de Juros, por mais que tenha havido uma queda e influenciado positivamente o item Oferta de Crédito, os economistas ainda consideram inadequado para economia tanto na avaliação atual (51,5) quanto na futura (84,6).

Na análise dos dois sub-índices do ISE, percebe-se uma pressão positiva maior do Índice Atual, que apesar de permanecer no patamar de pessimismo (77,7), apresentou alta de 8,9% em relação a maio. Já o Índice Futuro ficou perto da estabilidade com 0,5% chegando aos 113,4.

Segundo Dietze, os números apresentados mostram que os economistas estão com um otimismo moderado em relação à situação futura da economia e ainda cautelosos nas questões atuais, mas na margem apresentam melhora de forma mais expressiva, aproximando cada vez mais as duas avaliações. ”Esse resultado demonstra uma maior estabilidade da economia”, finaliza Dietze.

Fonte: Fecomércio

domingo, 28 de junho de 2009

Reclamações contra cartões de lojas aumentam 22.5% em MT

Reclamações contra cartões de lojas aumentam 22.5% em MT
O número de reclamações contra cartões de loja na Superintendência de Defesa do Consumidor em Mato Grosso (Procon-MT) aumentou 22,5% este ano (dados contabilizados até 23 e junho) na comparação com igual período de 2008. Segundo balanço do órgão, foram feitas 217 queixas em 2009 contra 177 no mesmo intervalo do ano anterior. O principal motivo das reclamações é a cobrança indevida, que totalizou 161 registros, o equivalente a 74,1% das queixas.

Outro produto que também é alvo de reclamações no Procon é o cartão de crédito. Este ano foram contabilizadas 486 queixas contra 484 no ano passado, uma leve alta de 0,4% de um ano para outro. Mas os motivos são os mesmos dos cartões de loja: cobrança indevida. O gerente de Fiscalização e Controle do Procon-MT, Ivo Vinícius Firmo, afirma que a elevação na quantidade de reclamações é derivada da proliferação dos cartões no comércio varejista. "Há muita facilidade na concessão de crédito. Mas o consumidor tem que ser consciente para não cair na inadimplência", diz ao orientar que as pessoas devem observar as faturas para verificar se não há nenhuma cobrança indevida e que diante de qualquer irregularidade deve acionar o órgão de defesa do consumidor.

Firmo explica ainda que há diferenças entre os cartões de loja e os chamados de fidelidade. "O cartão fidelidade é aquele que com o uso, o consumidor ganha pontos, como ocorre na aviação. Existem também os cartões que determinadas lojas confeccionam e que tem o mesmo conceito, fidelizar o cliente, porém com outros benefícios", diz ao acrescentar que a maioria deles ostenta a bandeira de administradora, além da logomarca do estabelecimento.

O gerente conta ainda que ambos oferecem vários atrativos. No caso dos cartões de loja, o juro é diferenciado e permite o parcelamento. "Mesmo diante de tantas facilidades, o consumidor tem de ficar atento às taxas e serviços cobrados, pois alguns deles são ilegais. É fundamental observar o que diz o contrato para avaliar se compensa ou não aderir ao produto".

Fonte: A Gazeta

Vídeos: Saco é um saco

Vídeos: Saco é um saco
Ola a todos.

No supermercado no qual costumo a fazer compras, há tempos que são utilizadas caixas de papelão no lugar de sacolas plásticas. Sempre costumo perguntar em supermercados (e sempre pergunto para as operadoras de caixas), se as pessoas vem deixando de usar as sacolas plásticas.

Até o momento, pelo que sei, está dificil de conscientizar a população, nao apenas pelo fator ecologia, mas pelo fator de que o consumidor vê valia nos saquinhos plásticos, utilizados dentro de casa principalmente como sacos de lixo.

Mas veja essa materia:

"O Ministério do Meio Ambiente lançou na terça-feira (23/06) a campanha "Saco é um saco. Para nós, para a cidade, para o planeta e para o futuro" em São Paulo, que pretende conscientizar a população a trocar o saco plástico (bolsa de supermercado e de outros estabelecimentos comerciais) por outras alternativas para transportar compras ou acondicionar o lixo. O evento foi aberto pelo ministro do Meio Ambiente Carlos Minc e contou com a presença de Jose Junior, coordenador executivo do AfroReggae e um dos convidados para participar da campanha.

Por ano, só no Brasil, mais de 12 bilhões de sacolas plásticas são consumidas por ano. Cada uma destas bolsas leva cerca de 400 anos para se decompor na natureza. Nas ruas, entope bueiros e com isso causa enchentes... No mar, é confundido por muitos peixes e pelas tartarugas marinhas como alimento, que em decorrência da ingestão, acabam morrendo."




E para você, essa é uma idéia que pega? Será que o consumidor será conscientizado?

Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO
www.falandodevarejo.blogspot.com

sábado, 27 de junho de 2009

Itens de Michael Jackson somem das lojas em São Paulo

Procura dispara após morte do artista; no mundo, catálogo disputa espaço com fenômenos do pop atual

Mesmo após sua morte, Michael Jackson continua sendo sinônimo de vendas. Os artigos relacionados ao cantor - CD's, DVD's e livros - praticamente sumiram das prateleiras das redes especializadas de São Paulo. A Livraria Cultura, por exemplo, informou nesta sexta-feira, 26, ao estadao.com.br, que o catálogo de discos do cantor está esgotado em todas as suas unidades. Lá, o mais procurado foi a edição comemorativa dos 25 anos de Thriller, CD divisor de águas da carreira do rei do pop.

Segundo a assessoria de imprensa da Cultura, mais discos chegarão na primeira quinzena de julho. Na FNAC da Avenida Paulista, a mais movimentada da rede, a procura pelos itens do cantor aumentou já noite de quinta-feira, quando foi declarada sua morte após uma parada cardíaca, disseram funcionários. No stand dedicado ao artista só o que se vê são fotos, o que de acordo com a livraria é uma forma de homenagear Jackson.

O mesmo aconteceu na Saraiva Megastore do Shopping Ibirapuera. "As vendas realmente saltaram, foram muito boas e continuam sendo", disse Luis Antonio Ferreira, encarregado do setor de música. "80% das compras hoje foram Michael Jackson", afirmou, sem citar números, assim como as outras duas livrarias, que devem divulgar um balanço nos próximos dias.

Mundialmente, a morte do astro também refletiu nas vendas de seu catálogo. Na Amazon.com, por exemplo, maior loja virtual do planeta, os quinze primeiros itens do Top 100 dos mais vendidos são itens que levam o nome de Michael Jackson. No iTunes, maior ponto de venda de música online do mundo, as canções do artista também dividem espaço no topo com fenômenos recentes do pop, como Lady GaGa e Black Eyed Peas.

Ao longo de sua carreira de mais de três décadas, Jackson acumulou cerca de 750 milhões de discos vendidos. Só Thriller (1982) rendeu mais de 100 milhões de cópias - recorde que lhe confere o título de álbum mais vendido do planeta.

Fonte: Estadão

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Entrevista: Marcelo Faisal - Varejo e sustentabilidade

Olá a todos

Um dos assuntos mais comentados atualmente no varejo é sobre sustentabilidade. Para falar sobre o tema, o FALANDO DE VAREJO, convidou o paisagista e especialista sobre o tema MARCELO FAISAL.

Falando de Varejo (FV): O varejo cada vez mais tem se voltado às questões de sustentabilidade. Boa parte das empresas, vê isso apenas como uma questão de marketing, apenas para criar uma boa imagem no mercado. Como você vê esta questão?

Marcelo Faisal: O desenvolvimento sustentável é uma preocupação muito além do marketing. É a conscientização do trabalho para garantir uma melhora na qualidade de vida da sociedade e do meio ambiente. É uma preocupação com o futuro do planeta, de seus recursos naturais e das gerações que estão por vir.

FV: Como que ações sustentaveis podem, além de contribuir com o meio> ambiente e social, criar lucro ou rentabilidade para um varejista?

Marcelo Faisal: Algumas ações simples podem fazer grande diferença e aumentar a rentabilidade do varejista. A redução do consumo de embalagens em geral, o aumento da eficiência e economia de energia e a utilização de combustíveis renováveis são algumas ações simples que geram um excelente resultado ambiental e econômico. É necessário estabelecer parcerias com fornecedores e orientar os consumidores para o consumo responsável.

FV: Para um lojista de pequeno porte, como uma padaria ou um bazar, quais> ações poderiam ser tomadas para se ter uma loja ecologicamente correta?

Marcelo Faisal: O pensamento ecológico está por todas as partes de uma empresa, desde que os funcionários estejam orientados e envolvidos nessa questão. A simples seleção de lixo, a economia de água, o apagar das luzes são gestos pontuais e fundamentais no processo de sustentabilidade e uso responsável.

FV: Para grandes lojistas, como magazines ou hipermercados, o que está sendo> utilizado com sucesso nos dias de hoje?

Marcelo Faisal:
A rede Wal Mart criou o Prêmio do Varejo Sustentável, que promove estudos universitários voltados à sustentabilidade. Estipulou também metas agressivas de redução de geração de resíduos, consumo de sacolas plásticas e construção de lojas mais eficientes, além da criação de programas sociais que beneficiam milhares de pessoas.
Outros grandes grupos tem trabalhos de reciclagem, conscientização da população quanto ao uso consciente de recursos e melhoria da infra estrutura das comunidades de baixa renda.

FV: Fora do contexto do varejo, que ações que voce recomendaria aos leitores> do blog para preservar o meio ambiente e se possível, ainda reduzir o> consumo de recursos naturais dentro de casa?

Marcelo Faisal: Prego o uso responsável de todos os recursos naturais, a separação e reciclagem de lixo e a preocupação contínua no conhecimento da origem dos produtos.

FV: Por último, agradecendo sua colaboração, gostaria que deixasse seu contato para os leitores do blog .

Marcelo Faisal:
Telefone: 11 3021-2665
Além disso, Faisal está no ar com o programa "Soluções Verdes - construções sustentáveis" na Rádio Eldorado - acesse o podcast pelo link: (http://int.territorioeldorado.limao.com.br/eldorado/audios!getAudios.action?idPrograma=185&editoria=PodCasts)
Um grande abraço e boas vendas

Caio Camargo
FALANDO DE VAREJO

Outlet Premium abre neste sábado, com lojas de marcas consagradas

Emprendimento às margens da Rodovia dos Bandeirantres consumiu R$ 60 milhões

Produtos de consagradas marcas nacionais e internacionais, com preços menores, são os principais atrativos do Outlet Premium São Paulo, que abre ao público neste sábado (28), no km 72 da Rodovia dos Bandeirantes, em Itupeva. O empreendimento da Senpar Terras de São José e da General Shopping Brasil (GBS), que consumiu R$ 60 milhões, tem quatro blocos com 17,7 mil metros de área construída, que abrigam 90 lojas - 52 delas em funcionamento já neste sábado - de grifes como Giorgio Armani, Calvin Klein, Ricardo Almeida, Nike, Adidas, Trousseau, Diesel, Hugo Boss, Lacoste, Ellus e Iódice.

O Outlet Premium, que ocupa uma área de 100 mil metros quadrados ao lado dos parques temáticos Hopi Hari e Wet’n Wild, segue o conceito dos empreendimentos existentes em vários países, de comercializar artigos de grandes marca, fora dos grandes centros, explica Alexandre Dias, diretor de marketing e de varejo da GBS. O centro de compras está instalado entre Campinas e São Paulo, distante cerca de 30 minutos de cada uma das duas cidades. Na avaliação de Dias, essa região entre a Capital e o interior concentra uma população estimada em 20 milhões de habitantes.

A expectativa é que o Premium receba cerca de 4,5 milhões de visitantes por ano. As unidades, com áreas que variam de 200 a 600 metros quadrados, vão comercializar produtos de em perfeito estado, da coleção anterior, com preços até 80% menores. Essa redução de preços também é possível devido ao custo de ocupação do lojista, cerca de 70% menor que nos shoppings convencionais.

O estacionamento gratuito, com 1,2 mil vagas do estacionamento gratuito , está instalado ao redor dos quatro blocos, para facilitar ao consumidor guardar as compras antes de percorrer outras lojas.

Mix

Além de grandes marcas de vestuário, o portfólio do Outlet Premium inclui lojas de artigos de cozinha, decoração e enxoval, como Casas Moysés, Home&Cook, M.Martan, Spicy e Trousseau.

O Outlet Premium vai funcionar das 9h às 21h todos os dias, inclusive nos finais de semana.
CampanhaA GBS e a Senpar investiram R$ 2 milhões na campanha de lançamento do Outlet Premium, segundo o diretor da GBS, Alexandre Dias. A campanha, protagonizada pela atriz Maitê Proença, começou a ser veiculada em todo o Estado de São Paulo, com anúncios em tevê, rádio, jornais e revistas.

Fonte: Regina Santomauro/ EPTV.com

Comércio empregava 8,4 milhões de pessoas em 2007, mostra IBGE

Comércio empregava 8,4 milhões de pessoas em 2007, mostra IBGE
O número de pessoas ocupadas no comércio brasileiro saltou de 6 milhões em 2003 para 8,4 milhões em 2007, de acordo com os dados da Pesquisa Anual do Comércio (PAC 2007), divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O montante de salários, retiradas e outras remunerações acompanhou a trajetória e pulou de R$ 37 bilhões para R$ 73,9 bilhões no mesmo período.
O setor com maior crescimento da ocupação foi Hiper e Supermercados, que passou de 541.371 postos de trabalho gerados para 798.250 empregos, enquanto a remuneração paga aumentou de R$ 4 bilhões em 2003 para R$ 7,1 bilhões em 2007. O ´boom´ do setor de construção civil no período fez com que o comércio varejista de materiais de construção atingisse 737.713 postos de trabalho gerados em 2007, contra 525.115 em 2003. Já o pagamento de salários do setor pulou de R$ 2,9 bilhões para R$ 5,6 bilhões no período.
Apesar do aumento do volume bruto de pagamentos, houve redução no salário médio pago, que passou de 2,1 salários mínimos em 2003 para 1,8 salário mínimo em 2007. A maior queda na remuneração média em salários mínimos foi no comércio atacadista de calçados, que pagava 5,4 mínimos em 2003 e passou para 3,4 mínimos em 2007. De acordo com o IBGE, também houve redução nos salários médios no comércio atacadista de produtos agropecuários in natura e produtos alimentícios para animais, que passou de 3,2 mínimos para 2,2 mínimos; e no comércio varejista de hipermercados e supermercados, que caiu de 2,5 mínimos para 1,8 mínimos entre 2003 e 2007.
As atividades que tiveram reajustes salariais superiores aos efetuados no salário mínimo foram o comércio atacadista de eletrodomésticos e outros equipamentos de uso pessoal e doméstico, que pagava a média de 3,4 salários mínimos em 2003 e pulou para 3,8 salários mínimos em 2007; o atacado de produtos extrativos de origem mineral, cujo salto foi de 2,2 mínimos para 2,3 mínimos; o comércio varejista de tecidos e artigos de armarinho, que passou de 1,3 para 1,4 salário mínimo; e o varejo de produtos alimentícios, bebidas e fumo, que subiu de 1,2 para 1,3 salários mínimos.
As maiores proporções de gasto com pessoal em relação ao valor adicionado, em 2007, estavam nas atividades de produtos alimentícios, bebidas e fumo, com 76,6%; produtos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria, cosméticos e veterinários, com 75,5%; e máquinas e aparelhos de uso doméstico e pessoal, discos, instrumentos, com 72,4%. Os segmentos que destinaram uma menor proporção do valor adicionado às despesas com pessoal, em 2003, foram comércio atacadista de produtos de extração mineral, com 29%; e o de combustíveis e lubrificantes, com 32,1%.

Fonte: Rafael Rosas / Valor Online

Loja exclusiva HP Store no Shopping Estação de Curitiba



Curitiba ganha essa semana a primeira loja conceito da HP Store. A loja, instalada no Shopping Estação, faz parte do plano de expansão da empresa e também do plano de conquista de marketshare no Brasil. Com um conceito inovador de “experiência de compra diferente”, a HP Store oferece a oportunidade de o cliente testar o produto antes da compra, com o auxílio de um promotor especializado para dar suporte.

Todas essas novidades fazem parte da loja da HP em parceria com a TVD Info, empresa que atua no segmento de produtos de informática. Na loja conceito, além de encontrar todos os produtos da HP, o consumidor pode conhecer os principais lançamentos da empresa, maior fabricante de computadores do mundo. Para a inauguração da loja em Curitiba, a HP apresenta o Touchsmart PC IQ 500, um super computador com tela de 22’’ sensível ao toque e os notebooks das séries dv4 e dv5, com design arrojado e logotipo iluminado.

“O conceito da HP Store é inovador em Curitiba. A loja oferece uma opção de teste para o cliente, para que ele possa avaliar suas necessidades e escolher o melhor produto para si. A ideia é conquistá-lo por meio da experiência”, declara Thiago Hoffmann, diretor comercial da TVD Info. Thiago ainda avalia a instalação da franquia no Shopping Estação. “Realizamos uma pesquisa entre os principais shoppings de Curitiba para receber a primeira loja da HP Store na cidade. O Shopping Estação tem um conceito de lojas que se enquadram no perfil dos consumidores da HP, além de ser um empreendimento central que recebe diariamente um grande fluxo de pessoas”, finaliza.

A HP Store já possui lojas em nove cidades brasileiras: Santos (SP), Suzano (SP), Natal (RN), Recife (PE), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Caxias do Sul (RS), Porto Alegre (RS) e Salvador (BA).

Varejo pede prorrogação de IPI reduzido



Representantes do setor varejista se reuniram na quinta-feira com o presidente Luiz Ináco Lula da Silva para mostrar que a desoneração da linha branca chegou à ponta e pedir a prorrogação da medida. O encontro aconteceu depois de Lula ter criticado os empresários por não repassarem aos preços a redução de impostos, lembra reportagem do Globo, na edição desta sexta-feira.
Segundo a presidente do Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV), Luiza Trajano, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de geladeiras, fogões e máquinas de lavar foi repassada aos preços, aquecendo as vendas desses eletrodomésticos, criando empregos na indústria e aumentando a arrecadação.

Segundo os empresários, entre novembro de 2008 e abril de 2009 foram demitidos 2.500 funcionários das indústrias de eletrodomésticos da linha branca. Em maio, foram recuperados 387 postos. O ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, disse que a prorrogação da medida está sendo analisada "com carinho" no governo, e a decisão será anunciada na próxima semana:
- Só na próxima semana sairá uma decisão sobre a prorrogação do IPI dos automóveis e eventualmente de outras reduções de IPI.

Lula confirmou que, na próxima segunda-feira, terá uma reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para discutir novas medidas de incentivo à economia brasileira. O foco das medidas, agora, é a indústria de máquinas e equipamentos . Serão reduzidos os juros das linhas do BNDES voltadas à compra e ao leasing de equipamentos industriais, máquinas agrícolas, caminhões, ônibus, entre outros.

Fonte: O Globo

ABF Franchising Expo 2009 bate novo recorde de visitação

ABF Franchising Expo 2009 bate novo recorde de visitação
Aproximadamente 39 mil pessoas passaram pela exposição, um aumento de quase 19% com relação a 2008. Em conseqüência, cerca de R$ 30 milhões em negócios devem movimentar o setor depois da feira

São Paulo, 26 de junho de 2009 - A 18ª edição da ABF Franchising Expo, encerrada no último sábado (20/06), registrou cerca de 39 mil visitantes - 19% a mais que na versão anterior do evento - interessados em conhecer melhor o setor de franquia e adquirir o próprio negócio. A expectativa da Associação Brasileira de Franchising (ABF) é que o evento movimente cerca de R$ 30 milhões em negócios. "Estamos muito satisfeitos com o evento. Mesmo diante do atual cenário econômico, a feira refletiu a vitalidade do sistema. Já no primeiro dia registramos um aumento de 22% de visitantes interessados em adquirir uma franquia, consequentemente o volume de negócios pós-feira deverá aumentar significativamente", afirmou Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF.

Participaram 260 marcas brasileiras, mais de 20 delas pela primeira vez, nove delegações estrangeiras, oito franquias com sucesso comprovado nos Estados Unidos e em muitos outros países, além de inúmeras atividades e cursos que agitaram o Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte em São Paulo.

A Brazil Trade Shows (BTS), que pelo segundo ano consecutivo é responsável pela organização do evento, já tem planos para a próxima edição em 2010. "Desde que assumiu a realização da ABF Expo, a BTS vem promovendo a ampliação da feira, edição após edição. Trocamos do pavilhão Azul para o Vermelho que é bem maior e ainda assim continuamos com fila de espera. Para contemplar a demanda, promoveremos mais uma vez a ampliação da área ocupada para a edição do próximo ano", afirma o presidente da BTS, Marco Antonio Mastrandonakis.

ACORDOS FIRMADOS NA FEIRA


Considerada a maior e melhor feira do setor de franquias na América Latina, importantes acordos que favorecem interessados em ter seu próprio negócio foram estabelecidos durante o evento. Exemplo disso é o acordo de cooperação técnico-financeira, para oferecer financiamento às franquias que desejam expandir no Nordeste, assinado pelo diretor de negócios do Banco do Nordeste, Paulo Sérgio Rebouças Ferraro, pelo presidente da associação, Ricardo Bomeny, e pelo diretor executivo, Ricardo Camargo. A parceria deverá gerar bons resultados, pois ajudará a identificar os clientes com potencial acesso ao crédito.

Outros dois acordos entre a ABF e prefeituras do interior do Estado de São Paulo foram assinados para desenvolver e fomentar o sistema de franquias. Um deles foi com o prefeito de Rio Claro, Palmínio Altimari Filho, e o outro com o prefeito de Ourinhos, Toshio Misato. Por meio das parcerias, cada uma destas cidades, juntamente com a ABF, realizará ações para desenvolver o sistema de franquias regionalmente.

O encontro de franqueadores do interior de São Paulo, liderado pelo diretor regional, Altino Cristofoletti Jr., foi outro destaque. Cerca de 20 pessoas, entre franqueadores de diversas cidades, como Águas de Lindóia, Bauru, Campinas, Laranjal Paulista, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Tupã, marcaram presença. Altino incentivou os empresários a pedirem o apoio dos respectivos governos municipais para ajudar no desenvolvimento das franquias nessas regiões.

O presidente do Conselho Internacional de Shopping Centers (ICSC), Jorge Lizan, e os executivos da ABF assinaram um protocolo de intenções com o objetivo de fortalecer o relacionamento e atrair mais investimentos.

Outra importante parceria estabelecida durante a feira diz respeito ao convênio com representantes do Equador. Com o intuito de trocar informações e fortalecer a relação de franquias entre os países, o presidente da ABF, Ricardo Bomeny, o vice-presidente da Associação Equatoriana de Franquícias, Julio Bonilla, e o vice-presidente da Câmara de Comércio de Cuenca, Xavier Patino, também assinaram um acordo. "Essa parceria é muito importante para associação, pois incentiva o desenvolvimento das franquias na América Latina, que já conta com o apoio do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) em projetos de fortalecimento de franquias neste continente", explicou Bomeny.

BOAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS

Franquias de diferentes regiões, portes, estreantes ou não na feira já colhem resultados da participação do evento, que deve gerar cerca de R$ 30 milhões em negócios. Mulheres, jovens, principalmente casais, são os principais futuros empreendedores, de acordo com o perfil de visitação.

Tradicionalmente na feira, a primeira e maior rede de frutos do mar do País, a Vivenda do Camarão, recebeu cerca de dois mil visitantes e está bastante otimista. O perfil de visitantes da feira também foi muito diversificado. A Vivenda registrou a presença de jovens entre 25 e 35 anos, que buscam um negócio para investir e administrar. A rede apresentou suas novidades, como o novo modelo de loja delivery e anunciou a sua expansão no segmento de Food Service, com a entrada em canais de distribuição como hotéis, motéis e restaurantes.

O Rei do Mate recebeu mais de mil visitas por dia. O perfil dos visitantes se dividiu entre grupos de jovens em busca de segurança na hora de investir em um negócio próprio; empreendedores que buscam diversificar o ramo de atuação e também profissionais que trabalham em outros setores e planejam abrir uma franquia da bandeira. Além disso, o público visitante da rede demonstrou conhecer e acreditar na qualidade e tradição da rede, com mais de 30 anos de atuação no mercado. "Notamos que muitas pessoas que vieram ao nosso espaço são consumidores de produtos do Rei do Mate e sabem a solidez da marca", revela a Adriana Lima, gerente de expansão da empresa. Segundo Adriana, novos negócios foram gerados a partir da feira. "Em breve devemos ampliar nossa atuação no interior de São Paulo, em São Luiz (MA) e no Rio de Janeiro", comemora.

Mulheres interessadas em abrir franquias foram a maioria no estande da Subway. Durante os quatro dias de feira, a marca recebeu a visita de cerca de 400 pessoas por dia, interessadas em adquirir uma loja da rede. As praças mais procuradas para abrir as novas lojas foram São Paulo, Brasília, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná. No final do evento, foram realizados cerca de 200 cadastros positivos. "Notamos que o perfil dos interessados em adquirir franquias da rede tem se diversificado. Os interessados já chegam bem direcionados e querem apenas tirar dúvidas mais pontuais sobre a operação da rede", comenta Giulliano Ivankiw, gerente de operações da Subway no Brasil.

Expectativas superadas também para a gerente de expansão da Salad Creations, Cecília Gonçalves. Ao todo 20 contratos foram encaminhados. A meta é que os negócios se concretizem nos próximos 60 dias. Entre os visitantes do estande, destaque para as regiões Nordeste e Rio de Janeiro. "Observamos um aumento na procura por parte de empreendedores dessas localidades", conta Cecília. Além disso, a maior rede especializada em saladas lançou durante o evento o formato quiosque.

Segundo Modesto Carone Jr., diretor da rede Roasted Potato, dez negócios tinham sido encaminhados apenas nos dois primeiros dias do evento. "Nossa expectativa é de que, em breve, tenhamos todos os contratos de franquia assinados", diz. Especializada em batatas recheadas, o estande contou com um movimento de público excelente, na visão de Carone. "É uma das melhores edições da feira dos últimos anos."

As redes Bon Grillê e Vanilla Caffè cadastraram mais de 300 pessoas interessadas em ter informações das duas marcas. A expectativa é ter um retorno de 6% em novas aquisições de franquias. "A ABF proporcionou muitas oportunidades e foi realmente significativa a nossa participação, pois foi mais uma chance de mostrar o nosso negócio", diz o gerente de marketing Bruno Bonfiglioli.

A Casa do Pão de Queijo, líder nacional em número de unidades franqueadas no segmento de cafeteria, estima fechar cerca de dez contratos com as negociações iniciadas durante a ABF Franchising Expo, além das 15 unidades que pretende abrir até o final do ano. Segundo Ricardo Bertucci, gerente comercial da rede, todos os contratos são sempre fechados no pós-feira, para melhor detalhamento do sistema da Casa do Pão de Queijo ao futuro franqueado. Bertucci ressalta que houve um crescimento de 20% no número de pessoas interessadas em abrir uma franquia, em comparação ao evento realizado em 2008. Mais de 1.500 visitantes passaram pelo estande durante os quatro dias de evento.

Cerca de 280 candidatos a franqueados visitaram o estande do Mundo Verde durante a feira ABF Franchising Expo Como resultado preliminar das negociações iniciadas durante o evento, pelo menos nove lojas da rede deverão ser abertas já nos próximos meses em cinco estados. Das novas franquias negociadas, cinco ficam em São Paulo (Campo Belo, Vila Olímpia, Guarulhos, Vila Madalena e Taubaté), uma no Rio de Janeiro (Angra dos Reis) e as demais em importantes capitais das regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste, onde a marca ainda não havia chegado: Manaus (AM), Teresina (PI) e Campo Grande (MS). "Foi um resultado realmente excelente e superamos nosso principal objetivo, de expandir a marca em São Paulo e outros estados onde ainda não havíamos chegado", afirma diretor comercial da franquia, Jorge Antunes. Antunes, que também é sócio-fundador da marca, anunciou ainda durante o evento que a rede deverá crescer este ano na Região Sul: em agosto abrirá sua primeira loja em Caxias do Sul (RS) e já prospecta interessados nas cidades de Canoas, São Leopoldo e Novo Hamburgo.

Ensino profissionalizante em alta

A Yázigi Internexus, rede de escolas de idiomas, recebeu durante os quatro dias de evento, cerca de 1.500 visitantes interessados em abrir uma unidade com a bandeira da marca. Jovens, principalmente casais, com formações em marketing, tecnologia ou na área educacional foram os que mais procuraram conhecer as oportunidades de investimentos da empresa. De acordo com Alexandre Gambirásio, presidente da marca, "participar da ABF Franchising Expo é uma importante vitrine para divulgação dos negócios".

A rede de franquias Eurodata, especializada em cursos de qualificação profissional e tecnológica, participou pela sexta vez. Já nos dois primeiros dias do evento, o estande recebeu cerca de 300 visitantes. Para Ramon Asensio, presidente da empresa, a expectativa de que novos negócios sejam gerados como resultado da ABF aumentou. "Nossa meta subiu para 30 unidades até o final do ano", afirmou o empresário.

A Visual Mídia, rede de ensino de informática e profissionalizante que utiliza métodos interativos de ensino, trouxe à ABF Franchising Expo uma oferta para os interessados em abrir escolas de informática e formação profissional em todo o País. A partir de agora, a empresa oferece duas modalidades: o licenciamento do seu método de ensino e como franqueadora, onde os franqueadores terão direito à utilização do método Visual Mídia e também ao uso da marca. "Esta participação na ABF Franchising foi muito positiva para a empresa. Pudemos expor a marca e esclarecer as dúvidas dos visitantes sobre o plano de expansão no mercado de franquias", explica Leopoldo de Oliveira, diretor da rede.

O Centro de Ensino Fisk registrou recorde de interessados durante a exposição. Somente no primeiro dia da maior feira de franquias da América Latina, o estande recebeu o dobro de interessados em conhecer detalhes sobre a marca em relação aos anos anteriores. O diretor da Fundação Richard H. Fisk, Christian Ambros, comenta que os resultados superaram as expectativas da rede. "Nossos oito consultores registraram uma média de 130 atendimentos diários de pessoas inclinadas a iniciar um processo seletivo - fase inicial da ação de abertura de uma franquia". Para Ambros, além de um indicativo da credibilidade da marca, o resultado é consequência do cenário econômico atual, ainda instável. E o setor de franquias passa a ser uma alternativa interessante à medida que apresenta crescimento. A rede registrou uma média de quatro mil visitas em seu estande.

Cerca de 300 visitantes conheceram as vantagens das franquias do Grupo S.O.S Computadores durante a ABF Franchising Expo. "As boas oportunidades de negócios, com baixo investimento inicial, a partir de R$ 60 mil foram os principais atrativos", explicou João Carlos Ferreira da Silva, gerente de expansão do grupo, detentor das marcas S.O.S Educação Profissional e Real Time.

O Grupo Multi - multinacional brasileira líder mundial no mercado de ensino de idiomas, informática e profissionalizante, detentor das marcas Wizard, Skill, ALPS e People - recebeu em seu estande cerca de 300 prospects interessados nos planos e novidades de cada uma das marcas. "A feira da ABF é uma grande vitrine que divulga o sistema de franchising. São visitantes de todo o País analisando e procurando novas oportunidades de negócios", analisa Roberto Massinelli Jr., diretor de marketing do grupo.

Beleza e qualidade de vida somam pontos

A Korai Cosmética escolheu a ABF Franchising Expo para lançar seu processo de franquia da marca porque acredita muito no potencial da feira. Até o fechamento deste balanço, a empresa já tinha cadastrado mais de 200 pessoas interessadas em receber mais informações da franquia. "Agora vamos trabalhar o pós-feira para transformar em negócios os contatos que fizemos. Iniciar o processo de franquia da marca no evento certamente foi uma decisão bastante acertada", comentou Vanessa Mayo, diretora da rede.

Para a Antídoto Cosméticos, a feira superou todas as expectativas. Segundo os diretores da empresa, a frequência de pessoas em busca de negócios na área de cosméticos foi muito maior que em 2008. A participação na feira faz parte da estratégia de expansão da marca e, para isso, a Antídoto criou um desconto de 10% no investimento inicial para a aquisição de um quiosque entre os negócios fechados durante o evento. Já no primeiro dia, o estande realizou 126 atendimentos ao público interessado em adquirir novas franquias da marca. "O que se percebeu, também, é que o público desta edição mostrou poder de investimento muito maior que o do ano passado, principalmente no segmento em que a empresa atua. A expectativa é de que 90% dos contatos feitos durante o evento sejam revertidos em novos negócios", afirma Vera Lucia Lukesic, diretora da marca, que tem como meta crescimento de 30% em novas unidades até o final do ano.

O Emagrecentro recebeu cerca de mil visitantes e gerou 25 novos negócios. "A novidade do Emagrecentro durante a ABF Franchising Expo foi o modelo de academia popular, Emagrecentro Fitness. A perspectiva da marca é criar 100 novos pontos do novo modelo da franquia e 50 do Centro de Emagrecimento e Estética, diz Edson Ramuth, sócio-proprietário da empresa.

Os franqueadores master da Fitness Together escolheram a feira para o lançamento oficial da marca no Brasil. O principal objetivo era atingir o maior número possível de visitantes. Segundo Newton Calvalieri, um dos franqueadores master da Fitness Together, cada visitante passou ao menos 15 minutos dentro do estande. "Ficamos extremamente satisfeitos com a quantidade de pessoas que se interessou pelo negócio de franquias, mesmo diante de um período de crise econômica. Valeu o investimento e esforço que fizemos para lançar a marca durante a feira", conclui.

O Grupo Franchising Ventures, composto pelas marcas Livraria Nobel, Café Donuts, Sapataria do Futuro, Costura do Futuro, Lavanderia do Futuro, Centro Britânico, Zastras Brinquedos, Nobex, Franquia Imóveis e Flórida Center, tiveram uma procura maior em seu estande, se comparado ao ano anterior. Segundo Sérgio Milano Benclowicz, diretor da Franchising Ventures, o espaço esteve lotado todos os dias da feira. "Realizamos muitos contatos comerciais interessantes que, com certeza, se transformarão em franqueados das marcas de nosso grupo." Os principais atrativos do estande este ano ficaram por conta da Franquia Imóveis, primeira franquia imobiliária do País, setor que vem crescendo muito nos últimos anos, e do recente lançamento da primeira franquia de centros comerciais do País, Flórida Center. Com a participação no evento, a rolding prevê o crescimento de 15% em seus negócios.

As Ópticas Ipanema, com 30 anos de atuação no mercado varejista e dez lojas espalhadas pelas cidades de Campinas, Indaiatuba, Vinhedo, Jaguariúna e Itatiba, lançaram o seu sistema de franchising na feira da ABF. Até a tarde de sexta-feira (19), penúltimo dia da feira, foram mais de cem consultas de interessados em obter informações mais detalhadas sobre o seu modelo de franquia. A expectativa é de que cerca de 10% deste volume se reverta em negócios em curto prazo. Sílvio Ferreira, sócio-proprietário do grupo, diz que a feira superou todas as suas expectativas. "Fiquei realmente surpreso com a organização, número de visitantes, nível do público e abrangência da feira da ABF. Foi uma experiência enriquecedora e gratificante", comemora.

Quem também comemora é a Sorridents Clínicas Odontológicas, maior rede de franquias de clínicas de odontologia do País. De acordo com Cleber Soares, vice-presidente da marca, a quantidade e a qualidade dos visitantes em 2009 foi surpreendente. "Os investidores que passaram pelo estande demonstraram conhecer mais detalhes sobre o nosso negócio e já entendem que não é necessário ser dentista para comandar uma clínica odontológica. As pessoas já sabem que basta contar com um especialista responsável técnico pela unidade", diz o executivo. De acordo com Soares, participar do evento é uma excelente maneira de dar continuidade ao projeto de nacionalização da marca. O executivo revela que há uma série de reuniões já agendadas para os próximos dias em decorrência da participação na feira e a expectativa é de que bons contratos sejam fechados como resultado das ações realizadas durante o evento.

Devido ao crescimento do setor de franchising de acessórios pessoais e calçados neste último ano, a Barbara Strauss superou em 20% o atendimento aos interessados em abrir uma franquia e obteve crescimento de 50% de negócios fechados na exposição em relação ao ano passado.

Cerca de mil visitantes prestigiaram o estande da empresa do segmento de limpeza e conservação, SuperSan. "A expectativa é de que após o término do evento sejam gerados de 10 a 15 contratos para novos franqueados", afirma Eric Stocker, presidente da marca.

A Contours que já participa da feira há cinco anos recebeu durante os quatro dias de feira uma média de 100 interessados, por dia, em conhecer a proposta de negócio. "O resultado da feira nos surpreendeu, tivemos número recorde de visitantes, portanto posso afirmar que o evento foi um sucesso para a Contours", diz o franqueador master, Cassiano Ximenes.

CONSULTORIAS ESPECIALIZADAS COMEMORAM


As consultorias especializadas na formatação de redes também foram destaque durante a feira. Além de apresentar as novidades de seus clientes, em estandes que reuniram redes já conhecidas e outras novas, os especialistas receberam futuros empreendedores e empresários do ramo, em busca de auxilio e orientação em seus negócios.

Segundo Danilo Andreoli, da Dubnet, seu estande recebeu mais de 100 pessoas interessados em seus serviços e mais de 300 candidatos às franquias. O estande da Dubnet teve a participação das redes: Café Moinho, Korai Cosmética, Icrovix, Nina Fiori, Proclean e Space Box.

O amplo estande da Vecchi Ancona, 234 m² no total, foi bastante badalado. A consultoria foi responsável por 14 marcas, todas clientes: Grupo Ipanema, Miss Bella, Nicoboco, White Proteção e Segurança, Casa Santa Ifigênia, Empório Naka, Passion, Visual Mídia, Multicoisas, Moldura Minuto, Toulon, Fran`s Café e Spedini. Os consultores Paulo Ancona e Ana Vecchi ficaram contentes com sua primeira participação no evento. Os resultados foram positivos tanto para as redes coexpositoras quanto para a própria consultoria que no total registrou uma visitação superior a quatro mil pessoas, nos quatro dias do evento. “Cada cliente deverá fechar em torno de sete contratos pós-feira. O número de marcas próprias que querem adotar o modelo de franquia também foi surpreendente, agendamos em torno de 50 reuniões”, afirma o especialista.

A Bittencourt Consultoria, também responsável pela expansão de diversas marcas, abriu espaço para seus clientes: Minds Idiomas, Barbara Strauss, Espetinhos Mimi, Casa do Sorvete Jundiá, UZ Games e Companhia do Bordado. A empresa promoveu o lançamento do software Expansoft Franchising Facilities que tem como objetivo potencializar novos negócios. Outra novidade foi a joint venture com a espanhola Tormo & Associados, que pretende viabilizar a entrada de franqueadores europeus no Brasil.

INTERNACIONALIZAÇÃO

A ABF Franchising Expo teve uma forte presença de marcas estrangeiras. Oito redes americanas prospectaram investidores brasileiros e também se interessaram pela variedade dos segmentos do franchising nacional.

Cada rede americana agendou mais de 30 reuniões com potenciais investidores brasileiros interessados em ancorar a entrada das companhias no País. Entre as opções de negócio estiveram presentes quatro marcas de serviço (Molly Maid, Mr. Handyman, Crestcom, Signs Now) e quatro de alimentação (Papa John’s Pizza, Round Table Pizza, Quaker Steak & Lube e The Melting Pot).
As redes apresentaram diversas modalidades de negócio, incluindo franqueamento direto para master franqueado até parceria em forma de joint venture. Segundo Paulo Rodrigues, especialista em Desenvolvimento de Mercado do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, os representantes regressarão ao seu país com a missão de avaliar as possibilidades de negócio com os interessados para desdobrar os contatos nos próximos meses. “Todas as marcas que participaram da ABF Franchising Expo estão decididas a expandir seus negócios no Brasil. Agora será uma questão de tempo para definir o melhor acordo”, afirma Rodrigues.

Além dos EUA, Canadá, Espanha, França, Peru e Uruguai foram algumas das nações representadas no evento.

RESPONSABILIDADE SOCIAL DURANTE A ABF FRANCHISING EXPO


Responsabilidade Social durante a ABF Franchising Expo

A Associação Franquia Solidária (Afras), braço social da ABF, conseguiu ter a gestão dos resíduos sólidos de forma muito mais organizada e profissional, resultando numa coleta seletiva 7,6 vezes mais eficientes, além da compensação do carbono emitido na montagem, funcionamento e desmontagem do evento.

Segundo a diretora executiva da Afras, Eleine Bélaváry, o bom resultado da coleta também se deu porque este ano conseguiram cobrir todas as áreas da feira e não somente a praça de alimentação. No total, foram mais de 7,5 toneladas de material reciclável que irá gerar uma renda de quase 3 mil reais para os cooperados que trabalham na Central de Triagem Capela do Socorro, em São Paulo

Outra iniciativa da Afras para a minimização dos passivos ambientais da feira, foi plantar 600 mudas de árvores nativas em Canarana, região do Xingu, no Mato Grosso, onde fica o Instituto Socioambiental, entidade parceira da ação.

(*) - De acordo com Eleine, algumas empresas como Bob`s, Casa do Pão de Queijo, O Boticário - através de seu franqueado Erik Cavalheri, Rei do Mate, Spoleto, Vivenda do Camarão, Yázigi Internexus e a consultoria de estratégia e gestão, Vecchi&Ancona, irão participar do projeto, e juntas, irão reunir um total de outras 2 mil mudas plantadas.

(*) - Outras adesões continuam acontecendo. Atualizações podem ser obtidas direto com a entidade.


SOBRE A ABF FRANCHISING EXPO


Em sua 18ª edição, trata-se da principal feira de franquias da América Latina, que acontece em São Paulo há 18 anos. Principal objetivo é oferecer ao público oportunidades de investimento em franquia em praticamente todos os segmentos da economia nacional.

Organizada pela Brazil Trade Shows, a feira é restrita aos associados da ABF e fornecedores do sistema de franchising. Os preparativos para a próxima edição - ABF Franchising Expo 2010 serão iniciados imediatamente. Em breve divulgaremos mais informações.

SOBRE A ABF
A ABF - Associação Brasileira de Franchising é uma entidade sem fins lucrativos, criada há mais de 21 anos para promover, defender e fomentar o desenvolvimento técnico e institucional do modelo de negócio batizado como Franchising/Franquia. Sendo assim, reúne todas as partes envolvidas na franquia - franqueadores, franqueados, consultores e prestadores de serviços- para garantir e disseminar a prática do bom franchising no Brasil.
A ABF fornece dados sobre as empresas franqueadoras no Brasil e no exterior para as empresas interessadas em expandir seus negócios através do sistema de franquia. Além disso, dispõe em seu site de uma relação de profissionais de consultoria em franchising para assessorarem no processo de franqueamento.